FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Diretriz de Avaliação e Manejo do Sangramento Portal em Cirrose

Autor:

Lucas Santos Zambon

Doutorado pela Disciplina de Emergências Clínicas Faculdade de Medicina da USP; Médico e Especialista em Clínica Médica pelo HC-FMUSP; Diretor Científico do Instituto Brasileiro para Segurança do Paciente (IBSP); Membro da Academia Brasileira de Medicina Hospitalar (ABMH); Assessor da Diretoria Médica do Hospital Samaritano de São Paulo.

Última revisão: 11/05/2017

Comentários de assinantes: 0

Contexto Clínico

Esta é a orientação atualizada sobre o sangramento hipertensivo portal que incide, sobretudo nas varizes de trato digestivo dos pacientes com cirrose. As recomendações, de um painel de especialistas, foram feitas com base em uma revisão da literatura, levando em conta dados de diversos estudos randomizados publicados e quatro conferências de consenso realizadas desde o último update da diretriz em 2007.

 

Principais Recomendações

               A cirrose deve ser descrita e gerenciada em dois estágios clínicos distintos (compensada ou descompensada), sendo o último marcado pela presença de ascite, hemorragia por varizes, encefalopatia, ou uma combinação desses. A cirrose compensada deve ser subestadiada pela presença de hipertensão portal (HP) moderada (gradiente de pressão venosa hepática [HVPG] >5 e <10mmHg) ou HP clinicamente significativa (HVPG =10mmHg, presença de varizes ou rigidez do fígado de medição >20kPa).

               Como os pacientes com medição de rigidez do fígado <20kPa e contagem de plaquetas >150.000/mm3 têm <5% de probabilidade de ter varizes, a endoscopia digestiva alta para triagem de varizes é desnecessária.

               Os intervalos de tempo para o rastreamento de varizes variam conforme a doença está ativa ou inativa. Para a ativa, realizar a cada ano se houver pequenas varizes e, a cada 2 anos, se não houver varizes. Para a inativa, deve ser feito exame a cada 2 anos em caso de presença de pequenas varizes e, a cada 3 anos, se não houver varizes.

               No momento da descompensação hepática, uma repetição de endoscopia deve ser realizada em pacientes sem varizes ou que possuem somente varizes de pequeno calibre.

               Uma vez que o ß-bloqueador não seletivo, ou carvedilol, é iniciado para a profilaxia primária, não é necessário acompanhamento contínuo com endoscopia.

               Em caso de ser colocada uma derivação intra-hepática portossistêmica transjugular, não são necessárias a vigilância endoscópica e a terapia com ß-bloqueador.

 

 

Bibliografia

Garcia-Tsao G et al. Portal hypertensive bleeding in cirrhosis: Risk stratification, diagnosis and management - 2016 practice guidance by the American Association for the Study of Liver Diseases.Hepatology 2016 Oct 27; [e-pub].

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal