FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Eletrocardiograma 52

Autores:

Fernando de Paula Machado

Médico pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Residência em Clínica Médica no Hospital das Clínicas da FMUSP (HC-FMUSP). Residência em Cardiologia pelo Instituto do Coração (InCor) do HC-FMUSP. Médico Diarista do Pronto-Atendimento do Hospital Sírio-Libânes.

Leonardo Vieira da Rosa

Médico Cardiologista pelo Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Médico Assistente da Unidade de Terapia Intensiva do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Doutorando em Cardiologia do InCor-HC-FMUSP. Médico Cardiologista da Unidade Coronariana do Hospital Sírio Libanês.

Última revisão: 01/04/2019

Comentários de assinantes: 0

Quadro Clínico

            Paciente de 66 anos com dor torácica anterior (“ está rasgando o meu peito”).

 

Eletrocardiograma do paciente

 

Qual é a conduta?

 

a)             AAS 200mg, clopidogrel 300 mg, enoxaparina 30 mg EV em bolus e realiza trombólise com TNK;

b)            Encaminha o paciente para angioplastia primária em outro serviço, já que o tempo porta-balão será menor < 90 min;

c)             Examina pulsos, aferição de PA nos membros e aguarda Radiografia de tórax antes de qualquer conduta.

 

Ver diagnóstico abaixo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Diagnóstico

Dissecção aguda da aorta com envolvimento de óstio da coronária direita.  Eletrocardiograma demonstra supradesnivelamento de derivações inferiores (DII,DIII e AVF)

 

Comentários

            A dissecção aguda da aorta constitui-se em emergência caracterizada por súbita delaminação da camada média do vaso, levando à infiltração de sangue entre a íntima e adventícia da parede aórtica, determinando uma falsa luz e formação de hematoma. Trata-se de uma manifestação que cursa com alta mortalidade, podendo atingir 75% nas primeiras 48 horas. Em 70% dos casos, as dissecções localizam-se na aorta ascendente, 20% na descendente e 10% no arco. Acomete mais freqüentemente homens com proporção homens/mulheres de 3:1. A faixa etária na dissecção proximal situa-se entre 50 e 55 anos e na distal entre 60 a 70 anos.

            O sintoma dor está presente em aproximadamente 90% dos pacientes com dissecção aórtica, sendo caracterizada por início súbito, já em intensidade máxima, começando mais freqüentemente na parede anterior do tórax (principalmente na dissecção do tipo A), ou início com maior intensidade na região dorsal, ou interescapular (principalmente na dissecção do tipo B), podendo irradiar-se ao longo do dorso, região abdominal e membros inferiores. A dor é descrita pelos pacientes como em facada, rasgando, ou cortante. Outra característica da dor é a dificuldade em obter alívio com analgésicos.

            Esse caso demonstra a importância do diagnóstico diferencial entre infarto agudo do miocárdio e dissecção aguda de aorta, situações de extrema gravidade que requerem diagnóstico preciso e conduta correta.  A dissecção e o infarto do miocárdio podem ocorrer concomitantemente, com taxas de 1,5% a 5%, e o envolvimento da artéria coronária direita é mais comum do que o da coronária esquerda, fato que justificaria o supradesnivelamento encontrado nas derivações eletrocardiográficas inferiores do paciente. Contudo, o quadro isquêmico miocárdico também pode ser explicado por perfusão coronariana reduzida, que leva 10% a 15% dos pacientes com dissecção de aorta a apresentarem anormalidades cinéticas e eletrocardiográficas da parede ventricular, sem necessariamente cursar com IAM. As alterações miocárdicas isquêmicas encontradas no caso poderiam ser decorrentes da compressão da artéria coronária pela expansão do falso lúmen, da extensão do processo de dissecção para o interior da coronária, da hipotensão ou a combinação dessas condições.

            O tratamento baseia-se em medidas como a analgesia e controle rígido dos níveis pressóricos com nitroprussiato de sódio e betabloqueadores. O tratamento conservador da dissecção tipo A é desfavorável, apresentando alta mortalidade por ruptura intrapericárdica da aorta, hemotórax, insuficiência aórtica, isquemia e necrose de órgãos localizados. Portanto, todos os casos devem ser considerados para cirurgia de emergência, independentemente de complicações.

            A realização do diagnóstico de dissecção aórtica necessita de alto índice de suspeita clínica, com valorização do quadro de dor torácica, sempre procurando explorar as características da dor e, ao exame físico, procurar sinais sugestivos de dissecção, como assimetria de pulsos, sopro de insuficiência aórtica, sinais de tamponamento cardíaco, déficits neurológicos, dor abdominal e isquemia aguda de membros inferiores. Realizada a suspeita clínica, os testes diagnósticos deverão ser usados para confirmar ou afastar essa condição. Um eletrocardiograma sem sinais de isquemia, na vigência de dor torácica intensa, é útil para descartar infarto do miocárdio. A radiografia de tórax é extremamente útil para reforçar a suspeita diagnóstica, pois, na maioria dos casos de dissecção aórtica, existe algum grau de alteração, como aumento do contorno da aorta, mudança brusca de seu calibre, saliência exagerada do botão aórtico, alargamento do mediastino, desvio da traquéia e derrame pleural. Entretanto, a radiografia de tórax normal não afasta o diagnóstico de dissecção. Abaixo, a radiografia de tórax do paciente em questão e uma tomografia de um outro paciente com o mesmo diagnóstico

 

 

 

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal