FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Eletrocardiograma 1

Última revisão: 05/10/2008

Comentários de assinantes: 2

Quadro Clínico

 

Mulher de 48 anos, com 2 episódios de síncope associado a dispnéia aos mínimos esforços.

 

Eletrocardiograma do paciente

 

Ver o diagnóstico abaixo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Interpretação

1-     Ritmo regular (R-R regular);

2-     FC = 162 bpm;

3-     Eixo - negativo 45 graus;

4-     Taquicardia de QRS alargado (>160 ms), aspecto de bloqueio de ramo esquerdo;

5-     Ondas P após QRS – “p retrógradas”;

6-     R > 30ms em V1 e R monofásico em V6.

 

Diagnóstico

Taquicardia Ventricular

 

Evolução

            A paciente foi cardiovertida eletricamente com sucesso, porém houve recorrência da arritmia com necessidade de drogas antiarrítmicas (amiodarona) e transferência para UTI. Evoluiu para choque cardiogênico; após intubação orotraqueal, ajuste volêmico e drogas vasoativas foi passado balão intra-aórtico. Com a estabilização não houve recorrência da arritmia, mas o ECG (ECG2) mostrava supradesnível de ST em parede anterior. Foi realizada cinecoronariografia sem evidência de lesões obstrutivas nas coronárias. O ecodopplercardiograma mostrava função ventricular deprimida (FEVE = 0,20) e a biópsia endomiocárdica mostrou sinais inflamatórios muito sugestivos de miocardite. Após 1 mês de tratamento de suporte houve melhora progressiva recebendo alta com função ventricular normal.

 

Eletrocardiograma 2

 

Comentário

            A Taquicardia ventricular consiste na presença em série de 3 ou mais batimentos de origem ventricular (abaixo da bifurcação do feixe de His) com duração que ultrapassa 120ms. O vetor do segmento ST-T está em oposição ao complexo QRS, que pode ou não ser regular.

 

Classificação:

 

         Taquicardia Ventricular Sustentada (TVS): duração maior que 30 seg ou que necessita de cardioversão elétrica por instabilidade hemodinâmica.

         Taquicardia Ventricular Não-Sustentada (TVNS): quando reverte espontaneamente ou tem duração menor que 30 seg e sem instabilidade hemodinâmica.

 

            As duas situações mais freqüentes associadas à TV são: doença coronariana e cardiomiopatia dilatada. O mecanismo fisiopatológico básico é a reentrada, porém atividade engatilhada ou automaticidade podem ocorrer.

 

O diagnóstico de TV se baseia na história clínica e ECG:

 

         História: a TV pode se apresentar como episódios assintomáticos até quadros com comprometimento hemodinâmico, podendo culminar com parada cardíaca.

Os sinais e sintomas mais freqüentes são: palpitações, dor precordial, sintomas de pré-síncope, sudorese, hipotensão, ondas “a” em canhão se houver dissociação AV, etc.

 

         Eletrocardiograma: O ECG é o exame mais importante para o diagnóstico. A freqüência cardíaca pode variar de 70 a 250 bpm; a morfologia do QRS é alargada, com duração maior ou igual a 120 ms, podendo os complexos ser uniformes, monomórficos, polimórficos, alternados (taquicardia bidirecional) ou variar de uma maneira repetitiva (torsade de pointes); a despolarização atrial pode ser independente da ventricular (dissociação AV) ou ocorrer retrogradamente.

 

Como Diferenciar: Taquicardia Ventricular X Taquicardia Supraventricular com Aberrância.

 

Sinais indicativos de TV:

1-     Batimentos de fusão ou captura;

2-     Dissociação AV;

3-     Desvio do QRS para esquerda;

4-     Complexos QRS concordantes para cima ou para baixo de V1-V6;

5-     Duração do QRS>140 ms;

6-     QRS com morfologia de BRE com R>30ms em V1 ou V2: QR, QS ou R monofásicos em V6;

7-     QRS com morfologia de BRD, monofásico ou bifásico em V1 ou relação R/S em V6 < 1 ou QS, QR ou R puro em V6.

 

Sinais indicativos de taquicardia supraventricular com aberrância:

1-     Término ou lentificação com manobra vagal;

2-     Início com onda P prematura;

3-     Intervalo RP < 100ms;

4-     Ausência de dissociação AV;

5-     Padrão RSR’ em V1.

Comentários

Por: Atendimento MedicinaNET em 26/01/2015 às 16:25:45

"Prezada Maria do Carmo, obrigado por ter entrado em contato e por estar utilizando nosso conteúdo para seus estudos! Achamos sua sugestão interessante, e vamos discutir a possibilidade de incluir esta aula em nossa programação para dentro em breve. Um abraço, Os Editores"

Por: Maria do Carmo B. Arantesd em 23/01/2015 às 16:30:22

"Ola pessoal... Estou muito interessada em ter uma video-aula sobre esse assunto. Sou acadèmica do sexto período de medicina e tenho dificuldade em eletrocardiograma...Mas quem não tem?...rs rs rs ? Tem uma previsão de quando teremos uma aula básica? Obrigada! Att;"

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal