FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Eletrocardiograma 90

Autores:

Cristiano Guedes Bezerra

Residente de Cardiologia do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP

Leonardo Vieira da Rosa

Médico Cardiologista pelo Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Médico Assistente da Unidade de Terapia Intensiva do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Doutorando em Cardiologia do InCor-HC-FMUSP. Médico Cardiologista da Unidade Coronariana do Hospital Sírio Libanês.

Ricardo Casalino Sanches de Moraes

Especialista em Cardiologia pelo Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP
Médico Colaborador do Grupo de Válvula do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP

Última revisão: 01/04/2019

Comentários de assinantes: 0

Fibrilação Atrial

 

Quadro Clínico

Paciente do sexo feminino, 23 anos de idade.

 

Eletrocardiograma

 

Ver diagnóstico abaixo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Diagnóstico

Eletrocardiograma com taquicardia de QRS estreito com frequência cardíaca entre 100-150 bpm. “Recorrência pós-ablação” de Fibrilação atrial.

 

Comentários

Ocorrência precoce de arritmias atriais após ablação de fibrilação atrial é um evento bem reconhecido. Do ponto de vista clínico, dois tipos de arritmias têm sido observados: fibrilação atrial e ritmos atriais mais regulares, normalmente classificados como taquicardia atrial ou flutter atrial. É comum ocorrerem dentro de 3 meses após o procedimento, sendo que sua prevalência é variável entre as diferentes séries reportadas (dependendo da técnica de ablação, tipo de FA e duração do acompanhamento). Basicamente, após o isolamento segmentar da veia pulmonar, um primeiro episódio de recorrência de FA, sem terapia antiarrítmica, pode ser observado, em 35% a 40% dos pacientes, nos primeiros 60 dias de seguimento. A proporção relativa de recorrência de fibrilação atrial depende das técnicas de ablação.

Embora a recorrência precoce das arritmias atriais apresente um risco independente de falência da ablação a longo prazo, sua ocorrência não deve ter um tratamento imediato, pois até 50% dos casos cessam espontaneamente. As duas principais variáveis correlacionadas ao risco de recorrência são: a ausência de isolamento completo e a presença de doença cardíaca estrutural.

 

Fisiopatologia da FA

 

Incidência de FA pós-ablação

 

Algoritmo de controle agudo de fibrilação/flutter

 

Algoritmo da Sociedade Brasileira de Cardiologia para reversão de ritmo FA/Flutter

 

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal