FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Aspergiloma

Autor:

Lucas Santos Zambon

Doutorado pela Disciplina de Emergências Clínicas Faculdade de Medicina da USP; Médico e Especialista em Clínica Médica pelo HC-FMUSP; Diretor Científico do Instituto Brasileiro para Segurança do Paciente (IBSP); Membro da Academia Brasileira de Medicina Hospitalar (ABMH); Assessor da Diretoria Médica do Hospital Samaritano de São Paulo.

Última revisão: 06/11/2015

Comentários de assinantes: 0

Quadro Clínico

Paciente masculino, 48 anos, com história de ter tratado tuberculose há 10 anos, e etilista atual, procura atendimento por tosse crônica há três meses, com eventuais escarros hemoptoicos. Relata emagrecimento no período, e febre eventual.

Você inicialmente refaz investigação para tuberculose, solicitando três amostras de escarro. Toda a pesquisa de BAAR vem negativa. Sendo assim, você refaz a investigação do ponto de vista radiológico, e solicita uma tomografia de tórax, que pode ser vista nas imagens 1 e 2.

 

Imagem 1 – Tomografia de tórax

 

 

Imagem 2 – Tomografia de Tórax

 

  

Diagnóstico e Discussão

Laudo da tomografia:

Sinais de intersticiopatia caracterizada por opacidades reticulares difusas e bilaterais, de predomínio periférico e basal, associadas a cistos de faveolamento e bronquiectasias de tração. Cavidade pulmonar localizada no segmento apical/ posterior no lobo superior direito, preenchida por material heterogêneo ("sinal do crescente aéreo"), podendo corresponder a aspergiloma.

 

Este caso ficou diagnosticado como tendo um aspergiloma, tema que iremos discutir a seguir.

Em primeiro lugar, vamos definir aspergilose pulmonar crônica. A aspergilose pulmonar crônica inclui várias manifestações da doença, incluindo aspergiloma, aspergilose pulmonar cavitária crônica, aspergilose pulmonar fibrosante crônica e aspergilose necrotizante crônica. Quase todos os casos de aspergilose pulmonar crônica são causados por A. Fumigatus.

A prevalência estimada em diversos países de aspergilose pulmonar crônica varia de <1 caso por 100.000 habitantes em grandes países da Europa Ocidental e dos Estados Unidos até 42,9 casos por 100.000 habitantes, tanto na República Democrática do Congo como na Nigéria. China e Índia apresentaram taxas de prevalência intermediária de 16,2 e 23,1 por 100.000 população, respectivamente.

Especificamente, o aspergiloma é uma bola de fungo Aspergillus composto de hifas, de fibrina, de muco, e dos restos celulares encontrados dentro de uma cavidade pulmonar. Os aspergilomas surgem em cavidades pulmonares preexistentes que se tornaram colonizadas com Aspergillus spp.

Se o aspergiloma é único, a cavidade estável ao longo de meses, e o paciente tem poucos sintomas (ou seja, uma tosse leve somente) e pouca evidência de inflamação sistêmica, um aspergiloma simples pode ser diagnosticado com facilidade.

As doenças mais comuns subjacentes que predispõem os pacientes a aspergilose pulmonar crônica incluem tuberculose pulmonar, infecção por micobactérias não tuberculosas, aspergilose broncopulmonar alérgica, asma (geralmente tratado por cursos de glicocorticoides sistêmicos), câncer de pulmão (após o tratamento bem-sucedido), pneumotórax prévio com formação de bolha associada, crônica doença pulmonar obstrutiva e sarcoidose fibrocavitária.

Pegando o exemplo deste caso, temos a tuberculose como o fator predisponente deste paciente. Principalmente porque provavelmente ele ficou com uma cavitação sequelar em ápice direito. Os pacientes com tuberculose pulmonar clássica que são deixados com cavidades maior ou igual a 2cm têm cerca de 20% de chance de aspergilomas posteriormente em desenvolvimento e/ou aspergilose pulmonar crônica.

Então devemos fechar o diagnóstico. Os critérios para o diagnóstico de aspergilloma são evidência radiológica de uma massa arredondada em uma cavidade pulmonar combinada com evidência microbiológica de Aspergillus como o agente causador, geralmente uma cultura positiva de escarro ou precipitinas detectáveis de Aspergillus.

 

Bibliografia

Denning DW, Riniotis K, Dobrashian R, Sambatakou H. Chronic cavitary and fibrosing pulmonary and pleural aspergillosis: case series, proposed nomenclature change, and review. Clin Infect Dis 2003; 37 Suppl 3:S265 ?

 

Smith NL, Denning DW. Underlying conditions in chronic pulmonary aspergillosis including simple aspergilloma. Eur Respir J 2011; 37:865 ?

 

Denning DW, Pleuvry A, Cole DC. Global burden of chronic pulmonary aspergillosis as a sequel to pulmonary tuberculosis. http://www.who.int/bulletin/volumes/89/12/11­089441.pdf

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal