FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Eletrocardiograma 77

Autores:

Fernando de Paula Machado

Médico pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Residência em Clínica Médica no Hospital das Clínicas da FMUSP (HC-FMUSP). Residência em Cardiologia pelo Instituto do Coração (InCor) do HC-FMUSP. Médico Diarista do Pronto-Atendimento do Hospital Sírio-Libânes.

Leonardo Vieira da Rosa

Médico Cardiologista pelo Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Médico Assistente da Unidade de Terapia Intensiva do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Doutorando em Cardiologia do InCor-HC-FMUSP. Médico Cardiologista da Unidade Coronariana do Hospital Sírio Libanês.

Última revisão: 01/04/2019

Comentários de assinantes: 0

Quadro Clínico

Homem de 87 anos com quadro de dor torácica.

 

Eletrocardiogramas do paciente

 

 

 

Ver diagnóstico abaixo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Diagnóstico

Lesão suboclusiva (95%) da artéria circunflexa. ECG com inversão de ondas T em parede anterior + infradesnivelamento.

 

Discussão

A onda T corresponde à fase 3 do potencial de ação, verdadeiro início da repolarização ventricular. A repolarização ventricular inicia-se no epicárdio, sendo as camadas subendocárdicas as últimas a se repolarizarem. A onda T, cuja polaridade é igual à polaridade do complexo QRS, é assimétrica, com fase ascendente lenta e fase descendente mais rápida. Sua amplitude não excede um terço da amplitude do QRS correspondente. Ondas T de grande amplitude, assimétricas e, às vezes pontiagudas, são observadas na bradicardia sinusal (freqüentemente em atletas) e em indivíduos vagotônicos.

Ondas T negativas gigantes, com amplitude maior que 10 mm em pelo menos duas derivações, são encontradas em poucas condições: insuficiência coronária aguda, lesões cerebrais graves e cardiomiocardiopatia hipertrófica apical. As ondas T isquêmicas são, em geral, simétricas e relacionadas a uma determinada parede do miocárdio ventricular, correspondente à coronária comprometida. As chamadas "ondas T cerebrais" são ondas T negativas gigantes, difusas e acompanhadas de desnivelamento do segmento ST e importante aumento do intervalo QT. São relatadas mais comumente em casos de hemorragia cerebral e atribuídas à intensa disfunção autonômica causada pela lesão cerebral aguda. Na hipertrofia apical (Yamaguchi), as ondas T são negativas apenas de V1 a V3, opondo-se a ondas R com aumento de amplitude nessas mesmas derivações.

É importante lembrar que a artéria circunflexa apresenta grande variação anatômica, e, geralmente, irriga uma pequena área do ventrículo. Por isso, em cerca de 50% das vezes sua oclusão não é detectada no eletrocardiograma de 12 derivações clássicas. Vale destacar que em um terço das oclusões da artéria circunflexa ocorre infradesnivelamento isolado do segmento ST nas derivações V1 e V2. Nesse contexto, a realização do eletrocardiograma em derivações adicionais (V7-V9) tem implicação terapêutica e prognóstica.

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal