FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Eletrocardiograma 47

Autores:

Fernando de Paula Machado

Médico pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Residência em Clínica Médica no Hospital das Clínicas da FMUSP (HC-FMUSP). Residência em Cardiologia pelo Instituto do Coração (InCor) do HC-FMUSP. Médico Diarista do Pronto-Atendimento do Hospital Sírio-Libânes.

Leonardo Vieira da Rosa

Médico Cardiologista pelo Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Médico Assistente da Unidade de Terapia Intensiva do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Doutorando em Cardiologia do InCor-HC-FMUSP. Médico Cardiologista da Unidade Coronariana do Hospital Sírio Libanês.

Última revisão: 01/04/2019

Comentários de assinantes: 0

Quadro clínico

Menina de 11 anos com episódio sincopal

 

Traçado do Holter da paciente

 

Ver diagnóstico abaixo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Diagnóstico

           

            Taquicardia ventricular polimórfica

 

            No registro do Holter se observa taquicardia paroxística supraventricular (Tipo TAV) com FC de 192 batimentos/min com episódios de taquicardia ventricular bidirecional (catecolaminérgica) com FC de 150-160/min. A Taquicardia Ventricular Polimórfica ocorre principalmente em crianças acima de três anos com corações aparentemente saudáveis. As Síncopes ocorrem geralmente durante o esforço ou por experiências emocionais. O eletrocardiograma é normal (em especial, o intervalo QT). Durante o exercício ou aceleração do ritmo sinusal, aparecem extrassístoles ventriculares estereotipados e repetitivas: primeiro monomórficas e isoladas, e posteriormente tornam-se polimórficas e ocorrem em salvas, com taquicardia ventricular bidirecional. A Arritmia ventricular pode ser muito rápida e intercalada com rajadas de taquicardia supraventricular ou taquicardia juncional. Durante a arritmia paroxística, pode ocorrer fibrilação ventricular, que costuma reverter espontaneamente.

            A TV bidirecional apresenta padrão mais freqüente de    bloqueio de ramo direito e alternância de hemibloqueio. Habitualmente, vemos em uma mesma derivação uma alternância, do tipo 1:1, de complexos ventriculares positivos e negativos, não muito aberrantes.

            A principal causa de síncope em crianças é a hiperatividade vagal e, nessa população, a taquicardia ventricular é raramente observada. A taquicardia ventricular polimórfica catecolaminérgica é uma rara entidade que pode acometer crianças sem cardiopatia estrutural e intervalo QTc normal, podendo causar síncope e morte súbita.

            O tratamento padrão da taquicardia ventricular polimórfica catecolaminérgica é feito com betabloqueadores, não havendo diferenças entre os diversos tipos desse grupo.  A eficácia do tratamento pode ser avaliada subjetivamente pela ausência de      recorrência dos sintomas e objetivamente pela ausência da arritmia ao Holter e teste ergométrico.  A ocorrência de morte súbita antes dos 20 anos de idade ocorre em até 50% dos casos não tratados com betabloqueadores.

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal