FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Sulfato de Magnésio

Última revisão: 07/04/2010

Comentários de assinantes: 0

>Reproduzido de:>>>>>

>Formulário Terapêutico Nacional 2008: Rename 2006 [>Link Livre para o Documento Original>>]>>>>>

>Série B. Textos Básicos de Saúde>>>>>

>MINISTÉRIO DA SAÚDE>>>>>

>Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos>>>>>

>Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos>>>>>

>Brasília / DF2008>>>>>

>>> >>>>

>>Sulfato de Magnésio>>>>>

>> >>>

>Larissa Niro>>>>>

>>> >>>>

>>Na Rename 2006: itens 9, 11, 12.1 e 15.6>>>>>

>>> >>>>

>>APRESENTAÇÕES>>>>>>>

>      >>> para solução oral 30 g>>>>

>      >>>Solução injetável 50% (4,05 mEq Mg>++>/mL)>>>>

>      >>>Solução injetável 10% (0,81 mEq Mg>++>/mL);>>>>

>>> >>>>

>>INDICAÇÕES>1,2,4,5>>>>>>>>

>      >>>Constipação intestinal (forma oral).>>>>

>      >>>Prevenção de convulsões recorrentes em eclâmpsia.>>>>

>      >>>Prevenção de desenvolvimento de eclâmpsia em mulheres com pré-eclâmpsia grave.>>>>

>      >>>Tratamento e profilaxia de hipomagnesemia.>>>>

>>> >>>>

>>CONTRA-INDICAÇÕES>2,5>>>>>>>>

>      >>>Bloqueio cardíaco e miocardiopatias (administração parenteral).>>>>

>      >>>Condições gastrintestinais agudas (administração oral).>>>>

>>> >>>>

>>PRECAUCÕES>1,2,4,5,6>>>>>>>>

>      >>>Insuficiência renal (ver apêndice D).>>>>

>      >>>Evitar no coma hepático associado à insuficiência renal.>>>>

>      >>>A co-administração com sais de alumínio pode levar ao aumento pela toxicidade por este sal quando utilizado em pacientes com insuficiência renal ou em neonatos prematuros.>>>>

>      >>>Não utilizar por via oral em pacientes com obstrução intestinal, colostomizados ou ileostomizados.>>>>

>      >>>Miastenia grave.>>>>

>      >>>Para controle de hipomagnesemia, administrar preferencialmente por infusão intravenosa, pois a injeção intramuscular produz dor local.>>>>

>      >>>Para controle de hipomagnesemia, administrar inicialmente por dispositivo de infusão controlado; monitorar para sinais de toxicidade pelo magnésio.>>>>

>      >>>Categoria de risco na gravidez (FDA): A (ver apêndice A)>.>>>>>

>>> >>>>

>>ESQUEMAS DE ADMINISTRAÇÃO>1,2,4,5>>>>>>>>

>Adultos>>

>>Constipação Intestinal>>>>>>>

>      >>>5 a 10 g, em um copo de água, preferivelmente antes do café da manhã.>>>>

>      >>>O limite de dose para adultos é de 40 g (320 mEq [160 mmol] de magnésio)/dia.>>>>

>>> >>>>

>>Pré-eclâmpsia>>>>>>>

>      >>>Dose inicial: 4 g (solução 50%), por via intravenosa, por 5 a 15 minutos, seguidos de infusão intravenosa, na velocidade de 1 g/hora, administrada durante 24 horas, ou>>>>

>      >>>5 g (solução 50%), por via intramuscular profunda, em cada glúteo; seguidos de 5 g, por via intramuscular profunda, a cada 4 horas, em nádegas alternadas, durante 24 horas.>>>>

>      >>>Se ocorrer convulsão, administrar 2 g, por injeção intravenosa.>>>>

>>> >>>>

>>Eclâmpsia>>>>>>>

>      >>>Dose inicial: 4 g (solução 50%), por via intravenosa, por 5 a 15 minutos, seguidos de infusão intravenosa, na velocidade de 1 g/hora, administrada durante 24 horas depois da última convulsão, ou>>>>

>      >>>10 g (solução 50%), por via intramuscular profunda, sendo 5 g cada glúteo; seguidos de 5 g, por via intramuscular profunda, a cada 4 horas, em nádegas alternadas, durante 24 horas depois da última convulsão.>>>>

>      >>>Convulsões recorrentes podem requerer injeção intravenosa adicional de 2 g (4 g se o peso corporal for superior a 70 kg).>>>>

>> >>>

>>Hipomagnesemia>>>>>>>

>      >>>Em hipomagnesemia moderada: 1 g (solução 10%), por via intramuscular profunda, alternando o local de aplicação, a cada 6 horas em 24 horas.>>>>

>      >>>Em hipomagnesemia grave: 5 g (solução 10%), por infusão intravenosa, diluídos em 1 L de solução de glicose 5% ou cloreto de sódio 0,9%, durante 3 horas, à velocidade de 3 mL/minuto, ou>>>>

>      >>>250 mg/kg (solução 10%), por injeção intramuscular profunda, alternando o local de aplicação, a cada 4 horas.>>>>

>      >>>Para manutenção de níveis séricos de magnésio em terapia de nutrição parenteral: 1 a 3 g (8 a 24 mEq ou até 12 mmol/dia) devem ser adicionados às soluções administradas diariamente.>>>>

>>> >>>>

>Crianças>>

>>Hipomagnesemia>>>>>>>

>      >>>Neonatos: 25 a 50 mg/kg, por via intravenosa, a cada 8 a 12 horas.>>>>

>      >>>Lactentes (manutenção de magnésio): 0,25 a 1,25 g (2 a 10 mEq)/dia, adicionados à terapia de nutrição parenteral.>>>>

>      >>>Crianças: 25 a 50 mg/kg, por via intravenosa, a cada 4 a 6 horas ou 100 a 200 mg/kg, por via oral, 4 vezes ao dia. Dose máxima: 2.000 mg.>>>>

>> >>>

>>Administração (Sulfato de Magnésio a 50%)>>>>>>>

>      >>>Para injeção intravenosa, diluir uma parte de solução de sulfato de magnésio a 50% em 1,5 partes de água para injeção; concentração final de 20%).>>>>

>      >>>A velocidade de administração intravenosa não deve exceder 1 g/minuto.>>>>

>      >>>Para injeção intramuscular, misturar a solução de sulfato de magnésio a 50% com 1 mL de solução de lidocaína a 2% sem vasoconstritor.>>>>

>      >>>Uma solução intravenosa de um sal de cálcio (por exemplo, gliconato de cálcio 10%) deve estar prontamente disponível quando sulfato de magnésio é administrado por via parenteral.>>>>

>>> >>>>

>>ASPECTOS FARMACOCINÉTICOS CLINICAMENTE RELEVANTES>5>>>>>>>>

>      >>>Não é bem absorvido no trato gastrintestinal, pelo que é usado como laxativo osmótico.>>>>

>      >>>Tem excreção renal preponderante e proporcional às concentrações plasmáticas e à filtração glomerular; magnésio é dialisável.>>>>

>> >>>

>>EFEITOS ADVERSOS>1,2,5>>>>>>>>

>      >>>Sinais de hipermagnesemia: náuseas, vômitos, irritação gástrica, sede, cólicas intestinais, diarréia se administrado por via oral, vermelhidão da pele.>>>>

>      >>>Anormalidades no ECG, bloqueio cardíaco, parada cardíaca, hipotensão, vasodilatação.>>>>

>      >>>Distúrbios da coagulação com aumento do tempo de sangramento.>>>>

>      >>>Hiporreflexia, fraqueza muscular.>>>>

>      >>>Depressão do SNC, sonolência, confusão, diplopia, fala arrastada, coma.>>>>

>      >>>Depressão respiratória.>>>>

>      >>>Reações de hipersensibilidade, como urticária (administração intravenosa).>>>>

>>> >>>>

>>INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS>5,6>>>>>>>>

>      >>>Bloqueadores de canais de cálcio, usados concomitantemente, podem levar a aumento da hipotensão. Monitorar a pressão arterial ou suspender a terapia conjunta.>>>>

>      >>>Bloqueadores neuromusculares: pode ocorrer aumento do bloqueio neuromuscular quando sulfato de magnésio é administrado por via parenteral. Pode ser necessário ajustar a dose dos bloqueadores neuromusculares.>>>>

>      >>>Tetraciclinas podem ter sua absorção reduzida. Distanciar os horários de tomada dos fármacos.>>>>

>      >>>Bifosfonatos podem ter sua absorção reduzida. Distanciar os horários de tomada dos fármacos.>>>>

>> >>>

>>ORIENTAÇÕES AO PACIENTE>4>>>>>>>>

>      >>>Orientar para notificar o surgimento de alergia ao magnésio, tonturas, diarréia intensa.>>>>

>      >>>Alertar para suspender o uso se ocorrerem cólicas estomacais, náusea, vômito ou escurecimento das fezes.>>>>

>> >>>

>>ASPECTOS FARMACÊUTICOS>4-6>>>>>>>>

>      >>>As soluções injetáveis de sulfato de magnésio heptaidratado devem ser armazenadas a temperaturas de 15 a 30°C e protegidas da luz; evitar o congelamento.>>>>

>      >>>Cada grama de sulfato de magnésio heptaidratado corresponde aproximadamente a 98 mg, 4,1 mmol ou 8,12 mEq de magnésio elementar. Cada 10,1 g de sulfato de magnésio anidro é equivalente a aproximadamente 1 g de magnésio.>>>>

>      >>>A formação de precipitados e outras alterações físico-químicas podem ocorrer quando o sulfato de magnésio é misturado com soluções contendo: álcool (em grandes concentrações), carbonatos e hidróxidos, arsenatos, bário, cálcio, fosfato de clindamicina, metais pesados, succinato sódico de hidrocortisona, fosfatos, anfotericina B, ciclosporina, azatioprina sódica, sulfato de polimixina B, cloridrato de dobutamina, pantoprazol sódico, cefalosporinas, fenitoína sódica, cloridrato de procaína, salicilatos, estrôncio e tartaratos. O potencial de incompatibilidade é influenciado freqüentemente por mudanças na concentração dos reagentes e no pH das soluções.>>>>

>      >>>Pode ocorrer separação de emulsões gordurosas para nutrição parenteral quando as concentrações de magnésio forem superiores a 20 mEq/mL.>>>>

>> >>>

>>SOBRE OS DIREITOS AUTORAIS DO DOCUMENTO>>>>>>>

>Consta no documento:>>>>

>Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para venda ou qualquer fim comercial.”>>>>

>O objetivo do site MedicinaNet e seus editores é divulgar este importante documento. Esta reprodução permanecerá aberta para não assinantes indefinidamente.>>>>

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal