FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Eletrocardiograma 68

Autores:

Fernando de Paula Machado

Médico pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Residência em Clínica Médica no Hospital das Clínicas da FMUSP (HC-FMUSP). Residência em Cardiologia pelo Instituto do Coração (InCor) do HC-FMUSP. Médico Diarista do Pronto-Atendimento do Hospital Sírio-Libânes.

Leonardo Vieira da Rosa

Médico Cardiologista pelo Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Médico Assistente da Unidade de Terapia Intensiva do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Doutorando em Cardiologia do InCor-HC-FMUSP. Médico Cardiologista da Unidade Coronariana do Hospital Sírio Libanês.

Última revisão: 01/04/2019

Comentários de assinantes: 0

Quadro Clínico

Homem de 30 anos realizou correção de defeito do septo atrioventricular. Estes eletrocardiogramas foram realizados no 3° PO.

 

Eletrocardiogramas

 

 

 

 

 

Ver diagnóstico abaixo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Diagnóstico

Pericardite aguda em pós operatório de cirugia cardíaca com presença de supradesnível de ST difuso (devio a inflamação epicárdica difusa) e infradesnível de PR, muito específico de pericardite aguda, que ocorre devido à inflamação epicárdica atrial.

 

Discussão

            A formação de derrame pericárdico no pós-operatório de cirurgia cardíaca é um problema comum na prática clínica (50% a 85% dos pacientes desenvolvem derrame após cirurgia). O tamponamento cardíaco, a complicação mais temida, ocorre em aproximadamente 2% dos pacientes e é observada mesmo entre aqueles que têm um curso subagudo e estão além de 7 dias após a cirurgia. A patogênese do derrame no pós-operatório não é completamente compreendida. Derrames precoces (dentro de 5 a 7 dias após a cirurgia), provavelmente estão relacionados ao sangramento pericárdico e trauma na manipulação, enquanto efusões tardias são consideradas uma possível conseqüência de pericardite. Estes derrames frequentemente caracterizam a síndrome pós-pericardiotomia.

            A síndrome pós-pericardiotomia foi inicialmente descrita como uma condição que se seguiu à cirurgia para estenose mitral reumática e defeitos cardíacos congênitos. A patogênese dessa síndrome se presume ser auto-imune, mas hipóteses alternativas implicam infecção adquirida. O diagnóstico requer a presença de pelo menos 2 dos seguintes: febre que dura além da primeira semana do pós-operatório sem outras causas, dor pleurítica/atrito, derrame pleural, e aparecimento ou agravamento do derrame pericárdico.

            O tratamento é empírico e envolve o uso de antiinflamatórios não esteróides (AINEs), corticosteróides ou colchicina. Apesar de derrames sintomáticos requererem tratamento, nos derrames assintomáticos essas medidas são controversas.

            O diagnóstico diferencial é com infarto agudo do miocárdio e repolarização precoce. Em relação ao primeiro, a diferença é que na pericardite existe uma elevação difusa do segmento ST sem infradesnivelamento recíproco ("imagem em espelho"). Já com a repolarização precoce, que é uma variante normal e também pode causar elevação disseminada do ST, deve-se observar a relação ST/T. Na repolarização precoce as ondas T são apiculadas e a relação geralmente encontra-se < 0,25. Na pericardite essa relação é maior. Outro achado de extrema especificidade para pericardite é a depressão do PR.

 

                     Estágio 1: acompanham o início da dor e 90% dos pacientes apresentam supradesnivelamentode ST com concavidade para cima, exceto em AVR e V1.

                     Estágio 2: ocorre alguns dias depois. Retorno do ST à linha de base, acompanhado pelo achatamento da onda T.

                     Estágio 3: inversão da onda T de modo que o vetor se torne oposto ao do ST; não há ondas Q ou diminuição das ondas R.       

                     Estágio 4: ocorre semanas ou meses depois, com reversão das ondas T ao normal.

                     Pericardite com Derrame: o ECG pode mostrar baixa voltagem, depressão do segmento PR e alternância do complexo QRS. Tais alterações são sugestivas, porém não diagnósticas, pela baixa sensibilidade.

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal