FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Impacto de um controle de pressão arterial mais intensivo

Autor:

Lucas Santos Zambon

Doutorado pela Disciplina de Emergências Clínicas Faculdade de Medicina da USP; Médico e Especialista em Clínica Médica pelo HC-FMUSP; Diretor Científico do Instituto Brasileiro para Segurança do Paciente (IBSP); Membro da Academia Brasileira de Medicina Hospitalar (ABMH); Assessor da Diretoria Médica do Hospital Samaritano de São Paulo.

Última revisão: 02/05/2016

Comentários de assinantes: 0

Contexto Clínico

Os alvos mais adequados para a pressão arterial sistólica para reduzir a morbidade cardiovascular e mortalidade entre as pessoas sem diabetes permanecem incertas. Em outras palavras, qual a melhor pressão arterial que um indivíduo não diabético deve ter?

 

O Estudo

Este foi um estudo randomizado que distribuiu aleatoriamente 9.361 pessoas com uma pressão arterial sistólica entre 130 mmHg ou superior e um aumento do risco cardiovascular, mas sem diabetes, a um alvo de pressão arterial sistólica inferior a 120 mm Hg (tratamento intensivo) ou um alvo inferior a 140 mm Hg (tratamento padrão). O resultado primário composto foi infarto do miocárdio, outras síndromes coronarianas agudas, acidente vascular cerebral, insuficiência cardíaca, ou morte por causas cardiovasculares.

Em um ano, a pressão arterial sistólica era de 121,4 mm Hg no grupo de tratamento intensivo e 136,2 milímetros Hg no grupo do tratamento padrão. A intervenção foi interrompida precocemente após um acompanhamento médio de 3,26 anos devido a uma taxa significativamente mais baixa de resultado primário composto no grupo de tratamento intensivo em comparação ao grupo do tratamento padrão (1,65% ao ano contra 2,19% ao ano; taxa de risco com tratamento intensivo, 0,75; IC95%: 0,64-0,89; P <0,001). Todas as causas de mortalidade também foram significativamente menores no grupo com utilização intensiva de tratamento (hazard ratio, 0,73; IC95%, 0,60-0,90; P = 0,003). As taxas de eventos adversos graves de hipotensão, síncope, distúrbios eletrolíticos e lesão renal aguda foram maiores no grupo com utilização intensiva de tratamento do que no grupo do tratamento padrão.

 

Aplicações Práticas

Este estudo é extremamente importante e traz um novo paradigma no tratamento de pacientes hipertensos não diabéticos. Entre os pacientes com alto risco de eventos cardiovasculares, mas sem diabetes, visando uma pressão arterial sistólica inferior a 120 mmHg, em comparação com menos de 140 mm Hg, resultou em taxas mais baixas de grandes eventos cardiovasculares fatais e não fatais e morte por qualquer causa. A contrapartida é que foram observadas taxas significativamente maiores de alguns eventos adversos no grupo com utilização intensiva de tratamento. Agora a discussão é: devemos partir para esse controle mais intensivo? Deve-se pesar o risco x benefício uma vez que há mais eventos adversos com o tratamento intensivo, mas sem dúvida a diminuição de eventos e mortalidade apontam na direção de diminuirmos a trave de PA para esses pacientes.

 

 Referências

The SPRINT Research Group. A Randomized Trial of Intensive versus Standard Blood-Pressure Control. November 9, 2015DOI: 10.1056/NEJMoa1511939

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal