FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

História Natural da Litíase Renal Assintomática

Autor:

Lucas Santos Zambon

Doutorado em Ciências Médicas pela Faculdade de Medicina da USP.
Supervisor do Pronto-Socorro do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.
Diretor do Instituto Brasileiro para Segurança do Paciente.

Última revisão: 21/08/2015

Comentários de assinantes: 0

Contexto Clínico

Eventualmente, durante exames de imagem de rotina, ou mesmo em investigações de quadros agudos, cálculos renais podem ser identificados. Porém, pouco se sabe sobre a evolução destes cálculos nos pacientes. Conhecer a história natural da litíase renal permite a discussão a cerca das condutas a serem tomadas.

 

O Estudo

Pacientes com cálculos renais assintomáticos e não obstrutivos foram avaliados neste estudo de coorte retrospectiva. As características dos cálculos, as características do paciente, e os eventos relacionados aos cálculos foram avaliados. Foram avaliados os efeitos do tamanho do cálculo e sua localização no desenvolvimento de sintomas, a passagem espontânea, a necessidade de intervenção cirúrgica e o crescimento do cálculo.

Foram identificadas 160 cálculos com um tamanho médio de 7,0 ± 4,2 mm nos 110 pacientes que tiveram acompanhamento médio de 41 ± 19 meses. Quarenta e cinco (28% do total) cálculos causaram sintomas durante o acompanhamento. Destacam-se três cálculos (3% do subgrupo assintomático, 2% do total de cálculos) que causaram obstrução silenciosa indolor necessitando de intervenção após uma média de 37 ± 17 meses. O único preditor significativo de passagem espontâneo ou de desenvolvimento de sintomas foi a localização. Cálculos localizados no polo superior ou na região média dos rins foram mais propensos a causar sintomas do que cálculos no polo inferior (40,6% vs 24,3%, p = 0,047) bem como para passar espontaneamente (14,5% vs 2,9%, p = 0,016).

  

Aplicações Práticas

Entre cálculos renais assintomáticos e não obstrutivos que foram seguidos de forma ativa, pudemos observar neste estudo que a maioria permaneceu assintomática através de um acompanhamento médio de mais de três anos. 

Como dados relevantes, nota-se que menos de 30% dos cálculos causaram cólica renal, menos de 20% precisou ser operado por causa de dor e 7% passaram espontaneamente. Cálculos no polo inferior foram significativamente menos propensos a causar sintomas ou passar espontaneamente. Apesar de três cálculos terem causando hidronefrose de forma silenciosa, o acompanhamento com imagens periódicas permitiu sua abordagem. E essa é a melhor lição derivada deste estudo: cálculos renais têm baixa tendência de causar sintomas ou obstrução, e merecem apenas seguimento ambulatorial com imagem que permita definir sobre uma abordagem que evite sequelas renais para o paciente.

 

Bibliografia

Dropkin BM et al. The natural history of nonobstructing asymptomatic renal stones managed with active surveillance. J Urol 2015 Apr; 193:1265. (http://dx.doi.org/10.1016/j.juro.2014.11.056)

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal