Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Exelon - Bula do remédio

Exelon com posologia, indicações, efeitos colaterais, interações e outras informações. Todas as informações contidas na bula de Exelon têm a intenção de informar e educar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um profissional médico ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Decisões relacionadas a tratamento de pacientes com Exelon devem ser tomadas por profissionais autorizados, considerando as características de cada paciente.

Aviso importante

Todas as bulas constantes em nosso portal são meramente informativas. Em caso de dúvidas quanto ao conteúdo de algum medicamento, procure orientação de seu médico ou farmacêutico.

Obs.: A MedicinaNET não vende nenhum tipo de medicamento.

Laboratório

Novartis

Apresentação de Exelon

cáps. de 1,5 mg - emb. c/ 28 cáps. cáps. de 3,0 mg - emb. c/ 28 e 56 cáps. cáps. de 4,5 mg - emb. c/ 28 cáps. cáps. de 6,0 mg - emb. c/ 28 cáps. sol. oral 2 mg/mL - fr. de 120 mL + 1 seringa dosadora

Exelon - Indicações

Tratamento de pacientes com demência leve a moderadamente grave do tipo Alzheimer, também conhecida como Doença de Alzheimer provável ou Doença de Alzheimer.

Contra-indicações de Exelon

O uso de Exelon é contra-indicado em pacientes com conhecida hipersensibilidade à rivastigmina, a outros derivados do carbamato ou a qualquer componente da fórmula (veja Composição - Excipientes-). Exelon é contra-indicado em pacientes com insuficiência hepática grave por não ter sido estudado nesta população.

Reações adversas / Efeitos colaterais de Exelon

náusea, vômito, diarréia, dor abdominal, perda de apetite, dispepsia, tontura, cefaléia, sonolência, tremor, agitação, confusão, sudorese, perda de peso, indisposição, fatiga, astenia e síncope. Raramente, angina pectoris, úlcera gástrica e duodenal, convulsões e erupções cutâneas. Casos muito raros de arritmia cardíaca (e.g. bradicardia, bloqueio átrio-ventricular, fibrilação atrial e taquicardia), hipertensão,hemorragia gastrintestinal e pancreatite leve foram relatados.

Exelon - Posologia

Dose Inicial: O tratamento deve sempre ser iniciado com uma dose de1,5 mg duas vezes ao dia tanto no início quanto no reinício da terapia. Exelon solução oral e cápsulas podem ser substituídos em doses iguais. Ajuste de dose: se bem tolerada, após pelo menos 2 semanas de tratamento pode ser aumentada para 3 mg duas vezes ao dia, subseqüentemente para 4,5 mg duas vezes ao dia e então para um máximo de 6 mg duas vezes ao dia. Se forem observados efeitos adversos, omitir uma ou mais doses. Se os efeitos adversos persistirem, a dose diária deve ser reduzida à dose anterior que apresentou boa tolerabilidade. Uso em pacientes com insuficiência renal ou hepática: não é necessário realizar ajuste de dose em pacientes com insuficiência renal ou hepática.

Exelon - Informações

As alterações patológicas na Doença de Alzheimer envolvem as vias neuronais colinérgicas que se projetam da base do cérebro anterior até o córtex cerebral e o hipocampo. Essas vias estão envolvidas na atenção, no aprendizado e na memória e em outros processos cognitivos. Acredita-se que a rivastigmina, um inibidor seletivo da acetilcolinesterase cerebral do tipo carbamato, facilita a neurotransmissão colinérgica pela diminuição da degradação da acetilcolina liberada por neurônios colinérgicos funcionalmente intactos. Dados de estudos com animais indicam que a rivastigmina aumenta seletivamente a disponibilidade de acetilcolina no córtex e no hipocampo. Dessa forma, Exelon pode apresentar um benefício nos déficits cognitivos mediados pelo sistema colinérgico, associados à Doença de Alzheimer. Além disso, existem evidências de que a inibição da colinesterase poderia diminuir a formação de fragmentos da proteína amiloidogênica precursora de beta-amilóide (APP) e, dessa forma, das placas amilóides, que são uma das principais características patológicas da Doença de Alzheimer. A rivastigmina interage com sua enzima-alvo pela formação de uma ligação covalente que inativa temporariamente a enzima. No homem, uma dose oral de 3,0 mg diminui a atividade da acetilcolinesterase no líquido cefalorraquidiano em aproximadamente 40% dentro da primeira 1,5 hora após a administração. A atividade da enzima retorna aos níveis basais cerca de 9 horas após o efeito inibitório máximo ter sido atingido. Em pacientes com a Doença de Alzheimer, a inibição da acetilcolinesterase no líquido cefalorraquidiano pela rivastigmina se mostrou dose-dependente até 6 mg administrados duas vezes ao dia, a maior dose testada.

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal