FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Desfechos da criança após diagnóstico de câncer em mulheres grávidas

Autor:

Lucas Santos Zambon

Doutorado em Ciências Médicas pela Faculdade de Medicina da USP.
Supervisor do Pronto-Socorro do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.
Diretor do Instituto Brasileiro para Segurança do Paciente.

Última revisão: 10/02/2016

Comentários de assinantes: 0

Contexto Clínico

Faltam dados de literatura que demonstrem a evolução em longo prazo das crianças que são expostas ao câncer materno com ou sem tratamento durante a gravidez.

 

O Estudo

Este estudo de caso-controle multicêntrico comparou crianças cujas mães receberam um diagnóstico de câncer durante a gravidez  com crianças de mulheres sem diagnóstico de câncer. Foi utilizado um questionário de saúde e arquivos médicos para coletar dados a respeito de dados neonatais e saúde em geral. Todas as crianças foram avaliadas prospectivamente (por meio de um exame neurológico e das Escalas Bayley de Desenvolvimento Infantil) em 18 meses, 36 meses, ou ambos. A avaliação cardíaca foi realizada em 36 meses.

Um total de 129 crianças (idade média, de 22 meses, variando de 12 a 42) foi incluído   no grupo de mães com câncer (grupo pré-natal-exposição), com um número correspondente no grupo de controle. Durante a gravidez, 96 crianças (74,4%) foram expostas à quimioterapia (por si só ou em combinação com outros tratamentos), 11 (8,5%) expostas à radioterapia (isoladamente ou em combinação), 13 (10,1%) à cirurgia por si só, 2 (1,6% ) a outros tratamentos com fármacos e 14 (10,9%) cuja mãe não fez tratamento. O peso ao nascer foi abaixo do percentil 10 em 28 de 127 crianças (22,0%) no grupo pré-natal-exposição e em 19 das 125 crianças (15,2%) no grupo controle (p = 0,16). Não houve diferença significativa entre os grupos no desenvolvimento cognitivo na base do resultado Bayley (P = 0,08) ou em análises de subgrupo. A idade gestacional ao nascimento foi correlacionada com o resultado cognitivo nos dois grupos de estudo. A avaliação cardiológica entre 47 crianças aos 36 meses de idade demonstrou achados cardíacos normais.

 

Aplicações Práticas

Este estudo é muito interessante para auxiliar na orientação  de mulheres grávidas e que estão com câncer e têm medo quanto ao bebê. A exposição pré-natal ao câncer materno com ou sem tratamento não prejudicou do ponto de vista cardíaco, ou de desenvolvimento geral cognitivo, as crianças na primeira infância. A prematuridade foi correlacionada com um resultado cognitivo pior, mas esse efeito foi independente do tratamento do câncer.

 

Referências

Amant F. Pediatric Outcome after Maternal Cancer Diagnosed during Pregnancy. N Engl J Med 2015; 373:1824-1834

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal