FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Eletrocardiograma 85

Autores:

Eduardo Osawa

Residente de Cardiologia do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP

Leonardo Vieira da Rosa

Médico Cardiologista pelo Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Médico Assistente da Unidade de Terapia Intensiva do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Doutorando em Cardiologia do InCor-HC-FMUSP. Médico Cardiologista da Unidade Coronariana do Hospital Sírio Libanês.

Ricardo Casalino Sanches de Moraes

Especialista em Cardiologia pelo Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP
Médico Colaborador do Grupo de Válvula do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP

Última revisão: 01/04/2019

Comentários de assinantes: 0

Quadro Clínico

Mulher de 58 anos, com diagnósticos de hipertensão arterial, obesidade, apnéia obstrutiva do sono e miocardiopatia hipertensiva com Fração de Ejeção de 20%. Deu entrada no pronto socorro por insuficiência cardíaca descompensada, com perfil frio e úmido, tendo sido iniciado dobutamina. Avaliada para transplante cardíaco, durante preparo para colonoscopia, apresentou parada cardiorrespiratória.

 

Eletrocardiograma da paciente

 

Ver diagnóstico abaixo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Diagnóstico

Morte Súbita Arrítmica – Fibrilação Ventricular

 

Discussão

A morte súbita de causa cardíaca é responsável por 50% de todas as mortes ocasionadas pelas doenças circulatórias. O mecanismo mais comum são as arritmias ventriculares, freqüentemente desencadeadas por eventos coronarianos agudos, podendo ocorrer em pessoas sem doença conhecida ou em associação com doença cardíaca estrutural. A taquicardia ventricular, degenerando para fibrilação ventricular, e após para assistolia, parece ser o mecanismo fisiopatológico mais comum envolvido na gênese dessas arritmias fatais.

Das mortes súbitas cardíacas, 85% a 90% são decorrentes de um primeiro evento arrítmico, e as 10% a 15% restantes, a eventos recorrentes. Assim, é de suma importância que se tomem as seguintes medidas:

 

1)  preventivas contra o primeiro evento (prevenção primária);

2)  ativas para o controle imediato das paradas cardiorrespiratórias;

3)  medidas que evitem a repetição do evento arrítmico (prevenção secundária).

 

Pacientes com insuficiência cardíaca (IC) apresentam maior risco de mortalidade global e podem morrer subitamente de arritmia, a despeito do uso de medicamentos comprovadamente úteis, como betabloqueadores, inibidores da enzima conversora da angiotensina (IECA) e espironolactona. O estudo SCD-HeFT (Sudden Cardiac Death in Heart Failure Trial - Morte Súbita em Pacientes com Insuficiência Cardíaca) testou o efeito adicional da amiodarona e de um cardiodesfibrilador implantável (CDI) na prevenção primária de morte súbita em pacientes com IC em classe funcional II-III da New York Heart Association (NYHA) e fração de ejeção ventricular esquerda (FEVE) de 35% ou menos. A evolução dos pacientes no grupo de amiodarona foi semelhante à do grupo de placebo, enquanto o implante de CDI foi associado com redução significativa (23%) na mortalidade global após cinco anos de acompanhamento. Em conformidade com esses achados, o estudo MADIT-II demonstrou menor mortalidade após o implante de CDI em pacientes com infarto do miocárdio prévio e FEVE reduzida. Esses resultados concordantes levaram a uma expansão das indicações de CDI profilático em pacientes com grave comprometimento da FEVE.

Entretanto, a implementação dessa terapia representa um impacto econômico significativo. Provavelmente, esse é o maior impedimento à ampla adoção da terapia com CDI para prevenção primária de morte súbita em pacientes com IC no sistema de saúde brasileiro.

 

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal