FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Eletrocardiograma 34

Autores:

Gabriel Assis Lopes do Carmo

Residente de Cardiologia do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP

Fernando de Paula Machado

Médico pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Residência em Clínica Médica no Hospital das Clínicas da FMUSP (HC-FMUSP). Residência em Cardiologia pelo Instituto do Coração (InCor) do HC-FMUSP. Médico Diarista do Pronto-Atendimento do Hospital Sírio-Libânes.

Leonardo Vieira da Rosa

Médico Cardiologista pelo Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Médico Assistente da Unidade de Terapia Intensiva do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Doutorando em Cardiologia do InCor-HC-FMUSP. Médico Cardiologista da Unidade Coronariana do Hospital Sírio Libanês.

Última revisão: 01/04/2019

Comentários de assinantes: 0

Quadro Clínico

Homem de 53 anos.

Eletrocardiograma do paciente

 

Ver diagnóstico abaixo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Interpretação

 

1-     Ritmo regular FC 120

2-     Intervalo PR normal , porém com presença de 2 ondas P independentes que geram um QRS cada. Em DII longo vemos a P1 positiva gerando um QRS positivo e P2 negativa gerando Q2.

3-     Presença de 2 complexos QRS distintos. Q1 corresponde ao QRS positivo em DI/DII e AVF e negativo em V1-V3 mas positivo em V5 e V6 com pouca progressão de R na parede anterior (área inativa). Q2 é negativo em DI e positivo em AVR (posição direita do tórax), e negativo em V5-V6.

4-     Alguns QRS são de fusão, como o segundo complexo em V1, devido a freqüências diferentes de cada QRS.

5-     Alterações da repolarização ventricular (onda T “em colher”)

6-     Ritmo = Taquicardia Sinusal

 

Figura 1: DII longo

Diagnóstico

            Transplante Cardíaco Heterotópico.  A presença de  2 complexos QRS distintos precedidos por ondas P configura a presença de 2 ritmos indepentes em 2 corações, configurando a presença de um coração transplantado em posição hetorotópica (à direita).

 

Comentários

            O transplante cardíaco heterotópico é raramente utilizado atualmente, em que há a colocação de um coração de doador em série com o coração do paciente. Sua principal indicação é a presença de aumento da resistência vascular pulmonar (quando há insuficiência de ventrículo direito aguda em transplante ortotópico) ou quando o coração do doador é muito pequeno. Mesmo em casos selecionados, os resultados são piores que o transplante ortotópico com sobrevida de 83% em 1 ano e 66% em 5 anos.

            O coração do doador é colocado no lado direito do tórax fazendo-se anastomoses entre: átrio esquerdo do doador com receptor, veia cava superior do doador com átrio direito do receptor, aortas com anastomose término-lateral, artérias pulmonares com anastomose término-lateral (às vezes necessitando homoenxerto da aorta ou tubo sintético). A figura abaixo representa o resultado final. Como o coração do doador fica a direita, a representação eletrocardiográfica é de onda P negativa e QRS simulando desvio do eixo para direita.

 

Figura 2: transplante cardíaco heterotópico

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal