FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Dissecção de Aorta Infra-renal

Autor:

Lucas Santos Zambon

Doutorado pela Disciplina de Emergências Clínicas Faculdade de Medicina da USP; Médico e Especialista em Clínica Médica pelo HC-FMUSP; Diretor Científico do Instituto Brasileiro para Segurança do Paciente (IBSP); Membro da Academia Brasileira de Medicina Hospitalar (ABMH); Assessor da Diretoria Médica do Hospital Samaritano de São Paulo.

Última revisão: 04/04/2018

Comentários de assinantes: 0

Quadro Clínico

 

Paciente de 76 anos de idade, do sexo masculino, hipertenso, não aderente a medicamentos e tabagista de longa data, acabou fazendo tomografia computadorizada (TC) de abdome para investigação de dor abdominal que revelou ser de causa colônica. Porém, foi encontrado um aneurisma fusiforme de aorta abdominal, conforme mostra a Figura 1.

 

 

 

TC: tomografia computadorizada.

Figura 1 - Detalhe da TC de abdome.

 

 

Discussão

 

O aneurisma de aorta abdominal (AAA) é o aneurisma arterial verdadeiro mais comum. Um aneurisma verdadeiro é definido como uma dilatação segmentar, de espessura total de um vaso sanguíneo que é 50% maior do que o diâmetro da aorta normal. Na maioria dos adultos, um diâmetro aórtico >3,0cm, geralmente, é considerado aneurismático. Para fins de classificação, há a seguinte classificação de tamanho de aneurismas: os pequenos têm um diâmetro <4,0cm; os médios, um diâmetro entre 4,0 e 5,5cm; os grandes, um diâmetro> 5,5cm; e os aneurismas muito grandes têm diâmetro =6,0cm.

Além disso, podem ser descritos os aneurismas de aorta abdominal conforme sua localização anatômica: suprarrenal é aquele que envolve as origens de uma ou mais artérias viscerais, mas não se estende no peito; o para-renal é aquele no qual as artérias renais surgem a partir da aorta aneurismática, mas a aorta no nível da artéria mesentérica superior não é aneurismática; o justa-renal é o aneurisma que se origina bem além das origens das artérias renais, e a aorta no nível das artérias renais não é aneurismática; e o infrarrenal, que é o aneurisma que se origina distal às artérias renais.

Quanto à origem das doenças, são conhecidos os fatores de risco, que incluem idade avançada, sexo masculino, tabagismo, raça caucasiana, hipertensão, história familiar de AAA, a presença de outros aneurismas de grandes artérias (por exemplo, ilíaca, femoral, poplítea). Por outro lado, há pacientes com, notadamente, menor risco de desenvolver a doença: os de sexo feminino, de raça não caucasiana e portadores de diabetes melito.

O diagnóstico é fechado com exames de imagem que mostrem uma dilatação focal aórtica que responda aos critérios de aneurisma (>1,5 vezes o diâmetro normal, ou >3,0cm no segmento infrarrenal). O ultrassom abdominal e a TC do abdome são altamente sensíveis e específicos para o diagnóstico de AAA, mas são recomendados sob diferentes circunstâncias clínicas.

 

 

Bibliografia

 

1.             Chaikof EL, Dalman RL, Eskandari MK, et al. The Society for Vascular Surgery practice guidelines on the care of patients with an abdominal aortic aneurysm. J Vasc Surg 2018; 67:2.

2.             Chaikof EL, Brewster DC, Dalman RL, et al. The care of patients with an abdominal aortic aneurysm: the Society for Vascular Surgery practice guidelines. J Vasc Surg 2009; 50:S2.

3.             Hirsch AT, Haskal ZJ, Hertzer NR, et al. ACC/AHA 2005 Practice Guidelines for the management of patients with peripheral arterial disease (lower extremity, renal, mesenteric, and abdominal aortic): a collaborative report from the American Association for Vascular Surgery/Society for Vascular Surgery, Society for Cardiovascular Angiography and Interventions, Society for Vascular Medicine and Biology, Society of Interventional Radiology, and the ACC/AHA Task Force on Practice Guidelines (Writing Committee to Develop Guidelines for the Management of Patients With Peripheral Arterial Disease): endorsed by the American Association of Cardiovascular and Pulmonary Rehabilitation; National Heart, Lung, and Blood Institute; Society for Vascular Nursing; TransAtlantic Inter-Society Consensus; and Vascular Disease Foundation. Circulation 2006; 113:e463.

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal