FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Antianêmicos

Última revisão: 17/09/2015

Comentários de assinantes: 0

Reproduzido de:

Formulário Terapêutico Nacional 2010: Rename 2010 [Link Livre para o Documento Original]

Série B. Textos Básicos de Saúde

MINISTÉRIO DA SAÚDE

Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos

Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos

Brasília / DF – 2010

 

14     Medicamentos que atuam sobre o sangue

 

Sheila Silva Monteiro Lodder Lisboa

 

 

14.1  Antianêmicos

Ácido fólico e seus derivados são imprescindíveis para a síntese de ácidos nucleicos, aminoácidos, na divisão celular, no crescimento tecidual e na metilação de ADN. Seres humanos são dependentes das fontes da dieta ou de suplementos para o fornecimento deste elemento. Ingestão insuficiente de folato leva a redução de sua concentração no soro, com diminuição da concentração nos eritrócitos, aumento na concentração de homocisteína e alterações megaloblásticas na medula óssea e outros tecidos com células em divisão rápida. Durante a gravidez, o crescimento fetal causa um aumento no número total de células em rápida divisão, exigindo maior aporte de folato. Se a suplementação for insuficiente desenvolve-se anemia megaloblástica. A demanda de folato pode ser maior em mulheres com anemia falciforme e em áreas onde a malária é endêmica. Há muito o ácido fólico é usado combinado ao ferro durante a gravidez, mostrando-se efetivo para prevenir anemia e deficiência de ferro. Revisões Cochrane confirmam a efetividade e melhoria nos teores de hemoglobina, sem que se demonstrasse vantagem na redução significante de efeitos adversos na mãe e no feto, como baixo peso ao nascer, atraso no parto, nascimento pré-termo, infecção, hemorragia pós-parto; também não foi possível demonstrar melhoria nos desfechos para a mãe e a criança. A ingestão recomendada é de 400 microgramas/dia. Essa dose foi revista em 1999, com a avaliação da biodisponibilidade de alimentos e folato sintético e a recomendação passou a ser de 450 microgramas (600 equivalentes de folato da dieta por dia = DFEs/d). Entretanto, o Food and Nutrition Board of the Institute of Medicine, dos Estados Unidos, sugeriu que um aumento na ingestão de folato poderia retardar o diagnóstico da deficiência de vitamina B12 ou até mesmo exacerbar seus efeitos neurológicos e psiquiátricos. É preciso maior pesquisa nessa área. Não se pode ignorar a relação entre concentrações plasmáticas maternas de folato, a ingestão deste elemento, e hiper-homocisteinemia. Esta condição é associada à doença vaso-oclusiva. Revisão Cochrane5 concluiu que o suplemento de folato tem forte poder protetor contra defeitos do tubo neural e recomenda que mulheres cujos fetos ou filhos tenham tido defeito do tubo neural sejam avisadas do risco de ocorrência em gravidez subsequente e devam receber suplemento de folatos. O ácido fólico pode reduzir a atividade de anticonvulsivantes, por isso recomenda-se precaução quando houver necessidade do uso concomitante, especialmente em mulheres em idade de reprodução. Uma das indicações terapêuticas do acido fólico, a redução dos efeitos adversos de metotrexato, foi confirmada em revisão Cochrane, sem que fosse possível determinar se há diferença entre acido fólico ou folínico para essa indicação; porém, nesse caso, a melhor relação custo-efetividade do ácido folínico torna sua utilização preferente (ver monografia, página 372).

Eritropoietina é efetiva no tratamento de anemia em pacientes com insuficiência renal crônica submetidos a hemodiálise, corrigindo a anemia e melhorando a qualidade de vida, uma vez que abranda sintomas como falta de energia, transtorno respiratório, vertigem, angina, falta de apetite e redução da tolerância ao exercício. Revisão Cochrane, que analisou a frequência da administração de eritropoietina humana recombinante em pacientes submetidos a hemodiálise, levou à conclusão de que não há diferença significante da administração por via subcutânea uma vez por semana comparada ao esquema de três vezes por semana. Os autores consideram, ainda, ser necessário estudar o custo da administração de eritropoietina uma vez por semana, pois este esquema requer incremento 12 U/kg por dose, e também levar em conta a preferência dos pacientes pelo esquema, o que determina melhor adesão ao tratamento. Da mesma forma, o tratamento com a eritropoietina recombinante em pacientes pré-dialisados corrige a anemia, evita necessidade de transfusão, melhora a qualidade de vida e a capacidade de se exercitar. Embora revisão Cochrane tenha confirmado tais dados, não foi possível esclarecer os efeitos sobre a progressão da doença renal, o possível adiamento da instituição da hemodiálise ou a ocorrência de eventos adversos, o que não desabona os benefícios do tratamento. Há de se considerar também que o excesso de eritrócitos, decorrente do uso de eritropoietina, pode levar ao bloqueio de cateteres e outros acessos vasculares em pacientes em diálise, além de elevar a pressão arterial sistêmica. Revisão Cochrane encontrou que teores elevados de hemoglobina reduzem a possibilidade de uma pessoa apresentar convulsões, mas aumentam a pressão arterial. Meta-análise concluiu que a decisão de atingir elevados teores de hemoglobina expõe os pacientes a maiores riscos de morte por enfarte do miocárdio, variedade na pressão arterial sistêmica, trombose com ligação arteriovenosa e efeitos na massa ventricular esquerda (ver monografia, página 661).

Hidroxocobalamina (vitamina B12) é empregada no tratamento de anemia megaloblástica causada pela deficiência desta vitamina. No entanto, em razão do risco de efeitos adversos, não deve ser administrada sem que haja diagnóstico definido da deficiência. Revisão Cochrane, de estudos limitados, comparou a efetividade de vitamina B12 no tratamento da deficiência quando administrada por via oral em relação à via intramuscular. Os autores sugeriram que os esquemas orais de 2 mg diários ou 1 mg diário, inicial, com sequência semanal e depois mensal da mesma dose, podem ser tão efetivos quanto a administração por via intramuscular na obtenção de respostas hematológicas e neurológicas em curto prazo. Desta forma, recomenda-se que a produção da forma injetável de hidroxocobalamina seja mantida. Não há prova disponível para recomendar o emprego da hidroxocobalamina na melhoria da função cognitiva em pacientes com demência e baixos teores desta vitamina, nem na neuropatia periférica relacionada ou não ao alcoolismo (ver monografia, página 562).

Sulfato ferroso é empregado na anemia por deficiência de ferro, consequente a hemorragia aguda ou crônica, baixos teores de ferro na dieta ou por má-absorção. Profilaticamente tem sido usado na gravidez, na lactação, e em recém-nascidos com baixo peso. Suplemento de ferro durante a gravidez, combinado ou não ao ácido fólico, parece prevenir a ocorrência de baixos teores de hemoglobina no parto; o suplemento somente com ferro parece ter o mesmo efeito durante 6 meses depois do parto, mas há pouca informação sobre outros desfechos para a mãe e a criança. Tratamento oral com ferro administrado a mulheres com anemia melhora índices hematológicos, mas causa frequentes efeitos adversos gastrintestinais. Administração parenteral de sais de ferro aumenta a resposta hematológica quando comparado à administração oral de sulfato ferroso, mas também há preocupação quanto aos efeitos adversos. Revisões Cochrane não encontraram dados conclusivos que pudessem definir os benefícios de suplemento de ferro sobre o desenvolvimento psicomotor, melhoria da função cognitiva, redução de morbidade e mortalidade de crianças anêmicas infectados por HIV. Embora alguns estudos tenham afirmado que o suplemento de ferro em áreas endêmicas de malária aumenta o risco de contrair esta doença, uma revisão Cochrane avaliou essa situação, considerando como desfechos primários eventos e mortes associados a malária e, secundários, índices de hemoglobina, anemia, outras infecções, crescimento, internações e consultas médicas; concluiu que o suplemento de ferro não aumenta o risco de contrair malária nem o de morrer, quando são realizados vigilância e serviços adequados de tratamento (ver monografia, página 1005).

 

SOBRE OS DIREITOS AUTORAIS DO DOCUMENTO

Consta no documento:

“Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para venda ou qualquer fim comercial.”

O objetivo do site MedicinaNet e seus editores é divulgar este importante documento. Esta reprodução permanecerá aberta para não assinantes indefinidamente.

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal