FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Estudo histórico – Harvard Medical Practice Study I

Autor:

Lucas Santos Zambon

Doutorado pela Disciplina de Emergências Clínicas Faculdade de Medicina da USP; Médico e Especialista em Clínica Médica pelo HC-FMUSP; Diretor Científico do Instituto Brasileiro para Segurança do Paciente (IBSP); Membro da Academia Brasileira de Medicina Hospitalar (ABMH); Assessor da Diretoria Médica do Hospital Samaritano de São Paulo.

Última revisão: 27/09/2013

Comentários de assinantes: 0

Especialidades: Segurança do Paciente

 

Resumo

Esta é a primeira parte (de um total de 3) do estudo histórico Harvard Medical Practice Study, que lançou as bases para o levantamento de eventos adversos em instituições de saúde.

 

Contexto clínico

A importância da ciência da Segurança do Paciente tem crescido cada vez mais dentro do contexto de assistência em saúde. O levantamento de eventos adversos dentro de diferentes realidades é o grande subsídio epidemiológico para tomadas de ações. O estudo mais importante até hoje já publicado foi desenvolvido pela Universidade de Harvard no estado de Nova York nos EUA. Esta é a primeira parte do estudo, que foca em dados gerais sobre eventos adversos em hospitais.

 

O estudo

Este foi um estudo retrospectivo e observacional conduzido no início da década de 1980 no estado de Nova York, nos EUA. No estudo, foram revisados 30.121 prontuários escolhidos de forma randomizada, de 51 hospitais.

Eventos adversos (EA) ocorreram em 3,7% das hospitalizações. Dentre os EA, 6,5% causaram um dano permanente e 13,6% levaram à morte do paciente. Quando esses dados são extrapolados para o número de internações no estado de Nova York em 1984, isso mostrava que provavelmente mais de 13 mil pacientes haviam morrido naquele ano em decorrência de EA. Os autores também encontraram uma relação maior de negligência com EA mais graves. Outro dado apresentado é que pacientes com 65 anos de idade ou mais tinham mais que o dobro de risco de ter EA do que pacientes na faixa etária dos 16 aos 44 anos, porém não havia diferença de frequência de EA entre os gêneros.

 

Aplicações para a prática clínica

Esse é o estudo que deu base para todos os demais estudos que vieram a ser publicados no campo de Segurança do Paciente no que tange a epidemiologia dos eventos adversos hospitalares. Vale ressaltar que esse estudo tinha um caráter mais focado em riscos jurídicos, encontrando uma frequência de internações com EA mais baixa do que estudos subsequentes, em que o foco de qualidade assistencial passou a ser mais importante do que o de riscos de litígio. Até hoje, é o estudo mais citado na área, e sua importância é mundialmente reconhecida.

 

Bibliografia

1.    Brennan TA, Leape LL, Laird NM, Hebert L, Localio AR, Lawthers AG et al. Incidence of adverse events and negligence in hospitalized patients. Results of the Harvard Medical Practice Study I. NEJM 1991 Feb 7; 324(6):370-6 (link para o artigo).

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal