FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Bebidas energéticas aumentam consumo de álcool

Autor:

Lucas Santos Zambon

Doutorado em Ciências Médicas pela Faculdade de Medicina da USP.
Supervisor do Pronto-Socorro do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.
Diretor do Instituto Brasileiro para Segurança do Paciente.

Última revisão: 26/11/2014

Comentários de assinantes: 0

Especialidades: Medicina de Família/Psiquiatria/Pediatria

 

Contexto Clínico

        A popularidade de bebidas energéticas entre adultos jovens, e seu consumo associado ao consumo de álcool, tem despertado preocupação e interesse. Estima-se que de 34% a 51% dos jovens entre 18 e 24 anos relatam o consumo regular destes produtos conforme dados de publicações internacionais. A prática mais comum é a de combinar a bebida energética com bebidas alcóolicas.

        Tem surgido evidências sobre o impacto do consumo de bebidas energéticas em relação a um maior consumo de álcool. Um estudo recente da Marczinski e colegas de 2013 (referência 2 da bibliografia) descobriu que a combinação de bebidas energéticas com álcool aumenta o desejo das pessoas de beber mais álcool, sugerindo que as bebidas energéticas podem aumentar o risco de beber até atingir intoxicação. O estudo destes autores usou um paradigma experimental para mostrar que uma bebida energética pode aumentar o efeito que uma pequena dose de álcool tem sobre o desejo subsequente de uma pessoa para continuar bebendo. Entretanto, este estudo foi questionado quanto a questões metodológicas, abrindo margem para que novo estudo fosse aplicado e tentasse responder a questão de forma mais definitiva.

 

O Estudo

        Este estudo reproduz o estudo documentado por Marczinski e colegas (2013) sobre o efeito de bebidas energéticas no aumento de consumo de álcool. Fazemos isso através de um estudo duplo-cego. Foi utilizada uma avaliação robusta sobre o desejo de álcool, que é a Alcohol Urge Questionnaire (AUQ). O AUQ é um questionário bem validado para avaliar o desejo de álcool. Foi avaliado, então, o efeito de bebidas energéticas no desejo de beber álcool 20 minutos após uma dose inicial de álcool (que é um intervalo já identificado previamente pela literatura da área). Foram avaliados também os efeitos das bebidas energéticas quanto aos efeitos subjetivos da intoxicação alcóolica, através dos questionários Biphasic Alcohol Effects Questionnaire e o Drug Effects Questionnaire.

        Setenta e cinco participantes com idades entre 18 e 30 anos foram incluídos para um estudo randomizado com avaliação pré-teste e pós-teste, com consumo de álcool apenas ou álcool + bebida energética. Os participantes receberam um coquetel contendo 60 ml de vodka com o energético Red Bull® (álcool + bebida energética) ou 60 ml de vodka com um veículo de água gaseificada (álcool apenas); ambos os cocktails continham 200 ml de suco de fruta. O desfecho primário foi o resultado do Alcohol Urge Questionnaire pré-teste e após 20 minutos (pós-teste). Outras medidas tomadas no pós-teste foram os efeitos do álcool através dos questionários Biphasic Alcohol Effects Questionnaire e o Drug Effects Questionnaire, e concentração de álcool no hálito (CAH).

        A condição beber álcool + bebida energética mostrou um maior aumento pós-teste no desejo de beber álcool em comparação com a condição de consumo somente de álcool (OR = 3,24; p = 0,021). Os participantes na condição de álcool + bebida energética tiveram pontuações significativamente maiores sobre ter gostando do coquetel e querer beber mais do coquetel, além de ter CAHs mais baixos, do que os participantes que só consumiram álcool. Não houve diferenças significativas quanto a efeitos estimulantes, sedativos, ou quanto a sentir os efeitos do coquetel, ou sentir-se embriagado.

 

Aplicações Práticas

        Esse estudo traz uma resposta que ainda era dúvida na literatura a respeito do impacto das bebidas energéticas no consumo de bebidas alcóolicas. O resultado é que combinando as bebidas energéticas com álcool ocorre um aumentou no desejo de beber álcool a seguir, quando isso é comparado com o consumo isolado de álcool. Interessante que o estudo cegou os avaliados e avaliadores (foi duplo-cego) colocando uma bebida gasosa no grupo de controle no lugar da bebida energética, o que aumenta a validade dos resultados.  Entender o que de fato ocorre para que esses estímulo aconteça ainda será fonte de pesquisas. Porém, fica claro por esse estudo que as bebidas energéticas são mediadoras de um comportamento mais deletério por parte de jovens adultos em situações de consumo de álcool. Obviamente, coibir o consumo não é a saída para esta situação, mas informações são importantes de serem veiculadas nesse sentido.

 

Bibliografia

McKetin R and Coen A.The effect of energy drinks on the urge to drink alcohol in young adults. Alcohol Clin Exp Res 2014 Jul 17; [e-pub ahead of print] (link para o artigo).

 

Marczinski CA, Fillmore MT, Henges AL, Ramsey MA, Young CR (2013) Mixing an energy drink with an alcoholic beverage increases motivation for more alcohol in college students. Alcohol Clin Exp Res 37:276–283

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal