FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Eletrocardiograma 62

Autores:

Fernando de Paula Machado

Médico pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Residência em Clínica Médica no Hospital das Clínicas da FMUSP (HC-FMUSP). Residência em Cardiologia pelo Instituto do Coração (InCor) do HC-FMUSP. Médico Diarista do Pronto-Atendimento do Hospital Sírio-Libânes.

Leonardo Vieira da Rosa

Médico Cardiologista pelo Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Médico Assistente da Unidade de Terapia Intensiva do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Doutorando em Cardiologia do InCor-HC-FMUSP. Médico Cardiologista da Unidade Coronariana do Hospital Sírio Libanês.

Última revisão: 01/04/2019

Comentários de assinantes: 0

Quadro clínico

Homem de 87 anos com histórico de insuficiência cardíaca e síncope.

 

Eletrocardiograma do paciente

 

Ver o diagnóstico abaixo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Diagnóstico

Ritmo Juncional –> Intoxicação Digitálica

 

Interpretação

             ECG em ritmo juncional (ausência de ondas P), FC-30 bpm, infradesnivelamento de ST-T com concavidade superior (onda T "em colher") diminuição do intervalo QTc. Área eletricamente inativa anterior (amputação de R em parede anterior e lateral).

            O paciente apresentava digoxina sérica de 4ng/ml (limite desejável <0,8).

 

Comentários

Os digitálicos têm sido utilizados no tratamento da insuficiência cardíaca há mais de 200 anos, constituindo mundialmente uma das drogas mais prescritas, particularmente na idade avançada. No entanto, em idosos, o risco-benefício do uso do digital deve ser cuidadosamente avaliado, já que a intoxicação digitálica é mais prevalente nessa faixa etária.  O uso da digoxina no tratamento das taquiarritmias supraventriculares e da IC acompanhada de fibrilação atrial é inquestionável. No entanto, o papel dos digitálicos no tratamento da IC sistólica crônica, acompanhada de ritmo sinusal, permanece controverso, enquanto que na IC diastólica é desaconselhável.

 

            A intoxicação digitálica é mais prevalente nessa faixa etária por uma série de fatores, tais como:

 

a) diminuição da massa muscular, o que reduz o volume de distribuição da droga. Para uma mesma dose de digoxina, os idosos apresentam níveis séricos cerca de duas vezes maior, quando comparados com pessoas mais jovens;

 

b) diminuição da função renal (cerca de 70% da digoxina é eliminada por esta via), além de que, na doença renal, a capacidade da albumina em se ligar à digoxina está diminuída;

 

c) janela terapêutica estreita, o que faz com que doses terapêuticas se aproximem muito das doses tóxicas;

 

d) risco aumentado de interações medicamentosas. Drogas comumente prescritas no idoso (quinidina, verapamil, amiodarona, espironolactona, triantereno, eritromicina, tetraciclina, propafenona, entre outras) interagem com a digoxina aumentando o seu nível sérico;

 

e) alterações metabólicas freqüentes em idosos, como hipopotassemia, hipomagnesemia, hipercalcemia, hipóxia, acidose e doenças como o hipotireoidismo e a doença pulmonar obstrutiva crônica predispõem à intoxicação digitálica.

 

Devemos salientar que a detecção da intoxicação no idoso é dificultada com freqüência por suas manifestações atípicas, particularmente alterações neuropsiquiátricas (depressão, delirium, labilidade do humor, sonolência, psicoses e confusão mental), gastrointestinais (anorexia, náuseas, vômitos, diarréia e dor abdominal) e inespecíficas (fadiga, tonteira e cefaléia). As manifestações neuropsiquiátricas da intoxicação digitálica podem preceder, acompanhar ou seguir às manifestações cardíacas.

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal