FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Mortalidade por Altas e Baixas Temperaturas Ambientes

Autor:

Lucas Santos Zambon

Doutorado em Ciências Médicas pela Faculdade de Medicina da USP.
Supervisor do Pronto-Socorro do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.
Diretor do Instituto Brasileiro para Segurança do Paciente.

Última revisão: 26/10/2015

Comentários de assinantes: 0

Contexto Clínico

Embora alguns estudos prévios deem estimativas de mortes prematuras atribuíveis ao calor ou ao frio em alguns países, nenhum estudo até agora tem oferecido uma avaliação sistemática em toda a faixa de temperatura em populações expostas a diferentes climas. O objetivo do estudo que mostraremos foi quantificar a carga de mortalidade total atribuível a temperatura ambiente não ótimas, e as contribuições relativas de calor e frio e de temperaturas moderadas e extremas.

 

O Estudo

Foram coletados dados de 384 locais na Austrália, no Brasil, no Canadá, na China, na Itália, no Japão, na Coreia do Sul, na Espanha, na Suécia, em Taiwan, na Tailândia, no Reino Unido e nos EUA. Foi montado um modelo temporal para cada local, controlando para as tendências e dias da semana. Foram estimadas associações temperatura-mortalidade. Calculou-se as mortes atribuíveis para calor e frio, definidos como as temperaturas acima e abaixo da temperatura ótima, que correspondiam ao ponto de mortalidade mínima, e para temperaturas moderadas e extremas, definidas usando cortes nas posições de percentil 2,5 e 97,5 de temperatura.

Foram analisadas 74.225.200 mortes em vários períodos entre 1985 e 2012. No total, 7,71% da mortalidade deveu-se a temperatura não ótima nos países selecionados no âmbito do estudo, com diferenças substanciais entre os países, variando de 3,37% na Tailândia para 11,00% na China. O percentil de temperatura com mínima mortalidade variou entre o percentil 60 em áreas tropicais e percentil 80-90th em regiões temperadas. Mais mortes atribuíveis à temperatura foram causadas pelo frio (7,29%) do que pelo calor (0,42%). Temperaturas quentes e frias extremas foram responsáveis por 86% da mortalidade total.

 

Aplicações Práticas

O que este estudo nos traz é extremamente interessante. Em primeiro lugar, é bastante nítido observar com base nos dados que a maior parte da carga de mortalidade relacionada com a temperatura foi atribuível à contribuição do frio. O efeito de temperaturas extremas em determinados dias foi substancialmente inferior ao atribuível a um clima mais ameno, mas não ótimo. Esta prova tem implicações importantes para o planejamento de intervenções de saúde pública para minimizar as consequências de saúde de temperaturas adversas, e para previsões de efeito futuro em cenários de alterações climáticas.

 

Bibliografia

Gasparrini A et al. Mortality risk attributable to high and low ambient temperature: a multicountry observational study. The Lancet. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(14)62114-0.

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal