FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Vacina de Vírus Vivos contra Sarampo

Última revisão: 04/04/2010

Comentários de assinantes: 0

>Reproduzido de:>>>>>

>Formulário Terapêutico Nacional 2008: Rename 2006 [>Link Livre para o Documento Original>>]>>>>>

>Série B. Textos Básicos de Saúde>>>>>

>MINISTÉRIO DA SAÚDE>>>>>

>Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos>>>>>

>Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos>>>>>

>Brasília / DF2008>>>>>

>>> >>>>

>>Vacina de Vírus Vivos contra Sarampo>>>>>

>> >>>

>Miriam de Barcellos Falkenberg>>>>>

>>> >>>>

>>Na Rename 2006: item 7.2>>>>>

>>> >>>>

>>SINONÍMIA>>>>>>>

>      >>>Vacina contra sarampo (DCB).>>>>

>>> >>>>

>>APRESENTAÇÃO>>>>>>>

>      >>> para solução injetável.>>>>

>>> >>>>

>>INDICAÇÕES>1,4,5>>>>>>>>

>      >>>Imunização ativa contra sarampo em crianças com 12 a 15 meses de idade, como parte do calendário regular de vacinação, e outras pessoas suscetíveis, inclusive adolescentes que não receberam a segunda dose da vacina na infância.>>>>

>      >>>No controle de epidemias, a imunização pode ser realizada em crianças de 6 a 12 meses consideradas suscetíveis até 3 dias após a exposição.>>>>

>>> >>>>

>>CONTRA-INDICAÇÕES>1,4,5>>>>>>>>

>      >>>Crianças com menos de 6 meses de idade.>>>>

>      >>>Hipersensibilidade a gelatina e ovos ou histórico de anafilaxia com uso de neomicina.>>>>

>      >>>Discrasias sangüíneas ou neoplasias de tecido ósseo ou linfático.>>>>

>      >>>História familiar de imunodeficiência congênita ou hereditária.>>>>

>      >>>Imunodeficiência primária e adquirida (pacientes HIV positivos).>>>>

>      >>>Imunossupressão: pacientes com linfoma, leucemia ou outra neoplasia maligna de medula óssea ou sistema linfático; pacientes em tratamento com corticosteróides alquilantes, antimetabólitos ou radiação não devem ser vacinados com vacinas de vírus vivos.>>>>

>      >>>Febre moderada a grave.>>>>

>>> >>>>

>>PRECAUÇÕES>1,2,4,5,387>>>>>>>>

>      >>>Em caso de histórico de hipersensibilidade a ovos, a validade da realização de testes cutâneos é duvidosa, e o risco de reações alérgicas sérias à vacina parece baixo; evidências de que reações de hipersensibilidade à vacina estejam ligadas principalmente a outros componentes da mesma.>>>>

>      >>>Histórico de hipersensibilidade à neomicina sem reação anafilática geralmente não exclui a possibilidade de vacinação.>>>>

>      >>>História de lesão cerebral, histórico familiar ou individual de convulsões ou condições em que o estresse provocado pela febre deva ser evitado.>>>>

>      >>>Tuberculose ativa e não tratada.>>>>

>      >>>Adiar a vacinação em caso de doença aguda que possa limitar a resposta imune.>>>>

>      >>>Trombocitopenia (pode exacerbar essa condição) ou trombocitopenia associada a dose anterior de vacina: realizar teste imunológico para avaliação da necessidade de dose adicional. Avaliar a relação risco-benefício antes da vacinação.>>>>

>      >>>Em indivíduos com distúrbio de coagulação, a vacina deve ser administrada por injeção subcutânea profunda para evitar sangramento.>>>>

>      >>>Adiar a vacinação por pelo menos 3 meses após transfusão sangüínea.>>>>

>      >>>Pacientes HIV positivos sem evidência de imunidade contra o sarampo podem ser vacinados se não apresentarem sinais de imunossupressão grave (avaliar níveis de CD4). Crianças HIV positivas devem ser vacinadas se a contagem de CD4 estiver aceitável para sua faixa etária, e não apresentarem outras contra-indicações ou sinais clínicos de imunossupressão (especialmente em crianças abaixo de 12 meses a contagem de CD4 não é, isoladamente, considerada um critério seguro para avaliação do >status >imune).>>>>

>      >>>Administração de imunoglobulinas.>>>>

>      >>>Caso 2 vacinas de vírus vivos precisem ser administradas (e não estejam disponíveis em associação), imunizar com ambas no mesmo dia, com seringas distintas e em sítios diferentes do corpo ou manter um intervalo de no mínimo 3 semanas entre uma e outra vacina.>>>>

>      >>>Crianças com doença renal grave e submetidas à hemodiálise (ver apêndice D). >>>>

>      >>>Categoria de risco na gravidez (FDA): C (ver apêndice A).>>>>

>>> >>>>

>>ESQUEMAS DE ADMINISTRAÇÃO>1,2,4,5,387>>>>>>>>

>Observação>>

>      >>>Se álcool ou outro desinfetante for usado na pele, deve-se deixar que o mesmo evapore antes da aplicação da vacina, para evitar a inativação desta.>>>>

>>> >>>>

>Adultos>>

>      >>>0,5 mL, por via subcutânea, preferencialmente na parte externa do antebraço.>>>>

>      >>>Em indivíduos com distúrbio de coagulação, a vacina deve ser administrada por injeção subcutânea profunda para evitar sangramento.>>>>

>>> >>>>

>Crianças e Adolescentes>>

>      >>>0,5 mL, por via subcutânea, preferencialmente na parte externa do antebraço; em crianças pequenas a dose pode ser administrada na porção anterolateral da coxa.>>>>

>      >>>Dose de reforço da vacina contra sarampo deverá ser administrada pelo menos 1 mês após a dose inicial, e preferencialmente antes de a criança ingressar na escola fundamental. Crianças entre 6 e 12 meses que tenham sido vacinadas durante epidemia deverão receber 2 doses de reforço ao invés de apenas uma. A dose reforço pode ser da vacina monovalente contra sarampo ou da vacina combinada.>>>>

>      >>>Crianças HIV positivas devem receber uma dose extra da vacina aos 6 meses e a dose regular do esquema da vacinação primária preferencialmente assim que completarem 9 meses.>>>>

>>> >>>>

>>ASPECTOS FARMACOCINÉTICOS CLINICAMENTE RELEVANTES>4>>>>>>>>

>      >>>Início da ação: o efeito imune se estabelece por volta da segunda semana após a vacinação.>>>>

>      >>>Duração da ação: o efeito imune permanece, sem substancial redução, por pelo menos 13 anos.>>>>

>>> >>>>

>>EFEITOS ADVERSOS>1,4,5>>>>>>>>

>      >>>>Rash >>(5%).>>>>

>      >>>Diarréia (mais freqüentes).>>>>

>      >>>Tontura (mais freqüentes), cefaléia (mais freqüentes), encefalopatia (raros), ataxia (raros),encefalite (raros),síndrome de Guillain-Barré (raros), convulsões (raros), convulsão febril (raros), febre (5 a 15%).>>>>

>      >>>Trombocitopenia (raros).>>>>

>      >>>Anafilaxia (raros), síndrome de Stevens-Johnson (raros).>>>>

>      >>>Visão dupla (raros).>>>>

>      >>>Linfadenopatia (raros).>>>>

>      >>>Inchaço intenso (raros) e.>>>>

>      >>>Dor intensa no local da injeção (raros).>>>>

>>> >>>>

>>INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS>1,4,5,387>>>>>>>>

>      >>>Imunoglobulinas: administrar a vacina 2 a 3 semanas (imunoglobulina anti-D, 4 semanas) antes ou 3 a 11 meses após o uso de imunoglobulinas, que estas podem reduzir a resposta imune à vacina (por até mais de três meses). Em caso de necessidade, por exposição iminente, pode-se administrar simultaneamente com imunoglobulina, mas em sítio distante daquele onde a imunoglobulina foi aplicada, mas a resposta imune pode ficar prejudicada, recomendando-se o monitoramento sorológico e a repetição da vacina, se necessário. Caso a administração de imunoglobulina se tornar necessária antes de transcorridos 14 dias da vacinação contra sarampo, esta deverá ser repetida, observando-se os intervalos mencionados acima (a menos que avaliação sorológica comprove que houve produção de imunidade).>>>>

>      >>>Agentes imunossupressores, incluindo corticóides sistêmicos por mais de 14 dias (crianças: 2 mg prednisolona/kg/dia ou equivalente por mais de 1 semana, ou a metade desta dose por mais de 1 mês), citostáticos e radioterapia: podem potenciar a replicação do vírus da vacina, aumentar o risco de efeitos adversos e/ou diminuir a resposta imune. O tempo necessário para recuperação do sistema imune pode variar amplamente, conforme o agente, a dose e a condição do paciente. Como regra geral, vacinas com vírus vivos não devem ser administradas em pacientes em remissão antes de transcorridos no mínimo 3 meses do término da quimioterapia. O uso de corticóides como terapia de reposição em insuficiência adrenal ou por via tópica ou intra-articular não se configura como contra-indicação à vacinação.>>>>

>      >>>Prova tuberculínica: sensibilidade à prova tuberculínica pode ser temporariamente reduzida a partir de 4 a 7 dias após a vacinação; o teste pode ser realizado antes ou simultaneamente à vacinação contra sarampo ou então apenas 4 a 6 semanas após a mesma.>>>>

>      >>>Testes cutâneos: a sensibilidade a antígenos em testes cutâneos pode ser temporariamente reduzida, por períodos variáveis, dependendo do tipo de antígeno testado.>>>>

>>> >>>>

>>ORIENTAÇÕES AOS PACIENTES>1,4,5>>>>>>>>

>      >>>As pacientes deverão ser orientadas a evitar gravidez por pelo menos 28 dias após a vacinação (segundo o fabricante, o cuidado deve ser mantido por 3 meses).>>>>

>      >>>A vacinação é compatível com a lactação.>>>>

>      >>>A segunda dose da vacina deve ser administrada após pelo menos 30 dias da vacinação primária.>>>>

>      >>>Intervalo deve ser observado entre a vacinação e a administração de imunoglobulinas ou outros produtos derivados de sangue.>>>>

>      >>>Testes cutâneos (inclusive prova tuberculínica) podem apresentar reatividade reduzida.>>>>

>      >>>Febre e reações cutâneas podem manifestar-se 5 a 12 dias após a vacinação e persistir por vários dias.>>>>

>>> >>>>

>>ASPECTOS FARMACÊUTICOS>4,5>>>>>>>>

>      >>>O produto na forma liofilizada, o diluente e a forma reconstituída da vacina devem ser conservados sob refrigeração, entre 2 e 8 ºC, a menos que especificado pelo fabricante de outra maneira. Durante o transporte, o produto eventualmente poderá ser congelado.>>>>

>      >>>Diluentes acondicionados como dose unitária poderão, alternativamente, ser conservados entre 15 e 30 ºC. Tanto o produto liofilizado, como o reconstituído, deverão ser protegidos da luz.>>>>

>      >>>Para reconstituir a vacina, injetar o diluente no frasco contendo o liofilizado e agitar bem. O produto reconstituído deve ser amarelo-claro, não devendo ser usado caso se apresente incolor.>>>>

>      >>>Refrigerar a vacina reconstituída e conservá-la em local escuro, devendo ser utilizada em até 8 horas.>>>>

>      >>>A seringa a ser utilizada deve ser estéril e isenta de desinfetantes e anti-sépticos, pois os mesmos podem inativar a vacina. Reconstituir apenas com o diluente fornecido pelo fabricante.>>>>

>> >>>

>>SOBRE OS DIREITOS AUTORAIS DO DOCUMENTO>>>>>>>

>Consta no documento:>>>>

>Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para venda ou qualquer fim comercial.”>>>>

>O objetivo do site MedicinaNet e seus editores é divulgar este importante documento. Esta reprodução permanecerá aberta para não assinantes indefinidamente.>>>>

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal

×

Em função da pandemia do Coronavírus informamos que não estaremos prestando atendimento telefônico temporariamente. Permanecemos com suporte aos nossos inscritos através do e-mail info@medicinanet.com.br.