FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Alteração de eletrocardiograma em intoxicação

Autor:

Lucas Santos Zambon

Doutorado pela Disciplina de Emergências Clínicas Faculdade de Medicina da USP; Médico e Especialista em Clínica Médica pelo HC-FMUSP; Diretor Científico do Instituto Brasileiro para Segurança do Paciente (IBSP); Membro da Academia Brasileira de Medicina Hospitalar (ABMH); Assessor da Diretoria Médica do Hospital Samaritano de São Paulo.

Última revisão: 05/05/2014

Comentários de assinantes: 0

Especialidade: Medicina de Emergência

 

Quadro Clínico

         Paciente do sexo feminino,  16 anos, portadora de distúrbio de personalidade, é trazida ao pronto-socorro por ter há cerca de 4h realizado tentativa de suicídio com ingesta dos comprimidos para tratamento de hipertensão de sua avó.

         Na chegada, está em Glasgow 14 (sonolenta), com pressão arterial de 80x60mmH e frequência cardíaca de 36bpm, frequência respiratória de 14 cpm e saturação de oxigênio de 94% em ar ambiente, sem outros achados significativos ao exame físico. Foi feita glicemia capilar na chegada devido ao rebaixamento do nível de consciência, com valor de 46mg/dL.

         Foi realizado um ECG devido à frequência cardíaca. Qual o achado deste ECG? E o que fazer diante deste caso?

 

Imagem 1 – Eletrocardiograma da paciente que tentou suicídio

 

 

 

 

Diagnóstico e Discussão

         O eletrocardiograma apresentado mostra uma BRADICARDIA SINUSAL.

         Diante deste achado, e com a condição clínica de tentativa de suicídio com medicamentos “anti-hipertensivos”, provavelmente estamos diante de uma intoxicação por betabloqueadores.

         Primeiramente, devemos levar a paciente para sala de emergência e colocá-la sob monitorização contínua. Procede-se então com o ABCD clássico. Não havendo necessidade de abordar a via aérea e a parte respiratória da paciente, procedemos ao sistema cardiovascular. Nesse caso, com FC de 36bpm e PA sistólica abaixo de 90 mmHg, há indicação de tratamento para esta hipotensão e bradicardia. Deve-se iniciar expansão com soro fisiológico e atropina EV. Logo a seguir, deve-se reverter a hipoglicemia com glicose hipertônica EV.

         Uma vez que não há indicação de lavagem gástrica ou carvão ativado, neste caso dado o tempo de ingesta, procede-se ao uso de antídoto.

         No caso da intoxicação por betabloqueador, considera-se o uso de glucagon como primeira linha de tratamento. A dose inicial em bolus é de 5mg EV administrado lentamente. Se não houver melhora de pulso e pressão arterial em até 15 minutos, pode-se administrar um segundo bolus. Caso ainda não ocorra melhora, iniciar infusão contínua de glucagon na taxa de 2 a 5mg/hora, com objetivo de manter PA média de 60mmHg.

         A lógica do uso de glucagon vem da seguinte explicação: o glucagon ativa a adenilato ciclase em um sítio independente dos agentes beta-adrenérgicos, causando um aumento do AMP cíclico. Elevações AMP cíclico aumentam o pool intracelular de cálcio disponível para lançamento durante a despolarização, aumentando a contratilidade. O sucesso do uso de glucagon para controlar a toxicidade a betabloqueador foi documentado em muitos relatos de casos, mas não há estudos controlados envolvendo seres humanos.

 

Bibliografia

Spodick DH. Normal sinus heart rate: sinus tachycardia and sinus bradycardia redefined. Am Heart J 1992; 124:1119.

Spodick DH, Raju P, Bishop RL, Rifkin RD. Operational definition of normal sinus heart rate. Am J Cardiol 1992; 69:1245.

Love JN, Howell JM, Litovitz TL, Klein-Schwartz W. Acute beta blocker overdose: factors associated with the development of cardiovascular morbidity. J Toxicol Clin Toxicol 2000; 38:275.

Vucinic S, Joksovic D, Jovanovic D, et al. Factors influencing the degree and outcome of acute beta-blockers poisoning. Vojnosanit Pregl 2000; 57:619.

Taboulet P, Cariou A, Berdeaux A, Bismuth C. Pathophysiology and management of self-poisoning with beta-blockers. J Toxicol Clin Toxicol 1993; 31:531.

Bailey B. Glucagon in beta-blocker and calcium channel blocker overdoses: a systematic review. J Toxicol Clin Toxicol 2003; 41:595.

 

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal