FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Estatinas na insuficiência cardíaca

Autor:

Rodrigo Díaz Olmos

Doutor em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de são Paulo (FMUSP). Diretor da Divisão de Clínica Médica do Hospital Universitário da USP. Docente da FMUSP.

Última revisão: 17/11/2008

Comentários de assinantes: 0

Estatinas na insuficiência cardíaca

 

Efeito da rosuvastatina em pacientes com insuficiência cardíaca crônica: um ensaio clínico randomizado, duplo-cego, placebo-controlado.

Effect of rosuvastatin in patients with chronic heart failure (the GISSI-HF trial): a randomised, double-blind, placebo-controlled trial. Lancet 2008; 372: 1231–39 [Link para o Abstract]

 

Fator de impacto da revista (Lancet): 28,638

 

Contexto Clínico

            Evidências provenientes de grandes estudos observacionais, pequenos estudos prospectivos e análises post-hoc de ensaios clínicos randomizados sugerem que as estatinas podem ser benéficas em pacientes com insuficiência cardíaca crônica. Além disso, as estatinas têm sido postuladas como apresentando inúmeras ações além de seu efeito redutor de lipídeos, como efeitos anti-oxidantes, anti-inflamatórios, anti-hipertróficos, anti-fibróticos. Entretanto, em virtude dos possíveis vieses presentes nestes delineamentos de estudo utilizados para avaliar intervenções terapêuticas, o presente estudo foi desenhado para investigar a eficácia e a segurança da estatina rosuvastatina em pacientes com insuficiência cardíaca.

 

O Estudo

            O estudo foi um ensaio clínico randomizado, duplo-cego, placebo-controlado, multicêntrico, realizado em 326 centros cardiológicos e 31 centros de medicina interna na Itália, financiado pela indústria farmacêutica. Foram incluídos pacientes com mais de 18 anos portadores de insuficiência cardíaca crônica com classe funcional (New York Heart Association) II a IV, independente da etiologia ou da fração de ejeção. Os participantes foram randomizados para rosuvastatina 10 mg/dia (n=2285) ou placebo (n=2289) via telefone por um sistema computadorizado de randomização, com geração e ocultação da sequência de randomização realizadas de forma adequada. Os pacientes foram seguidos por uma média de 3,9 anos. Os desfechos primários tempo até a morte e tempo até a morte ou internação hospitalar por causa cardiovascular. A análise foi realizada por intenção de tratar.

 

Resultados

            Todos os pacientes randomizados foram analisados. Não houve diferença de mortalidade entre os dois grupos (RR:1,0 IC95% 0,89 – 1,12). Não houve diferença na incidência de morte ou internação hospitalar por causas cardiovasculares entre os dois grupos (RR: 1,01 IC95% 0,90 – 1,11). Também foram avaliados alguns subgrupos pré-especificados como insuficiência cardíaca de origem isquêmica, diabéticos e dislipidêmicos, não se observando nenhum efeito da rosuvastatina sobre o desfecho primário morte ou internação hospitalar por causas cardiovasculares mesmo nestes subgrupos que supostamente apresentariam algum benefício da terapia com estatinas. Os autores concluem que a rosuvastatina não afeta os desfechos clínicos estudados em pacientes com insuficiência cardíaca crônica de qualquer etiologia.

 

Aplicação para a Prática Clínica

            Embora as estatinas tenham um papel importante, particularmente na prevenção secundária da doença aterosclerótica, não houve evidências de que tenham tido qualquer efeito benéfico sobre os desfechos estudados em pacientes com insuficiência cardíaca de qualquer etiologia no presente estudo. A indicação de estatinas tem crescido vertiginosamente nos últimos anos, e os níveis de colesterol utilizados para sua indicação tem sido cada vez menores. Num momento de consumo crescente por serviços de saúde e “tecnologias médicas” e de ampla medicalização da vida, é importante que novas indicações para intervenções terapêuticas sejam avaliadas com muita crítica.

 

Bibliografia

1. GISSI-HF investigators. Effect of rosuvastatin in patients with chronic heart failure (the GISSI-HF trial): a randomised, double-blind, placebo-controlled trial. Lancet 2008; 372: 1231–39 [Link para o Abstract]

 

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal