FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Como Usar os Medicamentos

Descrevemos os cuidados gerais de administração para as principais formas de apresentação dos medicamentos. Alguns medicamentos porém são acompanhados de orientações particulares de administração. Leia sempre as instruções que acompanham as embalagens dos produtos.

 

USO ORAL (pela boca):

COMPRIMIDO, CÁPSULA ou DRÁGEA

São geralmente tomados com um copo cheio de água. Outros tipos de bebida, como sucos ou refrigerantes, só devem ser utilizados se explicitamente recomendados pelo fabricante do produto. Produto sólido (comprimido, drágea ou cápsula) não deve ser aberto, partido nem mastigado, exceto quando permitido e instruído pelo Laboratório fabricante.

 

PÓ ORAL

Deve ser preparado antes de ser ingerido. O pó não deve ser colocado diretamente na boca.

 

MEDICAMENTO DE LIBERAÇÃO PROLONGADA

Também denominado retard, de ação prolongada, e outros nomes que muitas vezes se prestam a confusões. Medicamento de liberação prolongada não deve ser partido, aberto ou mastigado e não está indicado para criança.

 

COMPRIMIDO SUBLINGUAL

•colocar o comprimido embaixo da língua e fechar a boca.

•procurar reter a saliva na boca, sem engolir, até que o comprimido se dissolva completamente. Se após alguns minutos o paciente sentir um gosto amargo é sinal que o comprimido ainda não foi completamente absorvido e deve permanecer retendo a saliva por mais algum tempo; após a completa dissolução do medicamento, engolir a saliva e só então beber água.

•não fumar, comer ou chupar balas enquanto a medicação estiver sendo dissolvida.

 

SOLUÇÃO ORAL ou XAROPE

São apresentações líquidas, prontas para uso.

A solução oral e xarope não precisam ser agitados antes da administração. Lembrar que xarope é uma solução oral concentrada em açúcar.

 

SUSPENSÃO ORAL

É uma apresentação que deixada em repouso deixa visível partículas misturadas no líquido ou que se depositam no fundo do frasco. A suspensão pode vir pronta ou pode trazer apenas o frasco com o pó e instruções para a sua preparação.

Antes da administração, o frasco com a suspensão deve ser bem agitado para que as partículas se misturem com o líquido.

 

PRINCIPAIS MEDIDAS PARA LÍQUIDOS DE USO ORAL

Os produtos líquidos (também os pós para preparo de suspensões) geralmente vêm acompanhados de uma das seguintes medidas:

 

COLHER-DE-CHÁ

É uma medida igual a 5 mL (cinco mililitros).

ATENÇÃO: não devemos confundir essa medida COLHER-DE-CHÁ (5 mL) ou mesmo COLHER-DE-SOPA (15 mL) ou COLHER-DE-CAFÉ (2 mL) com as colheres que são utilizadas no ambiente doméstico. As colheres caseiras são de tamanhos diversos e não devem ser utilizadas como medidas de medicamentos.

 

COPO-MEDIDA

Vem geralmente com capacidade de 10 mL, com subvivisões marcadas. Vale alertar que muitas vezes os laboratórios incluem copos com capacidades diferentes (5 mL; 7,5 mL; 15 mL).

 

SERINGA DOSEADORA

Uma seringa normal (sem agulha) com marcas identicando mL e frações de mL. Deve-se tomar cuidado com as seringas doseadoras que muitas vezes vêm acompanhadas de uma tampinha no bico. Essa tampinha, por medida de segurança, não deveria existir e deve ser descartada de imediato; se deixada ao alcance das crianças, ou se for inadvertidamente recolocada no bico da seringa, antes da administração da dose, pode ser introduzida sob pressão para a garganta da criança e aspirada para a via respiratória causando sufocamento.

Vale lembrar que algumas dessas seringas são específicas para determinado medicamento, não servindo como medida para outro medicamento.

 

USO LOCAL – ORAL

SPRAY PARA GARGANTA

•abrir bem a boca e apertar o spray, procurando atingir toda a parede da garganta.

•fechar a boca e procurar não engolir a saliva durante 1 ou 2 minutos.

•só beber água após um bom tempo. Quanto mais a medicação permanecer em contato com a garganta, melhor será o seu efeito.

 

USO RETAL (pelo ânus)

SUPOSITÓRIO

Procedimento para introdução do supositório:

•lavar bem as mãos.

•deitar de lado na cama para o lado esquerdo, dobrando o joelho direito, mantendo a perna direita flexionada e a esquerda estirada.

•retirar o supositório da embalagem e colocá-lo no ânus, empurrando-o o mais profundamente possível.

•permanecer deitado por mais alguns minutos após a colocação do supositório, procurando retê-lo no intestino

por, pelo menos, uma hora.

Alguns supositórios vêm com a recomendação de serem guardados na geladeira. Nesses casos, manter o produto bem embalado e em local de difícil acesso às crianças. O ideal é guardar o produto em local seguro, fora da geladeira e longe do calor. No momento de usar, se o produto estiver com uma consistência mole, colocá-lo por alguns minutos no congelador ou dentro de um copo com água bem gelada (sem retirá-lo da embalagem), até que adquira novamente uma consistência firme.

 

ENEMA

Auto-administração

•deitar de costas sobre a cama ou outra superfície capaz de propiciar uma posição confortável.

•levantar ambas as pernas, flexionando os joelhos em direção ao peito.

•manter o braço esquerdo estirado ao longo do corpo (pessoas canhotas devem inverter a posição, mantendo o braço direito estirado ao longo do corpo).

•introduzir a cânula do aplicador no reto, como se sua ponta fosse em direção ao umbigo.

•acionar o mecanismo do aplicador até que todo o seu conteúdo seja transferido para o intestino.

•permanecer deitado de costas até sentir forte vontade de evacuar (geralmente de 2 a 5 minutos).

Administração com ajuda de outra pessoa - pode ser feita em 2 posições:

POSIÇÃO No 1: deitar na cama sobre o lado esquerdo do corpo mantendo o joelho direito flexionado em direção ao peito e a perna esquerda estirada. Os braços devem ficar relaxados, apoiados sobre a cama.

POSIÇÃO No 2: ajoelhar-se sobre a cama e, em seguida, encostar o lado esquerdo do rosto no colchão, apoiando os cotovelos, antebraços e mãos sobre o mesmo. A posição é como se a pessoa estivesse ajoelhada de bruços. Para qualquer das duas posições, vale o procedimento a seguir:

•introduzir a cânula do aplicador no reto.

•acionar o mecanismo do aplicador até que todo o seu conteúdo seja transferido para o intestino.

•retirar a cânula do reto.

•permanecer deitado de costas até sentir forte vontade de evacuar (geralmente de 2 a 5 minutos).

 

USO VAGINAL

ÓVULO – CÁPSULA – COMPRIMIDO – SUPOSITÓRIO

•lavar bem as mãos.

•remover a embalagem do medicamento.

•colocar o medicamento no aplicador.

•deitar na cama de barriga para cima, com os joelhos dobrados e as plantas dos pés apoiadas na cama.

•introduzir o aplicador na vagina tão profundamente quanto possível, mas sem fazer força.

•empurrar o êmbolo do aplicador lentamente deixando o produto dentro da vagina.

•os produtos geralmente trazem aplicadores descartáveis que devem ser jogados no lixo após seu uso. Caso seja necessário, lavar o aplicador com água morna e sabão, enxaguando-obem; quando seco, colocá-lo dentro da caixa do produto.

 

POMADA VAGINAL ou CREME VAGINAL

•ler as instruções de uso que acompanham a embalagem do produto.

•encher o aplicador com o medicamento.

•deitar na cama de barriga para cima, mantendo os joelhos dobrados e as plantas dos pés apoiadas na cama.

•introduzir o aplicador na vagina tão profundamente quanto possível, mas sem fazer força.

•empurrar o êmbolo do aplicador até o fim para que todo o produto passe para a vagina.

•retirar o aplicador e ficar na posição deitada por alguns minutos.

•os produtos geralmente trazem aplicadores descartáveis que devem ser jogados no lixo após seu uso. Caso seja necessário, lavar o aplicador com água morna e sabão, enxaguando-obem; quando seco, colocá-lo dentro da caixa do produto.

 

USO NASAL

GOTAS NASAIS

•assoar o nariz e enxugá-lo com um lenço.

•sentar e inclinar a cabeça para trás; colocar nas narinas o número de gotas prescrito pelo profissional, procurando não encostar o aplicador dentro do nariz.

•continuar com a cabeça inclinada para trás durante alguns segundos.

•voltar à posição normal, inspirando profundamente por 2 ou 3 vezes.

•lavar cuidadosamente o bico conta-gotas.

 

SPRAY NASAL

•assoar o nariz e enxugá-lo com um lenço.

•manter a cabeça na posição vertical, sem incliná-la para trás.

•retirar a tampa do frasco e colocar o aplicador na narina procurando não encostá-lo nas paredes do nariz.

•apertar o spray, manter o dedo apertando o spray até retirar o frasco do nariz (para evitar que as bactérias e o muco do nariz penetrem eventualmente no frasco) e aspirar o ar pelo nariz.

•repetir o procedimento anterior pelo número de vezes indicado pelo profissional.

•repetir a operação na outra narina.

•após a aplicação, inspirar profundamente por 2 ou 3 vezes.

•tampar o frasco do produto.

 

ATENÇÃO:

•as gotas nasais ou o spray são geralmente usados por 2 ou 3 dias. No caso de prescrição mais longa, não utilizar o conteúdo do mesmo frasco (gotas ou spray) por mais de 1 semana, pois as bactérias do nariz contaminam facilmente o produto; comprar nova embalagem.

•nunca utilizar medicação que tenha sido usada por outra pessoa, nem guardar sobras para uso posterior.

 

USO OFTÁLMICO (nos olhos)

COLÍRIO ou POMADA OFTÁLMICA

•lavar as mãos.

•deitar (ou sentar, colocando a cabeça bem inclinada para trás).

•puxar a pálpebra inferior para baixo, usando o dedo indicador.

•pingar o colírio (ou colocar a pomada oftálmica) sem encostar o aplicador nos olhos, usando as quantidades recomendadas pelo profissional.

•fechar os olhos devagar. Tentar não ficar piscando.

•após pingar o colírio e fechar os olhos, colocar o indicador de cada mão no canto dos olhos que fica próximo ao nariz, fazendo uma ligeira pressão durante 1 a 2 minutos. Esse procedimento evita que o medicamento escorra para os canais que comunicam os olhos com o nariz e a garganta, tornando a medicação mais efetiva e impedindo que ela seja absorvida pelo organismo, o que poderia aumentar os riscos de efeitos adversos.

•após colocar a pomada e fechar os olhos, movimentar o globo ocular em círculos, ou de um lado para o outro, a fim de espalhar bem o produto por toda a sua superfície.

•limpar a área externa dos olhos com um lenço ou um pedaço de gaze.

•lavar as mãos para remover possíveis resíduos do produto.

 

ATENÇÃO:

•antes de aplicar um produto, verificar o prazo de validade. Nunca utilizar medicamento com prazo de validade vencido. Verificar se o colírio não apresenta partículas em suspensão e se sua cor não está alterada. Muitos profissionais recomendam apenas uma gota em cada olho porque o saco conjuntival parece mesmo não comportar mais do que 1 gota. Isto pode ser muito importante considerando que alguns colírios são bastante caros.

•quando dois ou mais produtos são receitados para os olhos, fazer um intervalo de pelo menos 5 minutos entre a aplicação de cada um deles.

•se a aplicação do colírio com os olhos abertos (como descrito acima) for difícil, principalmente em crianças ou pacientes que tenham forte reflexo de piscar os olhos, o produto pode ser aplicado com os olhos fechados. Nesse caso o paciente deve deitar, fechar os olhos e pingar o colírio no canto interno do olho, abrindo-o em seguida, para que o produto penetre no saco conjuntival por ação da gravidade. Utilizar o mesmo procedimento para o outro olho. Cabe lembrar que a pálpebra deve estar limpa e seca para evitar que o colírio carregue material estranho para o saco conjuntival.

•se o paciente tiver que utilizar colírio e pomada oftálmica num mesmo tratamento, pingar primeiro o colírio e após 5 minutos fazer uso da pomada. Nunca inverter a ordem, uma vez que a pomada adere à superfície ocular promovendo uma barreira que impediria o contato do colírio com a área a ser tratada.

•manter os frascos de colírio e as bisnagas de pomada sempre bem fechados.

 

USO ÓTICO (nos ouvidos)

GOTAS PARA OUVIDO

•lavar as mãos.

•sentar e inclinar a cabeça para o lado - ou deitar - deixando o ouvido afetado para cima.

•segurar o lóbulo da orelha (a ponta da orelha) e puxá-lo delicadamente para cima e para trás (em adultos), a fim de permitir que o produto chegue mais facilmente ao canal auditivo. Em crianças o lóbulo da orelha deve ser puxado para baixo e para trás.

•pingar o número de gotas prescrito pelo profissional, tomando o cuidado para não encostar o aplicador no conduto auditivo para evitar contaminação do aplicador.

•procurar permanecer pelo menos 1 a 2 minutos com a face do ouvido para cima para que o produto atinja o fundo do conduto auditivo.

•não lave o aplicador com água, apenas o limpe com um tecido limpo e o guarde na caixa do medicamento, fechando bem a embalagem.

 

ATENÇÃO:

•antes de usar o produto pode-se esfregar o frasco com as palmas das mãos até atingir a temperatura do corpo.

•não colocar o frasco do medicamento em “banho-maria” ou em água quente, pois a alta temperatura pode alterar as propriedades da medicação e causar queimaduras ao ser aplicada.

 

USO TÓPICO (na pele)

POMADA ou CREME

•lavar as mãos e a região onde o produto vai ser aplicado, secando-as bem.

•colocar a quantidade prescrita de pomada ou creme.

•fazer uma massagem delicada na pele, até o completo desaparecimento da medicação (no caso dos cremes) ou até que o produto tenha sido bem espalhado sobre a superfície da pele a ser tratada (pomadas não desaparecem, deixando o local engordurado).

 

ATENÇÃO:

•cremes são produtos não oleosos. Devem ser preferidos para uso no couro cabeludo, em outras áreas da pele que apresentem pêlos ou em lesões úmidas.

•pomadas devem ser escolhidas para locais onde a pele estiver seca e íntegra.

•cremes e pomadas, quando utilizados corretamente, exercem seus efeitos no local da lesão. O uso em quantidades exageradas, ou por tempo prolongado, aumenta o risco de reações adversas.

•não se deve colocar curativos ou bandagens sobre a região a ser tratada ( só colocar se houver determinação expressa pelo profissional ).

•quando recomendado pelo profissional, pode-se usar uma folha de filme plástico transparente (o mesmo usado para embrulhar alimentos) sobre a região tratada. Não deixar o filme plástico por mais tempo do que o recomendado; o uso prolongado pode causar exagerada absorção que pode levar a reações adversas.

•jamais usar filmes plásticos sobre lesões úmidas que minem líquidos como acontece com as feridas.

 

SPRAY TÓPICO ou AEROSSOL TÓPICO

•antes da aplicação, agitar bem a embalagem do produto (a não ser que na embalagem seja dito o contrário).

•segurar a embalagem a 12 ou 15 cm de distância do local lesionado.

•apertar a válvula do spray (ou o liberador do aerossol) por alguns segundos e logo soltá-los.

ATENÇÃO:

•nunca usar esse tipo de medicação na pele do rosto ou perto dos olhos, pois o contato com as mucosas ou com os olhos é muito doloroso e causa danos à vista.

•sprays e aerossóis em contato com a pele provocam uma sensação gelada.

 

ADESIVO TRANSDÉRMICO

•ler todas as instruções dos fabricantes. Existem informações particularizadas face a grande variedade de produtos existentes no mercado.

•escolher o local onde o adesivo vai ser colocado, dando preferência a regiões não sujeitas à movimentação excessiva (parte superior do tórax, barriga, nádegas ou mesmo a região superior do braço) e que não tenham pêlos. Se houver necessidade, raspar os pêlos antes de colocar o adesivo. A região não poderá estar ferida, inflamada ou irritada.

•lavar e secar cuidadosamente o local escolhido.

•retirar o produto da embalagem e colocá-lo sobre a pele, sem tocar na parte adesiva.

•pressionar o lado adesivo fortemente sobre a pele, mantendo a pressão durante 10 a 20 segundos.

•uma vez colocado o adesivo, não tentar destacá-lo, mantendo-o pelo tempo recomendado pelo profissional e/ou orientado pelo fabricante.

•após o tempo recomendado de uso, retirar o adesivo, dobrando-o ao meio e embalando-o bem antes de jogá-lo no lixo, evitando que seja manipulado por crianças ou por animais, uma vez que pode ser tóxico para ambos.

•ao retirar o adesivo, se restar um pouco do produto na pele, removê-lo com um algodão embebido em álcool.

•ao aplicar um novo adesivo, escolher um novo local. Aguardar vários dias para colocar novamente o produto sobre uma região já utilizada.

 

ATENÇÃO:

• mulheres não devem colocar o adesivo sobre as mamas.

•o ideal é colocar o adesivo pela manhã, após o banho. O adesivo geralmente não é afetado por banhos seguintes e não se descola.

•se por qualquer motivo o adesivo descolar, retire-o (descarte-o adequadamente) e aplique novo adesivo em outro local da pele.

•se o paciente notar o aparecimento de vermelhidão ou irritação no local da aplicação, procurar o profissional.

•jamais fazer saunas com o adesivo na pele. O calor pode provocar uma absorção rápida e total do produto, podendo levar a reações graves e até fatais, dependendo do produto.

 

INALAÇÃO ORAL

É muito difícil não se confundir com tantos nomes e siglas que os laboratórios utilizam para os seus produtos de inalação oral.

São geralmente broncodilatadores ou antialérgicos que estão no mercado com diversos nomes como Sprays para inalação, Pós para nebulização, Cápsulas para nebulização, Tubos para aerossolterapia, etc. Todos esses nomes se prestam a inúmeras confusões, agravadas ainda quando incorporam siglas importadas.

Independente do nome escolhido pelo Laboratório para designar o mecanismo de aplicação do seu produto, inalação significa levar (respirar) um medicamento para os pulmões. Se isso é feito através da boca a inalação é denominada inalação oral. Não importa se o produto é administrado via spray, aerossol ou nebulização, o nome do procedimento é inalação oral.

Siga as instruções do fabricante para cada forma de apresentação.

 

MEDICAMENTO INJETÁVEL – PREPARAÇÃO

PÓ PARA INJEÇÃO

O pó para injeção permite repassar dois conceitos que são universalmente confundidos: RECONSTITUIÇÃO e DILUIÇÃO de medicamentos. Esses dois termos são confundidos em bulas de fabricantes, em tratados de farmacologia e até mesmo em farmacopéias respeitadas. Quando esses dois termos são confundidos, todos os dados de estabilidade dos produtos caem por terra.

 

RECONSTITUIÇÃO

Significa fazer o produto que se quer injetar retornar à sua forma original líquida. Assim, reconstituímos os pós para injeção e isso é feito geralmente adicionando-se Água Estéril para Injeção ao frasco que contém o pó (outras vezes, desde que autorizados pelo fabricante, podemos também adicionar Solução Bacteriostática, Cloreto de Sódio 0,9% ou Glicose 5%).

 

DILUIÇÃO

significa diminuir a concentração de um produto que já era uma líquido injetável, uma suspensão injetável ou um pó que foi previamente reconstituído para a forma líquida. Fazemos a diluição de um medicamento-segundo as orientações do fabricante, adicionando Cloreto de Sódio 0,9%, Glicose 5% ou outro diluente indicado.

Quando um medicamento em pó é preparado com bolsa especial de diluente contendo spike (agulha plástica acoplada à bolsa) para uso como Sistema Fechado de Infusão Intravenosa, a reconstituição e a diluição desse medicamento são feitas simultaneamente.

 

SOLUÇÃO INJETÁVEL

Líquido pronto para uso ou de uso após diluição.

 

SOLUÇÃO CONCENTRADA ou SUSPENSÃO CONCENTRADA

Estas apresentações não podem ser administradas diretamente, exigindo diluição anterior.

 

MEDICAMENTO INJETÁVEL – ADMINISTRAÇÃO

As principais vias de administração de medicamentos injetáveis são: a intramuscular, a intravenosa direta, a infusão intravenosa e a subcutânea.

 

INJEÇÃO INTRAMUSCULAR (IM)

•seguir sempre as instruções de preparação da injeção fornecidas pelo fabricante.

•lavar as mãos.

•limpar a área da aplicação com um algodão embebido em álcool a 70%

•nos adultos aplicar de preferência nas nádegas (quadrante superior externo); em lactentes, ou crianças menores pode-se utilizar a face lateral externa das coxas.

•encher a seringa com o medicamento (alguns medicamentos já vêm embalados em seringas).

•dar a picada no local programado, introduzindo profundamente a agulha.

•antes de injetar o produto, puxar o êmbolo da seringa para trás, a fim de verificar se a agulha não atingiu nenhum vaso sanguíneo. Se aparecer sangue na seringa, ou se a cor do produto sofrer alteração, retirar a agulha e injetar em outro local, tendo o cuidado de repetir a operação, para saber se nenhum vaso sanguíneo foi atingido.

•aplicar a injeção lentamente.

•retirar o conjunto de agulha e seringa e descartá-los em recipientes apropriados.

•fazer pressão por alguns instantes no local da injeção, com um algodão embebido em álcool a 70%.

 

ATENÇÃO:

•usar sempre seringas e agulhas descartáveis e dentro do prazo de validade.

•interromper a administração da injeção se o paciente se queixar de dor intensa no local.

•colocar bolsa de gelo no local da aplicação (a menos que outra orientação seja fornecida pelo fabricante) para aliviar a sensação de dor.

Muitos erros podem ocorrer na administração de injeção intramuscular. O local correto de administração nem sempre é respeitado.

 

LOCAIS DE APLICAÇÃO

BRAÇO

Músculo deltoide.

 

COXA

Face lateral externa (geralmente utilizada em lactentes e crianças menores).

 

NÁDEGAS

Região glútea – quadrante superior externo. Observe na figura ao lado que a linha horizontal que demarca os quadrantes da região glútea passa exatamente no final da coluna óssea, na altura do osso denominado cóccix; a linha vertical divide ao meio essa linha horizontal.

 

INJEÇÃO INTRAVENOSA (IV)

ATENÇÃO: antes de administrar um medicamento por via intravenosa deve-se estar seguro que esta via é permitida para o medicamento em questão. Verificar nas instruções do fabricante e ler também as orientações de reconstituição e/ou diluição do produto, bem como a velocidade de administração e as incompatibilidades com outros medicamentos ou com equipamentos.

 

INJEÇÃO INTRAVENOSA DIRETA

Quando se injeta o produto diretamente na veia, ou através de um tubo nela inserido.

 

INFUSÃO INTRAVENOSA

Quando se goteja o produto na veia.

 

ATENÇÃO: injeções intravenosas devem ser administradas por profissionais qualificados. A inspeção do produto a ser injetado deve ser rigorosa: ao se furar uma rolha, ou se quebrar uma ampola, para preparação ou retirada de um produto injetável, deve-se pesquisar cuidadosamente se há fragmentos de rolha, vidro, ou qualquer outra partícula no líquido que se pretende injetar, devendo-se descartar produtos que as contenham.

 

QUANTO MAIOR O CALIBRE DA AGULHA UTILIZADA PARA PREPARAÇÃO DOS PRODUTOS INJETÁVEIS, MAIOR A CHANCE DE SE DESPRENDEREM FRAGMENTOS DE ROLHAS.

 

As reconstituições e/ou diluições de medicamentos injetáveis devem ser feitas com agulhas 30 x 8 ou 25 x 8. Embora estas agulhas diminuam a velocidade de preparação dos medicamentos injetáveis, elas têm menor probabilidade de fragmentar rolhas, coisa que acontece frequentemente quando se utilizam agulhas 40 x 12.

Temos no mercado uma agulha especial para reconstituição (agulha romba) que embora de grosso calibre, tem um bisel desenhado para provocar menos dano à rolha.

 

INJEÇÂO SUBCUTÂNEA

Procedimento

•seguir as instruções de preparação fornecidas pelo Laboratório.

•lavar as mãos.

•limpar a área de aplicação com algodão embebido em álcool a 70% (a escolha dessa área deve obedecer determinação profissional).

•encher a seringa com a medicação (alguns medicamentos já vêm embalados em seringas).

•aplicar a injeção.

 

ATENÇÃO:

•usar sempre seringas e agulhas descartáveis apropriadas para injeções subcutâneas.

•respeitar o prazo de validade das seringas e agulhas.

•retirar o conjunto de agulha e seringa e descartá-los em recipientes apropriados.

 

ALERTA SOBRE MEDICAMENTOS INJETÁVEIS

LEIA SEMPRE TODAS AS INFORMAÇÕES PROVENIENTES DO LABORATÓRIO FABRICANTE.

 

CERTIFIQUE-SE QUE A VIA DE ADMINISTRAÇÃO ESTEJA PERMITIDA PARA O MEDICAMENTO QUE SE PRETENDE ADMINISTRAR:

se existirem divergências entre o prescrito pelo profissional e as informações do Laboratório, contate ambos para esclarecer as dúvidas.

Vale lembrar que bulas podem conter erros e os profissionais também podem errar ao prescrever medicamentos.

 

SIGA AS INSTRUÇÕES PARA RECONSTITUIR E DILUIR OS MEDICAMENTOS; RESPEITE OS PRAZOS DE ESTABILIDADE DOS PRODUTOS.

 

Neste Guia procuramos sempre mencionar se um produto é compatível com os diluentes mais comuns: Água Estéril para Injeçãção, Cloreto de sódio 0,9% ou Glicose 5%.

Antes de utilizar outros diluentes, consulte as recomendações do Laboratório fabricante. Se tiver dúvidas, ligue para o Laboratório fabricante do produto.

Medicamentos injetáveis devem ser preparados em farmácia hospitalar validada, sob fluxo laminar, com técnica asséptica e por pessoal especializado. Os tempos de estabilidade fornecidos pelos laboratórios significam estabilidade físico-química do produto. Quem garante a esterilidade do produto depois de aberto é a instituição que o preparou. Assim, produtos preparados fora dessas condições, ainda que mantidas técnicas pessoais assépticas, são de uso imediato, não devendo ser armazenados.

 

ASPECTO DO PRODUTO

Descarte produtos com precipitados, fragmentos de vidro ou rolha, produtos com coloração alterada ou que não estejam em conformidade com as instruções de uso; se persistirem dúvidas sobre a sua qualidade, ligue para o Laboratório fabricante.

 

MEDICAMENTO INJETÁVEL SÓ DEVE SER PREPARADO E ADMINISTRADO POR PROFISSIONAIS QUALIFICADOS.

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal