FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Ultrassom beira-leito na avaliação de suspeita de TEP

Autor:

Lucas Santos Zambon

Doutorado pela Disciplina de Emergências Clínicas Faculdade de Medicina da USP; Médico e Especialista em Clínica Médica pelo HC-FMUSP; Diretor Científico do Instituto Brasileiro para Segurança do Paciente (IBSP); Membro da Academia Brasileira de Medicina Hospitalar (ABMH); Assessor da Diretoria Médica do Hospital Samaritano de São Paulo.

Última revisão: 03/04/2017

Comentários de assinantes: 0

Contexto Clínico

A ultrassonografia (USG) pulmonar e venosa é uma ferramenta de diagnóstico à beira do leito cada vez mais utilizada na abordagem de diagnóstico precoce de suspeita de embolia pulmonar (EP). No entanto, a possibilidade de melhorar a regra de predição para EP convencional através da integração da USG nunca foi investigada.

 

O Estudo

Foi realizada USG pulmonar e venosa em pacientes consecutivos com suspeita de EP em quatro departamentos de emergência. Foi aplicado o escore de Wells convencional (Ws) pelo médico assistente, e a USG foi realizada por um dos 20 investigadores do estudo. Sinais de trombose venosa profunda (TVP) à USG venosa e sinais de infartos pulmonares ou diagnósticos alternativos à USG de pulmão foram considerados para recalcular dois itens da pontuação Wells: sinais e sintomas de TVP; diagnóstico alternativo menos provável que EP. Os desempenhos de diagnóstico da combinação Ws-USG (USWs) e Ws foram, então, comparados após a confirmação do diagnóstico final.

No total, 446 indivíduos foram estudados. A EP foi confirmada em 125 deles (28%). O uso de USWs teve um desempenho significativamente melhor do que o de Ws, com uma sensibilidade de 69,6 versus 57,6% e uma especificidade de 88,2 versus 68,2%. Em combinação com D-dímero, a combinação USWs mostrou uma taxa ótima de falha (apenas 0,8%) e uma eficiência significativamente superior do que o Ws (32,3 versus 27,2%). Uma estratégia baseada em USG pulmonar e venosa combinada com D-dímero permitiria evitar a angiografia pulmonar em 50,5% dos pacientes com suspeita de EP, em comparação com 27,2% em caso de a regra ser aplicada sem USG.

 

Aplicação Prática

 

Este estudo é excelente para demonstrar o papel da USG à beira do leito na abordagem do emergencista em caso de suspeita de EP. A estratificação de risco pré-teste reforçada por USG do pulmão e venosa apresentou melhor desempenho que o Ws de forma isolada no processo de diagnóstico precoce de EP. É cada vez mais urgente a necessidade de emergencistas treinados em nosso País para se ter eficácia e efetividade de ações no pronto-socorro.

 

 

Bibliografia

 

Nazerian P et al. Diagnostic performance of Wells score combined with point-of-care lung and venous ultrasound in suspected pulmonary embolism. Acad Emerg Med 2016 Nov 12; [e-pub].

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal