FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Mulher 52 Anos com Dor Torácica e Dispneia Aguda

Autor:

Rodrigo Antonio Brandão Neto

Médico Assistente da Disciplina de Emergências Clínicas do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP

Última revisão: 10/05/2017

Comentários de assinantes: 0

Paciente com dor torácica e dispneia aguda

 

Paciente de 52 anos de idade, sexo feminino, chega ao departamento de emergência referindo dor torácica em hemitórax esquerdo associada a dispneia de início há 4 horas com piora progressiva. Nega irradiação da dor, outros sintomas associados e relação com esforço/repouso. Tem antecedente de hipertensão arterial sistêmica e obesidade grau 2; usa amlodipina, 10mg/dia.

Ao exame, apresenta: frequência cardíaca (FC), 110BPM; frequência respiratória (FR), 32RPM; pressão arterial (PA), 105x76; Sat, 87?; T, 35,9; ausculta respiratória e cardiovascular com MV+ s/RA; BRNF 2T sem sopros; boa perfusão periférica; pulsos cheios e simétricos em quatro membros; abdome globoso, indolor, RHA+ s/VCM; MID com edema 1+/4+, MIE com edema 3+/4+, com uma diferença de 3,8cm no diâmetro das duas panturrilhas.

Realizou gasometria arterial com achado de pH 7,47 pO2 50 pCO2 21 Bic 25 BE + 0,5 SatO2 85%.

As Figuras 1 e 2 mostram o eletrocardiograma (ECG) e a radiografia de tórax.

 

 

ECG: Eletrocardiograma.

Figura 1 - ECG.

 

 

Figura 2 - Radiografia de tórax.

 

Trata-se de paciente com quadro de dor torácica súbita evoluindo com insuficiência respiratória de rápida progressão do tipo 1, ou seja, hipoxêmica, sem distúrbio ventilatório, o que poderia ocorrer em caso de obesidade. Considerando que a paciente apresenta radiografia de tórax sem infiltrados pulmonares e apenas com leve abaulamento do arco pulmonar, e achados que não conseguem justificar a hipoxemia, a principal hipótese diagnóstica é de tromboembolismo pulmonar.

A paciente evoluiu rapidamente com instabilidade hemodinâmica antes que se pudesse realizar tomografia computadorizada de tórax com protocolo para tromboembolismo; entretanto, uma ultrassonografia doppler point of care na sala de emergência demonstrou taquicardia sinusal e alterações de segmento ST com padrão S1-Q3-T3, as quais são relativamente específicas para tromboembolismo pulmonar.

Apesar da realização de trombólise, a paciente evoluiu para óbito, que na avaliação necroscópica confirmou tromboembolismo pulmonar agudo.

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal