FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Glicopeptídios

Última revisão: 16/09/2015

Comentários de assinantes: 0

Reproduzido de:

Formulário Terapêutico Nacional 2010: Rename 2010 [Link Livre para o Documento Original]

Série B. Textos Básicos de Saúde

MINISTÉRIO DA SAÚDE

Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos

Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos

Brasília / DF – 2010

 

        5.1.8 Glicopeptídeos

Maria Inês de Toledo e Silvio Barberato Filho

 

vancomicina é o principal representante dos antibióticos glicopeptídeos. É utilizada para enterococo resistente e constitui primeira escolha para tratamento de infecções causadas por Staphylococcus aureus e Staphylococcus epidermidis resistentes a meticilina1.

Embora os glicopeptídeos sejam ativos contra diversos microrganismos, deve-se restringir seu uso para evitar o aparecimento de resistência, especialmente enterococos resistentes a vancomicina. Dados recentes mostram que S. aureus com resistência intermediária a vancomicina têm sido identificados em todo mundo e em muitos casos estão associados a falha no tratamento2. Os glicopeptídeos não tem atividade contra anaeróbios e microrganismos gram-negativos.

Teicoplanina, outro representante dos glicopetídeos, tem em essência a mesma eficácia que a vancomicina3, porém é mais cara4. Os efeitos da vancomicina sobre a função renal têm sido contestados, uma vez que outros fármacos nefrotóxicos podem estar envolvidos5, 6. Também, a ocorrência de efeitos adversos sobre o rim é menor com as preparações purificadas7. Em revisão recente8, são reforçadas as recomendações de monitoria da concentração sérica de vancomicina como estratégia para diminuir a ocorrência de nefrotoxicidade. Outros efeitos adversos incluem risco de tromboflebite e reação sistêmica, caracterizada por prurido, rubor, taquicardia e hipotensão, acometendo face, pescoço e tronco (síndrome do homem do pescoço vermelho), provavelmente intermediada por liberação de histamina9. Estes efeitos adversos são mais frequentes quando se utiliza infusão rápida, razão pela qual se deve prolongar a infusão por pelo menos uma hora, evitando-se infundir mais de 500 mg em 30 minutos1 (ver monografia, página 605).

 

Referências

1.WORLD HEALTH ORGANIZATION. WHO model formulary 2008. Geneva: WHO; 2008. <http://www.who.int/selection_medicines/list/WMF2008.pdf>

2.HOWDEN, B. P.; DAVIES, J. K.; JOHNSON, P. D. et al. Reduced vancomycin susceptibility in Staphylococcus aureus, including vancomycin-intermediateand heterogeneous vancomycin-intermediate strains: resistance mechanisms, laboratory detection, and clinical implications. Clin. Microbiol. Rev., Washington, DC, v. 23, n.1, p. 99-139, 2010.

3.SVETITSKY, S.; LEIBOVICI, L.; PAUL, M. Comparative efficacy and safety of vancomycin versus teicoplanin: systematic review and meta-analysis.Antimicrob. Agents Chemother., Washington, DC, v. 53, n. 10, p. 4069-4079,2009.

4.WOOD, M. J. Comparative safety of teicoplanin and vancomycin. J. Chemother., Florence, v. 12, Suppl. 5, p. 21-25, 2000.

5.SIDI, V.; ROILIDES, E.; BIBASHI, E. et al. Comparison of efficacy and safety of teicoplanin and vancomycin in children with antineoplastictherapy-associated febrile neutropenia and gram-positive bacteremia. J. Chemother.,Florence, v. 12, p. 326-331, 2000.

6.HIDAYAT, L. K.; HSU, D. I.; QUIST, R. et al. High-dose vancomycin therapy for methicillin-resistant Staphylococcus aureus infections: efficacy and toxicity. Arch. Int. Med.,Chicago, Il, v. 166, p. 2138-2144, 2006.

7.BAILIE, G. R.; NEAL, D. Vancomycin ototoxicity and nephrotoxicity. a review. Med. Toxicol. Adv. Drug Exp., Auckland, v.3, p. 376-386, 1988.

8.RYBAK, M. J.; LOMAESTRO, B. M.; ROTSCAHFER, J. C. et al. Vancomycin therapeutic guidelines: a summary of consensus recommendations from the infectious diseases Society of America, the American Society ofHealth-System Pharmacists, and the Society of Infectious Diseases Pharmacists. Clin. Infect. Dis., Chicago, Il, v. 49, n.3, p. 325-327, 2009.

9.FUCHS, F. D. Glicopeptídeos, estreptograminas e oxazolidinonas. In: FUCHS, F. D.; WANNMACHER, L.; FERREIRA, M. B. C. (Ed.). Farmacologia clínica: fundamentos da terapêutica racional. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006. p. 407-410.

 

SOBRE OS DIREITOS AUTORAIS DO DOCUMENTO

Consta no documento:

“Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para venda ou qualquer fim comercial.”

O objetivo do site MedicinaNet e seus editores é divulgar este importante documento. Esta reprodução permanecerá aberta para não assinantes indefinidamente.

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal