FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Diretriz de Uso de Antipsicóticos na Demência

Autor:

Lucas Santos Zambon

Doutorado em Ciências Médicas pela Faculdade de Medicina da USP.
Supervisor do Pronto-Socorro do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.
Diretor do Instituto Brasileiro para Segurança do Paciente.

Última revisão: 22/07/2016

Comentários de assinantes: 0

Contexto Clínico

O objetivo destas orientações  é melhorar o atendimento de pacientes com demência que estão exibindo agitação ou psicose. Mais especificamente, esta diretriz enfoca o uso criterioso de medicamentos antipsicóticos quando a agitação ou psicose ocorre em associação com demência. Recomendações relativas ao tratamento com medicamentos antipsicóticos não devem aplicar-se aos indivíduos que estão recebendo medicação antipsicótica para outra indicação (por exemplo, doença psicótica crônica) ou indivíduos que estão recebendo um medicamento antipsicótico em um contexto de urgência.

 

As Recomendações

Sobre avaliação de comportamento / sintomas psicológicos de demência:

1.                  A APA recomenda que os pacientes com demência sejam avaliados para o tipo, a frequência, a gravidade, o padrão e o tempo de sintomas. (1C)

2.                  A APA recomenda que os pacientes com demência sejam avaliados quanto a dor e outros sintomas potencialmente modificáveis, bem como para fatores outros, tais como o subtipo de demência, o que pode influenciar as escolhas de tratamento. (1C)

3.                  A APA recomenda que, em pacientes com demência que tenham agitação ou psicose, a resposta ao tratamento seja avaliada com uma medida quantitativa. (1C)

 

Desenvolvimento de um plano de tratamento abrangente:

4.                  A APA recomenda que os pacientes com demência tenham um plano de tratamento abrangente documentado que inclua intervenções não farmacológicas e farmacológicas centrada na pessoa, conforme indicado. (1C)

 

Avaliação dos benefícios e riscos do tratamento com antipsicóticos para o paciente:

5.                  A APA recomenda que a medicação antipsicótica não emergencial só deve ser usada para o tratamento de agitação ou psicose em doentes com demência quando os sintomas são graves, perigosos e / ou causam sofrimento significativo ao doente. (1B)

6.                  A APA recomenda revisar a resposta clínica a intervenções não farmacológicas antes do uso de um medicamento antipsicótico não emergencial para tratar a agitação ou psicose em pacientes com demência. (1C)

7.                  A APA recomenda que antes do tratamento não emergencial com um antipsicótico ser iniciado em doentes com demência, os potenciais riscos e benefícios da medicação antipsicótica sejam avaliados pelo médico e discutidos com o paciente (se clinicamente viável), bem como com cuidadores (se aplicável) como familiares ou outras pessoas envolvidas com o paciente. (1C)

 

Dosagem, duração e monitoramento de antipsicóticos:

8.                  A APA recomenda que se uma avaliação de risco / benefício favorecer o uso de um antipsicótico para os sintomas comportamentais / psicológicas em pacientes com demência, o tratamento deve ser iniciado com uma dose baixa, e ser titulada até à dose mínima eficaz, conforme tolerado. (1B)

9.                  A APA recomenda que se um paciente com demência experimenta um efeito colateral clinicamente significativo do tratamento antipsicótico, os potenciais riscos e benefícios da medicação antipsicótica devem ser revistos pelo médico para determinar se desmame ou descontinuação da medicação é indicada. (1C)

10.              A APA recomenda que, em pacientes com demência ou psicose com agitação, se não houver resposta clinicamente significativa após um teste de 4 semanas, com uma dose adequada de um fármaco antipsicótico, o medicamento deve ser desmamado e retirado. (1B)

11.              A APA recomenda que em um paciente que tenha demonstrado uma resposta positiva ao tratamento, a tomada de decisão sobre a possível redução gradual da medicação antipsicótica deve ser acompanhada por uma discussão com o paciente (se clinicamente viável), bem como com cuidadores / familiares (se for o caso). O objetivo de tal discussão é para obter as suas preferências e preocupações e para revisar os objetivos iniciais, observar benefícios e efeitos colaterais do tratamento antipsicótico, e riscos potenciais da exposição continuada a antipsicóticos, bem como a experiência passada com testes de medicamentos antipsicóticos e tentativas de desmame. (1C)

12.              A APA recomenda que, em pacientes com demência que apresentam resposta adequada dos sintomas comportamentais / psicológicos para tratamento com um medicamento antipsicótico, uma tentativa de retirar o medicamento deve ser feita no prazo de 4 meses após o início, a menos que o paciente experimente uma reincidência do sintomas com tentativas anteriores de redução gradual da medicação antipsicótica. (1C)

13.              A APA recomenda que, em pacientes com demência cuja medicação antipsicótica está sendo desmamada, avaliação de sintomas deve ocorrer pelo menos mensalmente durante o período e durante pelo menos 4 meses após a descontinuação dos medicamentos para identificar sinais de recidiva e desencadear uma reavaliação dos benefícios e riscos do tratamento antipsicótico. (1C)

Uso de antipsicóticos medicamentos específicos, dependendo do contexto clínico:

14.              A APA recomenda que, na ausência de delirium, se o tratamento antipsicótico não emergencial é indicado, haloperidol não deve ser utilizado como um agente de primeira linha.(1B)

15.              A APA recomenda que, em pacientes com demência ou psicose com agitação, uma medicação antipsicótica injetável de ação prolongada não deve ser utilizada a menos que seja indicado por outras causas, como para uma desordem psicótica crônica (1B).

 

Referências

Reus VI et al. The American Psychiatric Association practice guideline on the use of antipsychotics to treat agitation or psychosis in patients with dementia. Am J Psychiatry 2016 May 1; 173:543

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal