FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Eletrocardiograma 66

Autores:

Fernando Moreno Sebastianes

Especialista em Clínica Médica e Endocrinologia pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP

Leonardo Vieira da Rosa

Médico Cardiologista pelo Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Médico Assistente da Unidade de Terapia Intensiva do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Doutorando em Cardiologia do InCor-HC-FMUSP. Médico Cardiologista da Unidade Coronariana do Hospital Sírio Libanês.

Última revisão: 01/04/2019

Comentários de assinantes: 0

Quadro Clínico

Homem de 70 anos com quadro de palpitações taquicárdicas e dor torácica anginosa.

 

Eletrocardiogramas do paciente

 

Eletrocardiograma 1

 

Eletrocardiograma 2

 

Eletrocardiograma 3

 

Eletrocardiograma 4

 

Ver diagnóstico abaixo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Diagnóstico

                Fibrilação atrial e isquemia miocárdica. Observa-se no traçado inicial Fibrilação Atrial, com freqüência ventricular entre 100 a 180 bpm. Os complexos QRS são estreitos, com duração entre 60 e 80 ms (em alguns momentos ocorre aberrância de condução). O segmento ST apresenta morfologia horizontal e descendente. Em alguns momentos, o desnível do segmento ST, quando presente, é superior a 2mm e varia de um complexo para outro. Esses elementos caracterizam de forma clara um episódio isquêmico sintomático desencadeado pela arritmia atrial de alta resposta.

                O último traçado determina o momento da cardioversão elétrica e saída em ritmo sinusal.

 

Comentários

                A Fibrilação Atrial (FA) é a arritmia mais comum encontrada na prática clínica eThe prevalence of atrial fibrillation increases dramatically with age. sua prevalência aumenta dramaticamente com a idade. Atrial fibrillation is associated with known cardiovascular risk factors such as hypertension, coronary artery and valvular heart disease, heart failure (HF) and diabetes mellitus. 1 A FA está associada a fatores de risco cardiovasculares, como hipertensão arterial coronariana, doença valvular cardíaca, insuficiência cardíaca e diabetes mellitus.

                Enquanto alguns pacientes são assintomáticos, muitos experimentam grande variedade de sintomas, incluindo palpitações, dispnéia, fadiga, tontura, angina e insuficiência cardíaca descompensada. A FA também In addition, atrial fibrillation can be associated with hemodynamic dysfunction, tachycardia-induced cardiomyopathy, and systemic thromboembolismTambém TTagggTa     pode estar associada com disfunção hemodinâmica, taquicardiomiopatia e tromboembolismo sistêmico.

                A cardioversão pode ser realizada eletivamente ou emergencialmente para restaurar o ritmo sinusal em pacientes com FA de início recente. Cardioversion is most successful when initiated within 7 days after to onset of atrial fibrillation. Este procedimento é mais eficaz quando iniciado dentro de 7 dias após o início da fibrilação atrial. The need for cardioversion may be acute when atrial fibrillation is responsible for hypotension, heart failure, or angina. A necessidade de cardioversão pode ser aguda, quando a FA é responsável por hipotensão arterial, insuficiência cardíaca ou angina. Pharmacologic agents or direct current energy can be used to cardiovert patients with atrial fibrillation. O uso da cPharmacologic cardioversion has the advantage of not requiring sedation or anesthesia, but the major disadvantage is the risk of ventricular tachycardia and otherardioversão farmacológica tem a vantagem de não necessitar de sedação ou anestesia, mas a grande desvantagem é o risco de taquicardia ventricular e outras arritmias graves.

                Na Fibrilação Atrial (FA) geralmente ocorrem variações na morfologia do segmento ST/onda T acompanhando a variabilidade instantânea da duração dos ciclos cardíacos desta arritmia, o que conseqüentemente faz variar a refratariedade dos tecidos. Devido a isto, decorrem discretos e às vezes imperceptíveis fenômenos de aberrância que interferem diretamente nas características morfológicas do segmento ST/ onda T. Neste caso, demonstramos importantes alterações do segmento ST em paciente com FA com depressão do segmento ST intensa (>2mm) de forma sustentada, mostrando as variações entre complexos, características da fibrilação atrial. Todas essas características morfológicas e temporais já seriam suficientes para definir esse evento como um episódio isquêmico. A presença de dor precordial completa a caracterização do caso, confirmado posteriormente pelo cateterismo (lesão de tronco de coronária esquerda). Assim sendo, é possível afirmar que as depressões do segmento ST observadas através da eletrocardiografia em casos de fibrilação atrial devem ser vistas com os mesmos cuidados dos casos com ritmo sinusal e não simplesmente ignoradas. Sempre que assumem características especiais, devem ser investigadas em relação à isquemia, principalmente nas populações com alta prevalência de doença coronária.

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal