FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Doença Meningocócica

Autor:

Rodrigo Antonio Brandão Neto

Médico Assistente da Disciplina de Emergências Clínicas do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP

Última revisão: 26/08/2015

Comentários de assinantes: 0

As Infecções invasivas causadas pela Neisseria meningitidis, vulgarmente conhecida como meningococo, estão associadas com alta morbidade e mortalidade. Os pacientes infectados por este organismo podem apresentar-se com meningite, infecção da corrente sanguínea (ou meningococcemia), ou infecção localizada. Embora a incidência de infecção meningocócica invasiva em países de alta renda possa estar diminuindo por causa dos programas de vacinação eficazes e outras intervenções, a doença meningocócica continua como um problema de saúde relevante.


Patogênese

A doença meningocócica foi descrita primeiramente em 1805 após uma epidemia de meningite em Geneva, porém apenas em 1882 o microrganismo foi isolado pela primeira vez no líquido céfalo-raquidiano (LCR). O microrganismo  é um diplococo gram-negativo de 0,7 a 1 micra de diâmetro, aeróbio ou anaeróbio facultativo.

A doença invasiva tipicamente se desenvolve dentro de duas semanas de colonização da mucosa faríngea. Vários fatores promovem a invasão bacteriana no hospedeiro, um deles, a sua fímbria,  permite sua ligação com células do corpo humano. A bactéria apresenta motilidade por espasmos, o que permite que a bactéria penetrar através da camada de muco em seguida, ligando-se a proteínas de superfície epiteliais, induzindo rearranjo citoesquelético, e por um processo mediado por receptores ocorre a endocitose, a bactéria é incorporada nos vacúolos da célula, sendo posteriormente transportados para superfície basolateral da membrana celular posteriormente a N.meningitidis chega à corrente sanguínea, onde o crescimento bacteriano ocorre rapidamente (tempo de duplicação de aproximadamente 30 minutos) causando uma elevada carga de bacteremia, o que facilita a entrada do organismo para outros compartimentos estéreis (por exemplo, sistema nervoso central no líquor). Neste ponto, a N.meningitidis também lança endotoxinas, lipossacárides, a qual ativa as proteínas envolvidas na inflamação e causa microtrombose, e promovendo falha de múltiplos órgãos. Em pacientes com sepse, os maiores níveis de endotoxinas encontradas são justamente os pacientes com meningococcemia.


Epidemiologia

Os seres humanos são o único reservatório para meningococo, e transmitem a doença por meio de gotículas e contato direto. A taxa de portadores entre uma população selecionada aleatoriamente é de aproximadamente 10%, com um pico de 24% durante a adolescência. Populações com maior risco, tais como militares que dormem juntos em barracas e prisioneiros apresentam maior risco de adquirir a doença. A doença é endêmica nos Estados Unidos com incidência de 1,1 casos a cada 100.000 pessoas ao ano.

A doença meningocócica invasiva geralmente ocorre nas primeiras duas semanas após a colonização antes do desenvolvimento de imunidade, com a maioria dos pacientes experimentando ou meningite (aproximadamente 50%) ou infecção da corrente sanguínea primária (aproximadamente 40%). Outras infecções localizadas menos frequentes associados à N.meningitidis incluem pneumonia, pericardite, endocardite, supraglotite, conjuntivite, uretrite e otite media. Felizmente, a incidência de infecção meningocócica em países de alta renda é baixa (<1-5 casos a cada 100.000 pessoas), com um pico bimodal em crianças menores de quatro anos e adolescentes entre 15 e 19 anos.  No entanto, durante as epidemias em países de baixa renda em todo o "cinturão da meningite" na África subsaariana, a incidência pode chegar a até 1.000 a cada 100.000 pessoas. A maioria das infecções meningocócicas é causada  por um de cinco sorogrupos, que são classificados de acordo com o tipo de polissacarídeo capsular, nomeadamente, sorogrupos A, B, C, W-135, e Y. Os sorogrupos B, C e Y são responsáveis pela maioria das infecções na América do Norte e na Europa, ao passo que o sorogrupo A continua a ser responsável por grande parte das epidemias no continente africano.

Técnicas de biologia molecular mais recentes têm facilitado a identificação de cepas superinvasivas de N.meningitidis que pouco contribuem para as taxas de colonização, mas respondem pela maioria dos casos de doença invasiva. Um estudo que incluiu mais de 600 casos de doença meningocócica isolada demonstrou que certa cepa era responsável por cerca de 30% das doenças invasivas e 3% dos casos isolados. Além da virulência de  estirpes individuais, os mecanismos de defesa do hospedeiro também regulam a probabilidade de desenvolver uma infecção meningocócica invasiva. A imunidade humoral específica por anticorpos é provavelmente o mecanismo de defesa do hospedeiro mais importante.

Fatores de risco radicionais para o desenvolvimento de uma grave infecção meningocócica incluem a exposição ambiental a N.meningitidis, tal como entre trabalhadores da saúde ou contatos intradomiciliares de casos de infecção, deficiências, deficiências do complemento ou infecção pelo vírus da imunodeficiência (HIV). Embora a incidência de infecções meningocócicas esteja diminuindo em populações de alta renda, a infecção pelo meningococo está associada com uma taxa de fatalidade elevada de cerca de 7% a 11%, com um aumento no risco de morte em doentes com idade superior a 50 anos e em aqueles que manifestam púrpura fulminante.

Um pouco contrária à intuição clínica, menigococcemia está associada com uma maior taxa de letalidade de meningite meningocócica, mesmo quando  este último está associado com bacteremia. Nos pacientes que sobrevivem a esta infecção grave a morbidade é alta, por causa da perda de tecidos e amputação por coagulação intravascular disseminada e púrpura fulminante e déficits neurológicos em pessoas com meningite. Uma revisão de 258 casos de meningite meningocócica adulto descobriu que 8% dos pacientes sofriam de perda auditiva na alta hospitalar e 3% apresentava outras paralisias de pares cranianos. Além desses déficits neurológicos focais, o acompanhamento por exame dos 76 pacientes adultos com meningite meningocócica em um estudo europeu encontrou disfunção cognitiva, em 28% dos pacientes que usaram dexametasona, contra apenas 5% dos controles saudáveis.

 

Características Clínicas

A maioria dos pacientes infectados pela N.meningitidis apresenta-se com doença aguda; no entanto, existem raros relatos de meningococcemia crônica caracterizada por febre, erupção cutânea e artralgia. A doença meningocócica primária pode manifestar-se como três formas principais de doença que são:

 

-Meningite

-Meningite com meningococcemia

-Meningococcemia sem meningite

 

Os primeiros sintomas relatados pelos pacientes com meningite meningocócica e/ou meningococcemia são descritas na Tabela 1. Estes sintomas  muitas vezes não são inespecíficos e incluem febre, dor de cabeça, mal-estar e tornam difícil o diagnóstico precoce de uma infecção meningocócica. Além disso, a tríade clássica de febre, meningismo e estado mental alterado é observada em apenas um terço dos pacientes com doença meningocócica na apresentação.

Apesar da erupção petequial característica ser um achado mais específico, é observado em apenas 45% a 65% dos casos na apresentação, tratam-se de lesões de 1 a 2 mm de diâmetro que aparecem principalmente em troncos e porções inferiores do corpo, estas petéquias podem se coalescer formando lesões purpúricas ou equimóticas maiores, a mucosa oral, o palato e a conjuntiva devem ser examinados a procura de quadros hemorrágicos.

Em um esforço para delinear características clínicas adicionais para facilitar o diagnóstico precoce, um estudo retrospectivo de crianças com infecção meningocócica mostrou que dores na perna, extremidades frias, e cor da pele anormal precedida, ou simultânea com os sinais clássicos de erupção cutânea, meningismo e estado mental alterado; no entanto, a sensibilidade e especificidade desses sinais ainda não foram validadas em um estudo prospectivo. Outros sinais clássicos de meningismo tais como Kernig ou Brudzinski têm elevada especificidade (>90%), mas baixa sensibilidade (10%), e, portanto, não podem ser utilizadas para excluír o diagnóstico de meningite. Apesar da acentuação de uma cefaleia provocada por rotação horizontal da cabeça ter sido citada como um teste útil para descartar a meningite, a sensibilidade relatada no estudo original foi de 100%, mas não foi replicado em um estudo mais recente, onde o teste teve desempenho fraco, com uma sensibilidade de apenas 6%. Finalmente, embora até um quarto dos pacientes com meningite meningocócica tenha déficits neurológicos focais (por exemplo, afasia, neuropatias cranianas), estes são também achados tardios, e sua ausência não pode ser usada para descartar o diagnóstico de meningite. Deve-se lembrar de que sintomas neurológicos são mais proeminentes na meningite por pneumococcus e Hemofilos.

Embora muitos dos aspectos clínicos iniciais de infecções meningocócicas sejam inespecíficos, o curso clínico de um paciente com uma infecção meningocócica grave é bem caracterizado por doença rapidamente progressiva, que pode progredir para falência de múltiplos órgãos e morte. O choque nestes pacientes é frequentemente uma manifestação dominante da doença, podendo ocorrer hipoxemia, acidose e insuficiência adrenal.

Os casos graves também são marcados por uma erupção petequial, que pode ser complicada por amputação de membros secundário em púrpura fulminante, divulgada, coagulação intravascular disseminada (CIVD) e tromboses. A CIVD é a manifestaçãoo mais dramática da doença, a evidência clínica de seu aparecimento são sangramentos gengivais, gástrico e subcutâneo, na sua forma mais grave pode ocorrer a chamada púrpura fulminante.

A erupção petequial ocorre como resultado de dano induzido por endotoxina e a lesão em células endoteliais leva à trombose, necrose, hemorragia e, eventualmente, por via dérmica, resultando finalmente em púrpura fulminante. Embora a erupção petequial seja um achado característico em pacientes com doença grave, uma erupção semelhante também pode ser observada em outras condições febris como a febre maculosa, CIVD grave por outras causas, púrpura trombocitopênica, púrpura de Henoch-Schonlein e outras vasculites.

 

Características clínicas da doença meningocócica invasiva na apresentação

 

Febre - 92-93%

Dor de cabeça - 45-81%

Náuseas / vômitos - 53-77%

Rash - 45-78%

Rigidez de nuca - 35-71%

Dor nas pernas - 37-65%

Alteração do nível de consciência - 27-45%

Fotofobia - 28-30%

Cor da pele anormal - 19%

 

A presença de estado mental alterado é comum entre pacientes na doença meningocócica invasiva, e é frequentemente um resultado da interação de vários fatores, tais como inflamação meníngea, medicamentos sedativos e alterações metabólicas. No entanto, hipertensão intracraniana, acidente vascular cerebral (isquêmico ou hemorrágico), convulsões e vasculite de sistema nervoso central podem levar a complicações. Hipotensão refratária também é comum e é geralmente uma consequência da vasodilatação de choque séptico; no entanto, pericardite e tamponamento cardíaco podem resultar de infecção meningocócica primária do pericárdio, a doença meningocócica disseminada pode se metastizar para o pericárdio, ou um fenômeno imune mediado. A N.meningitidis é responsável por até um quinto dos casos de pericardite purulenta. Os pacientes podem apresentar miocardite e um estudo mostrou que mais de 50% dos pacientes que tiveram morte por meningococcemia tinham alguma forma de acomtimento miocárdico de severidade variável.

O ecocardiograma pode avaliar a evolução para tamponamento cardíaco e pode ajudar no tratamento de doentes com hipotensão e doença meningocócica grave. A insuficiência adrenal associada hemorragia adrenal ( Síndrome de Waterhouse-Friderichsen) pode se manifestar com hipotensão refratária, acidose metabólica e hipercalemia, e pode necessitar de tratamento com mineralocorticoides suplementares. Vários recursos clínicos e laboratoriais têm sido estudados para avaliar o prognóstico de infecção meningocócica invasiva. Os principais sistemas de pontuação prognósticos para invasiva foram desenvolvidos e validados em crianças e, portanto, não devem ser extrapolados para prever resultados em adultos. Portanto, modelos gerais de previsão de risco, tais como o APACHE e SOFA (Sequential Organ Failure Assessment) podem ser utilizados, mas sua performance nestes pacientes não é totalmente avaliada.

 

Diagnóstico  e Exames Complementares

A infecção por N.meningitidis deve ser suspeitada em qualquer paciente que apresenta, com sinais e sintomas de meningite, doença febril com uma erupção petequial, doença febril inespecífica, doença febril em pacientes com fatores de risco como a esplenectomia, ou grupos de alto risco durante surtos. Devido à natureza invasiva e fulminante da doença, a necessidade de tratamento precoce muitas vezes obriga a administração concomitante de antimicrobianos antes dos resultados de exames diagnósticos. O padrão-ouro para o diagnóstico da doença é o isolamento do microrganismo em um líquido estéril como o sangue e o LCR.

Séries de casos indicaram que tipicamente, menos de um terço dos pacientes adultos com meningite bacteriana  recebem antibióticos antes da investigação diagnóstica completa.

Quando se atrasa a terapia antimicrobiana, enquanto se aguardam os resultados de testes diagnósticos, pioram os desfechos de pacientes com doença meningocócica invasiva. Dado que as culturas de sangue são positivas em apenas 50-60% dos pacientes com doença meningocócica invasiva, é necessária a realização de coleta de líquor. No entanto, este teste é também é um exame que gera controvérsias, pois raramente é realizado em tempo hábil devido à coagulopatia da sepse e CIVD, assim como a percepção do risco de herniação cerebral associada à drenagem do líquor em pacientes com meningite. O risco de herniação cerebral a partir de punção lombar entre todos os pacientes com meningite bacteriana é de aproximadamente 1% e quase um terço da morte em crianças com meningite é causado por um evento de herniação cerebral.

Portanto, como resultado desta preocupação, uma tomografia computadorizada de crânio (TC) é frequentemente obtida para avaliar a evidência de efeito de massa intracraniana antes da punção lombar. No entanto, a TC é desnecessária em todos os pacientes e abordagem mais adequada é individualizar a decisão de realizar uma tomografia computadorizada com base no risco do paciente. Um estudo prospectivo, observacional, verificou que a tomografia computadorizada foi normal em 93 de 96 pacientes que não tinham fatores clínicos de risco para presença de uma massa intracraniana, portanto um valor preditivo negativo de 97%. Os fatores preditores de risco para massa intracraniana incluem idade de 60 anos ou mais, imunossupressão, história de doença do SNC, história de uma convulsão dentro de uma semana antes da apresentação, estado mental alterado e achado neurológico focal.

Os pacientes sem quaisquer destes fatores de risco acima encontrados apresentou um episódio de herniação cerebral. Portanto, a Infectious Diseases Society of America (IDSA) sugere o uso de uma tomografia computadorizada do cérebro antes de punção lombar em doentes com deficiência imunológica, uma história de doença do SNC, alteração do estado mental, papilledema, deficits neurológico focal ou convulsões. A IDSA recomenda que os pacientes sem esses fatores de risco geralmente não necessitam de uma tomografia computadorizada antes da punção lombar.

A CSF em pacientes com meningite meningocócica tem uma aparência semelhante a de pacientes com outras formas de meningite bacteriana. A contagem média de leucócitos é de 1200 / mL com uma predominância de neutrófilos; a concentração de proteína média de 1,5 g / L, e 75% têm um nível de glucose menor que 2,2 mmol/L. Quando o LCR é obtido antes do início de antibióticos, a coloração de Gram é positiva em cerca de 90% das amostras, e a cultura tem uma sensibilidade superior a 90%. No entanto, terapia antibiótica apropriada foi demonstrada que pode esterilizar o LCR em um tempo tão curto quanto 15 minutos, e um estudo descobriu que a cultura de líquor foi negativa em todos os pacientes nos quais a punção lombar foi realizada duas ou mais horas após administração de antibióticos. Técnicas de identificação microbiana mais recentes, tais como aquelas que utilizam o em reação em cadeia da polimerase (PCR) podem melhorar o rendimento da análise do LCR. Vários estudos relatam a sensibilidade para uma análise do LCR à base de PCR se aproxima de 100% técnicas baseadas em PCR também não dependem da presença de bactérias viáveis, e podem ajudar para diagnóstico em pacientes nos quais houve um atraso na obtenção do LCR. Além disso, os resultados dos testes baseados em PCR estão disponíveis após algumas horas de teste, enquanto que os métodos tradicionais de cultura muitas vezes requerem dias de incubação. Infelizmente, com base na identificação por PCR de bactérias não é capaz de testar a sensibilidade aos antimicrobianos como é realizada atualmente por meio de métodos tradicionais de cultura. No entanto, a identificação microbiana rápida apesar de um atraso na coleta de líquido cefalorraquidiano torna a análise baseada em PCR uma adição atrativa para a abordagem do paciente com suspeita de meningite.

Os meningococos também podem ser isolados a partir de uma biópsia de lesões cutâneas. Apesar da sensibilidade da biópsia ser pobre (34% a 47%), culturas de pele são positivas até 13 horas após a administração de antibióticos e a coloração de Gram pode identificar a N.meningitidis até 45 horas após o tratamento antimicrobiano iniciar. Além disso, um estudo relatou que o diagnóstico definitivo da infecção pela N.meningitidis foi feita via resultados de cultura da pele em 12% dos pacientes para os quais culturas de sangue e LCR culturas foram negativos.

Embora a cultura da pele não  acrescente  à investigação diagnóstica em todos os pacientes com meningocócica doença, os resultados deste estudo sugerem que a cultura da pele pode auxiliar no diagnóstico, particularmente em pacientes em que a amostra de LCR tenha sido obtido várias horas após a administração antimicrobiana. Dada a gravidade da doença invasiva, os médicos devem manter um baixo limiar para o diagnóstico de infecções meningocócicas. Um conjunto completo de investigações deve abranger a coleta do sangue e líquor com ou sem a análise baseada em PCR. A tomografia computadorizada do crânio pode ser necessária em pacientes selecionados com fatores de risco para efeito de massa intracraniana antes da obtenção do LCR através de uma punção lombar. No entanto, este não é necessário em todos os pacientes com suspeita de meningite. Técnicas microbianas baseadas em PCR podem melhorar a sensibilidade da cultura de LCR no futuro; no entanto, esta metodologia não é rotineiramente utilizada em todos os laboratórios de microbiologia.

 

Manejo

Dado o tempo de duplicação e curto curso fulminante da infecção pela N.meningitidis, a mais importante terapia para pacientes com suspeita de uma grave infecção meningocócica é a antibióticoterapia precoce apropriada. A maioria das diretrizes e opinião de especialistas é favorável à administração de antimicrobianos dentro de uma hora da apresentação. Devem ser coletadas hemoculturas, punção lombar e se iniciar a antibióticoterapia administrados dentro de uma hora de apresentação. Pacientes que necessitam de uma tomografia computadorizada do crânio antes da punção lombar devem receber antibióticos após hemoculturas serem coletadas.

Infelizmente, uma série de casos sugeriu que apenas 15% dos pacientes com doença meningocócica invasiva recebem antibióticos no prazo de uma hora da apresentação no hospital.

Como os pacientes com infecção meningocócica geralmente apresentam um quadro de sepse ou meningite inespecífica, o regime antimicrobiano inicial normalmente é amplo, com cobertura para outras etiologias adquiridas na comunidade comuns de sepse e infecção do SNC, mais notavelmente Streptococcus pneumoniae e Haemophilus influenzae. Há um amplo diagnóstico diferencial para as infecções do sistema nervoso central que pode exigir outras investigações e de manejo, que não iremos discutir neste tópico.

O princípio da seleção e administração de antibióticos é que doses elevadas de agentes intravenosos que penetram a barreira hemato-encefálica devem ser utilizadas para cobrir os patógenos prováveis. Um regime típico para pacientes com uma síndrome de meningite adquirida na comunidade inclui ceftriaxona na dose de 2g em intervalos de 12 horas para cobrir N.meningitidis, S. pneumoniae e H. influenzae, e vancomicina em uma dose de 15 mg / kg para cobrir potenciais estirpes resistentes à beta-lactâmicos de S. pneumoniae. A suspeita clínica de vírus herpes simples ou Listeria monocytogenes determina a adição de aciclovir ou ampicilina a este regime.

Quando se isola o meningococo em culturas de sangue ou LCR, penicilina G, pode ser administrada em uma dose de 4 milhões de unidades a cada 4 horas como uma alternativa aceitável para o ceftriaxone. No entanto, isto depende da sensibilidade reportada no antibiograma sendo resistência cada vez mais comum. O número de casos de doença meningocócica isolados com sensibilidade intermediária à penicilina (concentração inibitória mínima [MIC] 0,12-0,25 mg/ml) varia entre 5% a 41% . Por outro lado, a resistência total à penicilina (MIC> 0,5 mg/ml) é rara, e os meningococos parecem uniformemente suscetíveis às cefalosporinas de terceira geração. Uma outra opção possível para o tratamento é o cloranfenicol 100 mg/Kg ao dia, com dose máxima de 4 gramas ao dia, sendo uma opção para pacientes alérgicos a penicilinas e cefalosporinas.

Apesar da gravidade das infecções meningocócicas invasivas, tratamento com antibióticos intravenosos por sete dias costuma ser suficiente para conseguir a cura clínica em cepas altamente suscetíveis, de qualquer forma as recomendações da literatura são para que o tempo de tratamento com antibióticos seja dependente da resposta clínica do paciente.

Além de início, a terapia antimicrobiana adequada e o tratamento de suporte podem melhorar os resultados no tratamento dos pacientes. Estas abordagens incluem terapia de recussitação volêmica, o uso de dexametasona para aqueles com uma síndrome que apresenta um quadro indiferenciado de meningite, reposição de mineralocorticoides em pacientes com insuficiência adrenal. E a consideração de imunoterapia adjuvante.

A morbidade neurológica relatada entre os sobreviventes de meningite bacteriana é provavelmente secundária à inflamação no espaço subaracnoide, portanto, corticosteroides suplementares têm sido investigados como um meio de diminuir a inflamação no SNC e melhorar os desfechos dos pacientes. Como este tem sido o assunto de vários ensaios clínicos randomizados, o efeito global de corticosteroides adjuvante em pacientes com meningite bacteriana é melhor representado pelo resultado de duas meta-análises reunindo dados de mais de 4.000 pacientes entre adultos e crianças. Não houve redução significativa da mortalidade na meningite bacteriana com os glicocorticoides, no entanto, existe um benefício de diminuição de mortalidade entre os pacientes infectados com o S.pneumoniae, um efeito consistente com as conclusões de uma dos principais estudos randomizados. Além disso, nos adultos tratados com corticosteroides adjuvantes tiveram uma redução do risco de sequelas auditivas e neurológicas.

Assim, o uso empírico de dexametasona em pacientes com meningite bacteriana permanece controverso. A abordagem razoável, tal como recomendado por diretrizes, é para administrar dexametasona por via intravenosa (0,15 mg/kg) concomitante com a infusão de antibiótico, e continuar com uma dose a cada 6 horas até um patógeno ser recuperado a partir de culturas do sangue ou LCR, mas apenas no caso da meningite pneumocóccia deve o tratamento com dexametasona continuar durante quatro dias.

Outras imunoterapias foram investigadas em pacientes com doença meningocócica grave; no entanto, a população-alvo tem sido em grande parte crianças. A BPI que é  uma proteína endotoxina neutralizante, foi testada em 395 crianças com suspeita de infecção meningocócica com alto risco de morte. Embora tenha havido uma redução na necessidade de transfusões no grupo que recebeu BPI recombinante, esta droga não conferiu um benefício de sobrevivência para crianças de alto risco de infecção meningocócica. No entanto, houve uma tendência para a melhora da mortalidade entre os pacientes que sobreviveram o bastante para receber a infusão da droga em um período pré-especificado de 24 horas. Diferentes imunoglobulinas foram testadas nestes pacientes, mas nenhum benefício foi demonstrado.

A plasmaférese é teoricamente capaz de remover mediadores inflamatórios e poderia ser associada com melhora de desfechos nestes pacientes, uma análise retrospectiva encontrou mortalidade de 18% em pacientes tratados com plasmaférese comparado a 67-80% nos que não realizaram plasmaférese.

A suplementação de proteína C tem sido amplamente investigada em pacientes com grave infecção meningocócica. Após os resultados de estudos em pacientes com sepse a medicação foi retirada do mercado pela ausência de benefício e evenos adversos, poderia haver um benefício teórico desta medicação para pacientes co CIVD grave e principalmente púrpura fulminante.

 

Profilaxia

Os contatos próximos dos casos índices de doença meningocócica grave são os de maior risco para o desenvolvimento subsequente da doença. Pacientes com infecção pela N.meningitidis devem ser colocados em isolamento de gotículas até, pelo menos, 24 horas após o início do tratamento. Os casos devem ser notificados para poder receber a quimioprofilaxia, que diminui o risco de doença invasiva em até 89% dos contactuantes. Portanto, é importante que a quimioprofilaxia com um antibiótico apropriado seja iniciada no prazo de 24 horas do contato com um paciente com doença meningocócica invasiva. Por outro lado, a administração de antibióticos profiláticos não é necessária mais do que duas semanas após uma exposição potencial à N.meningitidis, por causa do risco muito baixo de infecção invasiva.

A vacinação meningocócica pode prevenir infecções pela N.meningitidis incluindo os sorogrupos (A, C, W-135, e / ou Y). No Canadá e no Reino Unido, as crianças normalmente recebem a vacina conjugada meningocócica C, enquanto os programas de vacinação nos Estados Unidos fornecem a vacina conjugada quadrivalente (serogrupos A, C, W-135 e Y) para adolescentes. Finalmente, a administração da vacina quadrivalente também é recomendada para pacientes com alto risco de sofrer uma infecção meningocócica causada por deficiências imunes. Os diferentes esquemas de quimioprofilaxia estão especificados na tabela 2.

 

Esquemas de quimioprofilaxia para a exposição ao N meningitidis

 

-Rifampicina, 600 mg a cada 12 horas, por dois dias

-Ciprofloxacina, dose de 500 mg única

-Ceftriaxona, 250 mg por via intramuscular, dose única

 

Referências

Rosenstein NE, Perkins BA, Stephens DS, et al. Meningococcal disease. N Engl J Med 2001; 344:1378.

 

Harrison LH. Epidemiological profile of meningococcal disease in the United States. Clin Infect Dis 2010; 50 Suppl 2:S37.

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal