FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Carbocisteína para exacerbações agudas da DPOC

Autor:

Rodrigo Díaz Olmos

Doutor em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de são Paulo (FMUSP). Diretor da Divisão de Clínica Médica do Hospital Universitário da USP. Docente da FMUSP.

Última revisão: 09/03/2009

Comentários de assinantes: 0

Carbocisteína para exacerbações agudas da DPOC

 

Efeito da carbocisteína nas exacerbações agudas da doença pulmonar obstrutiva crônica (estudo PEACE): um ensaio clínico randomizado, placebo-controlado1.

Effect of carbocisteine on acute exacerbation of chronic obstructive pulmonary disease (PEACE Study): a randomized placebo-controlled study. Lancet 2008; 371: 2013–18 [Link para PubMed]

 

Fator de impacto da revista (Lancet): 28,638

 

Contexto Clínico

            A doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) é uma doença das vias aéreas caracterizada por limitação ao fluxo aéreo, apresentando uma série de outras características como hipersecreção pulmonar, estresse oxidativo e inflamação das vias aéreas. A grande maioria dos casos está associada ao tabagismo. O tratamento medicamentoso é basicamente sintomático, sendo a cessação do tabagismo a medida mais importante em termos de mortalidade. O arsenal terapêutico medicamentoso na DPOC inclui broncodilatadores, corticóides, antibióticos nas exacerbações e oxigênio domiciliar. Os mucolíticos têm uma eficácia controversa, embora alguns estudos apontem para um benefício real. Uma metanálise2 realizada em 2001 mostrou benefício dos mucolíticos sobre a taxa de exacerbações e sobre a duração das exacerbações, entretanto esta metanálise apresentou heterogeneidade significativa entre os estudos e muitos estudos que incluíram apenas pacientes com bronquite crônica ao invés de DPOC. Mais recentemente o estudo multicêntrico BRONCUS3 não demonstrou nenhum benefício da N-acetilcisteína sobre a taxa anual de exacerbações nem sobre o declínio da função pulmonar.  Com base nestas considerações os autores objetivaram avaliar se a carbocisteína, um agente mucolítico com propriedades anti-inflamatórias e anti-oxidativas, poderia reduzir as taxas anuais de exacerbações em pacientes com DPOC. 

 

O Estudo

            Foi um ensaio clínico randomizado, duplo-cego, placebo controlado, com 709 pacientes em 22 centros médicos na China, financiado pela indústria farmacêutica. Os pacientes foram incluídos no estudo se apresentassem DPOC com uma relação volume expiratório forçado no primeiro segundo (VEF1)/capacidade vital forçada (CVF) pós-broncodilatador menor que 0,70 e um VEF1 entre 0,25 e 0,79 do predito, idade entre 40 e 80 anos, história de pelo menos 2 exacerbações agudas nos dois anos prévios e DPOC estável nas últimas quatro semanas antes da entrada no estudo. Os pacientes foram, então, randomizados para receber 1500 mg/dia de carbocisteína ou placebo por 1 ano. O desfecho primário foi a taxa de exacerbação aguda durante um ano. Os desfechos secundários foram qualidade de vida (avaliada pelo St George’s Respiratory Questionnaire [SGRQ]), função pulmonar e saturação de oxigênio. A análise foi por intenção de tratar e o ensaio clínico foi registrado no Japan Clinical Trials Registry.

 

Resultados

            O número de exacerbações por paciente por ano caiu significativamente no grupo da carbocisteína comparado ao grupo placebo (1,01 X 1,35; RR:0,75 IC95% 0,62 – 0,92; p=0,004). Este resultado nos dá uma redução de risco relativo de 24,5%. Entretanto se formos avaliar a redução absoluta de risco, a redução aparenta ser bem menos importante do ponto de vista clínico. Houve uma queda de 0,34 exacerbações por paciente por ano (1,35 exacerbações no grupo placebo X 1,01 exacerbações por paciente/ano no grupo da carbocisteína) com o uso da carbocisteína durante um ano. Interações não significantes ocorrem entre os efeitos preventivos da carbocisteína e a severidade da DPOC, tabagismo e uso concomitante de corticóides inalatórios. Houve melhora significativa dos escores do questionário SGRQ de qualidade de vida no grupo da carbocisteína comparado ao placebo. A carbocisteína não produziu efeitos colaterais diferentes do placebo. Os autores concluem que a cabocisteína deveria ser reconhecida como um tratamento conveniente para a prevenção de exacerbações agudas em pacientes chineses com DPOC.

 

Aplicações para a Prática Clínica

            Muitos estudos, incluindo o atual, apontam para um benefício dos mucolíticos na redução da incidência de exacerbações agudas. Mesmo o estudo BRONCUS, que não demonstrou um benefício geral da N-acetilcisteína, mostrou que no subgrupo de pacientes que não estavam usando corticóide inalatório houve uma redução das exacerbações agudas. Uma questão que deve ser abordada, entretanto, é a pequena redução absoluta na taxa de incidência de exacerbações com a carbocisteína (redução de 1,35 exacerbações por paciente/ano no grupo placebo para 1,01 exacerbações por paciente/ano no grupo ativo), muito embora os autores alardeiem os quase 25% de redução relativa nas taxas de exacerbações. Esta redução é estatisticamente significativa, mas é clinicamente significativa? Ao que tudo indica os mucolíticos da classe da N-acetilcisteína/carbocisteína poderão ser uma alternativa para pacientes com DPOC grave que não possam utilizar corticóide inalatório por algum motivo. Este editor acredita que ainda é precoce a recomendação para o uso da carbocisteína/N-acetilcisteína de forma rotineira na DPOC.

 

Bibliografia

1. Zheng JP, Kang J, Huang SG, Chen P, Yao WZ, Yang L, Bai CX, Wang CZ, Wang C, Chen BY, Shi Y, Liu CT, Chen P, Li Q, Wang ZS, Huang YJ, Luo ZY, Chen FP, Yuan JZ, Yuan BT, Qian HP, Zhi RC, Zhong NS. Effect of carbocisteine on acute exacerbation of chronic obstructive pulmonary disease (PEACE Study): a randomized placebo-controlled study. Lancet 2008; 371: 2013–18.

2. Poole PJ, Black PN. Oral mucolytic drugs for exacerbations of chronic obstructive pulmonary disease: systematic review. BMJ 2001; 322 (7297):1-6.

3. Decramer M, Rutten-van Molken M, Dekhuijzen PN, et al. Effects of N-acetylcysteine on outcomes in chronic obstructive pulmonary disease (Bronchitis Randomized on NAC Cost-Utility Study, BRONCUS): a randomised placebo-controlled trial. Lancet 2005; 365: 1552–60.

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal