FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Oncocercose

Última revisão: 31/01/2011

Comentários de assinantes: 0

Reproduzido de:

DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS – GUIA DE BOLSO – 8ª edição revista [Link Livre para o Documento Original]

MINISTÉRIO DA SAÚDE

Secretaria de Vigilância em Saúde

Departamento de Vigilância Epidemiológica

8ª edição revista

BRASÍLIA / DF – 2010

 

Oncocercose

 

CID 10: B73

 

ASPECTOS CLÍNICOS E EPIDEMIOLÓGICOS

Descrição

Doença parasitária humana crônica, caracterizada pelo aparecimento de nódulos subcutâneos fibrosos sobre superfícies ósseas, em várias regiões, a exemplo de ombros, membros inferiores, pelves e cabeça. Esses nódulos são indolores e móveis e neles são encontrados os vermes adultos que eliminam as microfilárias, as quais, ao se desintegrarem na pele, causam manifestações cutâneas agudas, como o prurido intenso, ou crônicas, caracterizadas por xerodermia, liquenificação ou pseudoictiose, despigmentação nas regiões pré-tibial e inguinal, atrofia, estase linfática (lesões típicas de dermatite crônica). A migração das microfilárias pode atingir os olhos, provocando alterações variadas, tais como: conjuntivite, edema palpebral, escleroceratite, ceratite puntiforme, irite ou iridociclite, esclerose lenticular e coriorretinite difusa degenerativa, podendo levar a cegueira. Em infecções muito intensas, pode-se encontrar microfilárias na urina, lagrima, escarro e sangue.

 

Sinonímia

Cegueira dos rios, doença de Robles, volvulose, erisipela da costa, mal morado.

 

Agente Etiológico

Nematódeo do gênero Onchocerca. No Brasil, a espécie Onchocerca volvulus é a única encontrada.

 

Reservatório

O homem. Experimentalmente, pode ser transmitido a chimpanzés.

 

Modo de Transmissão

Pela picada dos vetores do gênero Simulium (o simulídeo é conhecido popularmente como “borrachudo”, “pium”), que proliferam em córregos e rios de correnteza rápida. Na América do Sul, os seguintes complexos são importantes: S. metallicum, S. sanguineum/amazonicum, S. quadrivittatum.

 

Período de Incubação

Longo, cerca de 1 ano, podendo variar de 7 meses a mais de 2 anos.

 

Período de Transmissibilidade

A filária permanece viva no homem por 10 a 15 anos (casos não tratados), periodo em que os vetores podem se infectar. Não há transmissão inter-humanos.

 

Complicações

Cegueira, hipertrofia ganglionar, lesões dermatológicas graves.

 

Diagnóstico

A suspeita clínica é gerada pelas manifestações aliadas a história epidemiológica. O diagnóstico específico é feito pela identificação do verme adulto ou microfilárias por meio de: a) biopsia de nódulo ou pele; punção por agulha e aspiração do nódulo; exame oftalmoscópico do humor aquoso; exame de urina; b) testes de imunidade: intradermorreação, imunofluorescência, Elisa, PCR.

 

Diagnóstico Diferencial

Fotodermites, escabiose, bouba, hanseníase, micoses, avitaminoses, sífilis.

 

Tratamento

     Específico - Microfilaricida a base de Ivermectina, na dosagem de 150µg/kg (microgramas), em dose única, com periodicidade semestral ou anual, durante 10 anos. A Ivermectina não deve ser ministrada em mulheres na primeira semana de amamentação, pessoas gravemente enfermas e crianças com menos de 15 kg de peso ou menos de 90 cm de altura. Deve ser administrada em dose única, VO, obedecendo a seguinte escala de peso corporal: 15 a 25 kg: ½ comprimido; 26 a 44 kg: 1 comprimido; 45 a 64 kg: 1 1/2 comprimidos; 65 a 84 kg - 2 comprimidos; =85 kg: 150µg/kg. Em campanhas de distribuição em massa, inseridas em programas de eliminação, o intervalo entre as doses e de 6 meses.

     Cirúrgico - Retirada dos nódulos.

 

Características Epidemiológicas

A doença ocorre na África, Mediterrâneo, América Central e América do Sul. No Brasil, a maioria dos casos advém dos estados de Roraima e Amazonas, com ocorrência nas reservas das populações Yanomami e Makiritari. A prevalência da Oncocercose é influenciada pela proximidade dos rios e afluentes, locais de desenvolvimento larvar do vetor. Adultos, principalmente do sexo masculino, são afetados nas zonas endêmicas.

 

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

Objetivos

Diagnosticar e tratar as infecções, visando impedir as sequelas da doença e reduzir o numero de indivíduos infectados.

 

Notificação

Não é doença de notificação obrigatória nacional. Nos estados onde ocorre, deve ser notificada para as autoridades sanitárias locais.

 

Definição de Caso

     Suspeito - Indivíduo procedente de área endêmica, com manifestações clínicas da doença.

     Confirmado - Indivíduo com presença de microfilária ou verme adulto, detectado por exames laboratoriais.

 

MEDIDAS DE CONTROLE

Em virtude da área endêmica encontrar-se em terras indígenas, as medidas de controle devem ser realizadas sob parâmetros adequados aos hábitos, costumes e percepções desses povos, de acordo com os critérios técnico-científicos vigentes. As medidas de controle usualmente preconizadas são o tratamento dos portadores de microfilárias e o combate aos simulídeos. O Programa de Eliminação recomenda a medicação de toda a população elegível nas áreas endêmicas. Nas áreas de selva, não é viável o combate direto dos simulídeos. É importante, então, a adoção de medidas que reduzam o contato vetor - homem. Qualquer intervenção deve ser conduzida observando-se os conhecimentos antropológicos das nações indígenas.

 

SOBRE OS DIREITOS AUTORAIS DO DOCUMENTO

Consta no documento:

“Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para venda ou qualquer fim comercial.”

O objetivo do site MedicinaNet e seus editores é divulgar este importante documento. Esta reprodução permanecerá aberta para não assinantes indefinidamente.

 

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal