FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Parasitoses Intestinais

Autor:

Rodrigo Antonio Brandão Neto

Médico Assistente da Disciplina de Emergências Clínicas do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP

Última revisão: 19/08/2016

Comentários de assinantes: 0

As parasitoses intestinais são extremamente frequentes em nosso meio, principalmente em localidades com saneamento básico precário. Suas manifestações são inespecíficas, o que dificulta seu diagnóstico. A repercussão e a gravidade das parasitoses dependem do paciente (idade, nutrição, hábitos de vida, imunocompetência, doenças associadas) e da carga parasitária, além dos mecanismos de lesão de cada parasita. Os antiparasitários são a medicação utilizada não só para seu tratamento, como também servem de estratégia para erradicação de verminoses em populações de alta prevalência, além de serem utilizados em pacientes em uso de corticoides para prevenir estrongiloidíase.

 

Principais Helmintíases

 A apresentação clínica das helmintíases não difere de muitas condições clínicas, mas apresenta dois fatores de distinção:

 

 -história de exposição;

 -eosinofilia.

 

A seguir, comentaremos algumas características das principais helmintíases:

1-Tricuríase   

O parasita envolvido é o trichiura trichiuris. Ocorre principalmente em climas tropicais, com cerca de 25% da população mundial carregando o parasita. A sua transmissão é principalmente via alimentos ou água contaminados por cistos ou ovos do parasita. A maioria dos casos é assintomática. Os casos sintomáticos são envolvidos com carga parasitária > 200 e cursam com colite e diarreia sanguinolenta, podendo evoluir com anemia ferropriva e caracteristicamente prolapse retal.

Diagnóstico: realizado por protoparasitológico de fezes (PPF). O método Kato-Katz pode ser usado para quantificar a quantidade de ovos.

Tratamento de escolha: albendazol (400 mg/dia 1 vez/dia por 3 dias) ou mebendazol (100 mg 2 vezes/dia por 3 dias). Nenhum dos dois agentes parece ser eficaz em dose única, apesar de um estudo apresentar 80% de cura com albendazol em dose única.

 

2-Oxiuríase ou Enterobíase      

Causada pelo enterobius vermicularis, ocorre tanto em climas temperados como tropicais, sendo a mais comum infecção helmíntica nos EUA. A sua contaminação ocorre basicamente por contaminação de mão ou fomites ou manipulação de alimentos. A maioria das infecções é assintomática, sua manifestação clínica mais comum é  prurido perianal de predomínio noturno; caso o parasita migre, quadros de apendicite e salpingite crônica podem ocorrer. Enterocolite eosinofílica pode ocorrer, mas eosinofilia periférica é muito rara.

Diagnóstico: swab anal (5 exames com sensibilidade de 99%). O parasita não costuma ser eliminado nas fezes, assim o exame protoparasitológico de fezes não costuma ser útil.

Tratamento: mebendazol e albendazol são as drogas de primeira escolha. Dose única de mebendazol tem eficácia de 95% e dose única de albendazol, repetida em 2 semanas, tem taxa de sucesso próxima a 100%. Outra opção é o pamoato de pirantel (11 mg/Kg dose maxima de 1 g), quando utilizada duas doses com intervalo de duas semanas entre elas tem eficácia próxima a 100%.

 

3-Ascaridíase      

Apresenta distribuição mundial, com uma estimativa de mais de 1 bilhão de pessoas infectadas pelo mundo, ocorrendo principalmente em regiões de climas tropicais. É um dos parasitas com ciclo pulmonar obrigatório causando a síndrome de Loefler que causa um quadro de tosse seca, broncoespasmo e febre associada à eosinofilia e à alteração radiográfica pulmonar com infiltrados pulmonares. A ascaridíase é associada com várias síndromes clínicas, sendo sua principal complicação a obstrução intestinal e, ocasionalmente, obstrução biliar. O achado mais comum é dor abdominal, que ocorre em 98% dos pacientes, e diarreia. Reações de hipersensibilidade com dermatite urticariforme  ocorre usualmente no final do ciclo pulmonar.

Diagnóstico: protoparasitológico de fezes. Os pacientes podem ter eosinofilia periférica e a sorologia pode ser utilizada para diagnóstico e presença de anticorpos IgG o que indica proteção contra a doença.

Tratamento: mebendazol e albendazol são as drogas de escolha, mas outras medicações foram testadas com sucesso, incluindo o pamoato de pirantel. Em casos de obstrução intestinal, a piperazina deve ser utilizada. Uma dose única de albendazol 400 mg tem eficácia de quase 100%.

 

4-Ancilostomíase

Causada pelo ancylostoma duodenale, suas infecções ocorrem principalmente em regiões tropicais sendo rara em locais com baixa precipitação pluviométrica. A contaminação ocorre por via de alimentos e água contaminada por cistos ou ovos do parasita e apresenta ciclo pulmonar obrigatório. Os pacientes apresentam prurido no local de penetração do parasita. Posteriormente, evoluem com dor abdominal, diarreia e anemia ferropriva, que pode ser marcante, manifestações dispépticas. O ciclo pulmonar costuma ser assintomático.

Diagnóstico: protoparasitológico de fezes. Eosinofilia periférica é comum e em alguns locais do mundo como na Indochina, representam 95% dos casos de esosinofilia periférica.

Tratamento: mebendazol e albendazol são as drogas de escolha. O albendazol em dose única apresenta maior eficácia. Outra opção é o pamoato de pirantel. A ivermectina não apresenta boa resposta nesses pacientes.

 

5-Estrongiloidíase

Causada pelo strongyloides stercoralis. Os pacientes podem se contaminar por penetração da pele por contato direto com solo contaminado e pode ocorrer transmissão por via sexual. Ocorre ciclo pulmonar obrigatório nesses pacientes. A maioria das infecções é oligossintomática e eosinofilia é frequente, mas não ocorre em todos os pacientes. Manifestações clínicas incluem dor abdominal, principalmente em região epigástrica e diarreia com muco são características marcantes da infecção. Pode ocorrer invasão maciça de outros órgãos, como o pulmão, sobretudo com o uso de corticoides. Um discussão mais aprofundada sobre as manifestações da estrongiloidíase é um assunto de uma outra revisão de nosso site.

Diagnóstico: o exame protoparasitológico de fezes faz a maioria dos diagnósticos, mas a análise do suco duodenal pelo método de Boerman e, mais recentemente, com método de placa de Agar, é a maneira mais fidedigna de realizar o diagnóstico.

Tratamento: tiabendazol e ivermectina são consideradas drogas de primeira escolha para o tratamento. Um estudo recente demonstrou eficácia de 100% quando usada em regime de duas doses. Cambendazol e albendazol também são opções. Fora de nosso país, a medicação mais utilizada para o tratamento é a ivermectina, com o esquema mais frequente com duas doses de ivermectina de 200 mcg/kg em dias consecutivos ou com interval de duas semanas entre elas.

 

6-Esquistossomose

Causada pelo schistossoma mansoni em nosso país, com transmissão  através de água contaminada, apresentando ciclo pulmonar obrigatório. Em sua forma aguda, pode apresentar quadro de dermatite com rash prurítico e papular. Ainda em sua fase aguda, até 4 a 8 semanas após a infestação, pode ocorrer quadro agudo de diarreia, febre, eosinofilia, hepatoesplenomegalia e cefaleia, denominado de febre de Katayama. Tal quadro é descrito classicamente com o schistossoma hemaetobium no Japão, mas também ocorre com o schistossoma mansoni no Brasil, sendo mais frequente em visitantes a regiões endêmicas.

A forma crônica pode apresentar várias formas, das quais a mais comum em nosso meio é a hepatoesplênica, além do ciclo pulmonar pode ocorrer uma forma de esquistossomose chamada de hepatopulmonar, uma revisão mais aprofundada sobre esquistossomose está disponível em nosso site.

 Diagnóstico: exame parasitológico de fezes pelo método de Kato-Katz, com sensibilidade de 94% para quatro exames. Biópsia de válvula retal é o padrão-ouro para o diagnóstico, mas pode ser substituída por seis exames parasitológicos pelo método de Kato-Katz.

Tratamento: praziquantel é a droga mais utilizada mundialmente para o tratamento, mas oxaminiquina também é opção aceitável. A dose de praziquantel é de 40 mg/Kg divididas em 1 ou 2 doses. Outras opções incluem mefloquina, artesunato e imatinib.

 

7-Paragonomíase

Transmitida principalmente pelo consumo de carne sem limpeza apropriada como peixes. Maioria dos quadros é assintomático , mas podem ocorrer quadros de eosinofilia marcante com dor torácica e expectoração, muitas vezes com hemoptise, infiltrados pulmonares, derrame pleural eosinofílico e até invasão de sistema nervoso central, infecção do tecido subcutâneo.

Diagnóstico: protoparasitológico de fezes, mas nos casos cujas manifestações são viscerais, a sorologia com fixação de complement ou ELISA pode ser útil.

Tratamento: praziquantel 75 mg/kg/dia divididos em três doses parece ser eficaz; recentemente uma nova medicação, triclabendazol está sendo utilizada em uma ou duas doses de 10/mg/kg/dia.

 

8-Teníase

A teníase é um helminto cestoide, com contaminação via alimentos com a taenia solium pela carne suína e a taenia saginata pela carne bovina. A maioria dos casos é assintomática, mas dores abdominais e diarreia podem ocorrer.

Diagnóstico: o diagnostic é feito pela recuperação das proglótides da taenia nas fezes e no exame protoparasitológico de fezes.

Tratamento: praziquantel é a droga de escolha com dose de 5 a 10 mg/Kg em dose única. A niclosamida é uma segunda opção em dose de 2 gramas em adultos, 1500 mg em crianças com 11 a 34 Kgs e 1 grama em crianças.

 

9-Hymnenolepsíase 

Causada pelo Hymnolepsis nana com transmissão por água e alimentos contaminados. Ocorre mais em crianças e pode causar dor abdominal, anorexia e diarreia. Ainda é descrito tonturas e irritabilidade.

Diagnóstico: protoparasitológico de fezes.

Tratamento: praziquantel é a primeira opção em dose de 25 mg/Kg com repetição da dose após dez dias, com a niclosamida como segunda opção. Outra opção é a nitazoxanida 500 mg duas vezes ao dia por três dias.

 

10-Cisticercose

Causada pelo estágio larvário da taenia solium. Sua principal complicação é a neurocisticercose, que pode apresentar manifestações epileptiformes, lesões focais, achados de hipertensão intracraniana e lesões em medula espinal. Na forma extraneural são subcutâneas e cardíacas com cistos cardíacos podendo causar arritmias.

Diagnóstico: análise do líquido cefalorraquidiano (LCR) revela pleocitose linfocítica ou eosinofílica com hipoglicorraquia e hiperproteinorraquia. A sorologia pode ser um importante adjunto aos exames de imagem e líquor.

Tratamento: terapia cirúrgica para lesões intracranianas sintomáticas pode ser necessária, mas a terapia medicamentosa é controversa, sendo praziquantel e albendazol as drogas de escolha. Os corticoides (dexametasona 12 a 16 mg ou prednisona 30 a 40 mg) devem ser usados concomitantemente e a terapia antiepilética do pacientes deve ser adequada.

 

11-Toxocaríase

A toxocaríase ou o toxocara canis ou catis, também denominada larva migrans. Ao penetrar na circulação, a larva migrans pode chegar a sítios distantes, levando a reações granulomatosas eosinofílicas. Os pacientes podem apresentar grandes eosinofilias, mal-estar, prurido, hepatomegalia e lesões pruriginosas. Vários sítios distantes podem ser atingidos com manifestações pulmonares, oculares, miocardite, encefalite, entre outras manifestações.

Diagnóstico: o exame diagnóstico definitivo é a detecção da larva em tecido biopsiado. Sorologias pelo método Elisa também podem ser úteis.

Tratamento: o albendazol 400 mg duas vezes ao dia por cinco dias é uma opção. A dietilcarbamazina é considerada droga de escolha por alguns autores na dose de 3-4/mg/Kg dia iniciando em dose de 25 mg ao dia por 21 dias, com o mebendazol sendo uma opção; pode-se utilizar corticoides em pacientes com envolvimento respiratório, cardíaco ou neurológico severo.

 

Apesar de muito incomum no Brasil, é necessário comentar sobre o Diphylobothrium latum (tênia do peixe, aumentando a incidência por causa do aumento do consumo de peixe cru) que pode causar anemia megaloblástica ao interferir na absorção de vitamina B12. Não se deve esquecer a infecção produzida pela tênia do peixe, cujas larvas encontram-se nos músculos dos peixes de água doce. A transmissão ao homem ocorre quando da ingestão de carne mal cozida ou crua. A sintomatologia é escassa, podendo ocorrer sinais clínicos decorrentes da anemia.

 

Tratamento das Protozooses

1-Giardíase

Causada pela giardia duodenalis, com transmissão possível por três vias, incluindo água, alimetos e fecal-oral. O quadro varia desde pacientes assintomáticos, com sintomas dispépticos até quadros agudos de diarreia aquosa com mal-estar e dor abdominal, até quadros de diarreia crônica, perda de peso e, em crianças, pode alterar desenvolvimento pondoestatural. A giardíase crônica pode estar associada a quadros de imunodeficiências. Uma revisão mais específica e aprofundada sobre o assunto está disponível em nosso site.

Diagnóstico: os pacientes não apresentam leucocitose e eosinofilia, mas a análise das fezes pelo exame protoparasitológico de fezes é suficiente para realizar o diagnóstico na maioria dos casos. Em alguns casos, pode ser necessário realizar sorologia e aspirado de suco duodenal.

Tratamento: metronidazol 250 mg 3 vezes/dia por cinco dias e albendazol 400 mg/dia por cinco dias são as drogas de escolha. Tinidazol e furazolidona são opções de segunda escolha. Em pacientes assintomáticos, pode-se considerar não tratar.

 

2-Amebíase

Causada pela entamoeba hystolytica, a transmissão ocorre principalmente pela ingestão de cistos amebianos. Mais de 90% das infecções pela Entamoeba hystolitica são assintomáticas, porém os pacientes podem apresentar quadro de diarreia com fezes sanguinolentas, dor abdominal, febre e perda de peso em até 50% dos pacientes sintomáticos. Os pacientes podem apresentar ainda quadro de diarreia crônica e manifestações extraintestinais, com abscesso hepático e manifestações pulmonares. Uma revisão específica sobre a amebíase está disponível em nosso site.

Diagnóstico: realizado pelo exame protoparasitológico de fezes. Eventualmente exames sorológicos podem ser realizados.

Tratamento: metronidazol é considerada a medicação de escolha, na dose de 500 a 750 mg 3 vezes/dia por dez dias. Alguns autores recomendam o uso de paromicina ou iodoquinol para eliminação dos cistos. Tinidazol e emetina também são opções para o tratamento.

 

3-Malária

A malária é a principal doença parasitária no mundo, principalmente nos países mais pobres. Suas manifestações são inespecíficas, com febre, prostração, mialgias, letargia, náuseas, vômitos, diarreia e hipotensão postural. A hemólise secundária ao ciclo eritrocítico do parasita pode ser grave e ocasionar quadros importantes de anemia. A febre e outras manifestações ocorrem caracteristicamente em períodos de 48 horas em pacientes infectados com plasmodium vivax e ovale, e a cada 72 horas no caso do plasmodium malarie. Os pacientes com malária causada por plasmodium falciparum apresentam quadro mais grave, muitas vezes com febre contínua, além de manifestações de sistema nervoso central, hipoglicemia, manifestações respiratórias e colapso hemodinâmico.

Qualquer paciente com malária e quadro de prostração, alteração de consciência, convulsões, choque, desconforto respiratório e sangramento anormal deve ser tratado como emergência.

 

São critérios para definir malária por plasmodium falciparum severa:

 1. Malária cerebral: índice de Glasgow menor do que 11, com parasitemia por plasmodium falciparum na exclusão de outras causas de encefalopatia.

2. Anemia severa: Hb < 5 g/dL ou hematócrito < 15% em presença de parasitemia > 10.000/mL.

3. Desconforto respiratório: edema pulmonar ou síndrome de desconforto respiratório.

4. Insuficiência renal: débito urinário menor do que 400 mL em 24 horas ou creatinina > 3 mg/dL.

5. Hipoglicemia: glicemia < 40 mg/dL.

6. Colapso circulatório: pressão arterial sistólica < 70 mmHg.

7. Alterações de coagulação: sangramento espontâneo ou evidências de CIVD.

8. Alterações de nível de consciência com prostração, icterícia e vômitos intratáveis e parasitemia = 2%: em indivíduos não imunizados, deve ser tratado como malária severa.

 

Tratamento: em infecções por plasmodium vivax e ovale, indica-se a combinação de cloroquina e primaquina. Já em pacientes com infecção mista do plasmodium vivax e falciparum, o tratamento de escolha é com quinino e doxiciclina. Para infecções somente por plasmodium falciparum, a droga de escolha é a mefloquina via oral e, em pacientes graves, recomenda-se o uso de artesunato. Algumas variações sobre o tratamento existem e uma discussão mais aprofundada está disponível em nosso site.

 

4-Leishmaniose

A leishmaniose pode se manifestar em forma visceral, infectando o sistema reticuloendotelial, com quadro de febre, hepatoesplenomegalia e pancitopenia, ou em forma cutânea, iniciando com nódulos, evoluindo para placas ulceradas e, posteriormente, para grandes lesões ulcerosas. Os sintomas sistêmicos são raros nesses pacientes. Uma discussão mais aprofundada está disponível em nosso site.

Diagnóstico: em pacientes com leishmaniose visceral, sorologia por ELISA ou teste de aglutinação ou por identificação do agente em hemoculturas ou aspiração esplênica. Nos pacientes com leishmaniose cutânea, o diagnóstico é realizado pela identificação dos micro-organismos ou por PCR.

Tratamento: as drogas antimoniais pentavalentes são o tratamento mais comum no Brasil com o glucantime em dose de 20 mg/Kg/dia por 28 a 30 dias. A anfotericina B é uma opção mais utilizada nos EUA com dose de 0,75-1 mg/Kg dia por 15 dias e depois a mesma dose em dias alternados por mais 30-40 dias. Outras alternativas incluem miltefosine e paromicina.

 

A Tabela 1 especifica o tratamento das principais doenças parasitárias.

 

Tabela 1: Tratamento das doenças parasitárias

 

Agente

Tratamento de escolha

Alternativa

Comentários

Ancilostomíase

Mebendazol

Albendazol

Pamoato de pirantel

 

Ascaridíase

Albendazol (eficaz em quase 100% dos casos)

Levamizol

Pamoato de pirantel

Mebendazol

Piperazina e óleo mineral em pacientes com obstrução intestinal.

Amebíase

Metronidazol

Tinidazol

Emetina

Alguns autores recomendam iodoquinol e paromicina para erradicar cistos.

Cisticercose

Albendazol

Praziquantel

 

Enterobíase

Albendazol

Mebendazol

Pamoato de pirantel

 

Esquistossomose

Praziquantel

Oxaminiquina

 

Estrongiloidíase

Ivermectina

Tiabendazol

Albendazol

Cambendazol

 

Tricuríase

Albendazol

Mebendazol

 

Giardíase

Metronidazol

Albendazol

Tinidazol

Furazolidona

 

Teníase

Praziquantel

Niclosamida

Albendazol

Mebendazol

 

Himenolepsíase

Praziquantel

Niclosamida

 

Toxocaríase

Dietilcarbamazina

Albendazol

Mebendazol

 

Malária por P. falciparum

Mefloquina

Quinino e doxiciclina

Em malária grave, é recomendado o uso de artesunato EV.

Malária por P. vivax e ovale

Cloroquina e primaquina

 

 

Malária por infecção mista P. falciparum e vivax

Quinino e doxiciclina ou clindamicina

 

 

Leishmaniose

Antimoniais pentavalentes

Anfotericina B e pentamidina

 

 

 

Medicações

Albendazol

Modo de Ação

Causa degeneração seletiva dos microtúbulos citoplasmáticos do intestino e tegumento dos parasitas.

 

Indicações

Tratamento de helmintíases intestinais, incluindo ascaridíase, ancilostomose, teníase, hidatidose, estrongiloidíase, cisticercose e tricuríase.

 

Posologia e Modo de Uso

A maioria das helmintoses intestinais é tratada com 400 mg via oral em dose única. Neurocisticercose é tratada com dose de 15 mg/kg/dia ou 400 mg divididos em duas tomadas diárias.

 

Efeitos Adversos

Em geral, é bem tolerado, mas podem ocorrer icterícia e hepatite. Cefaleia, vertigens, náuseas e dor abdominal também descritos.

 

Apresentações Comerciais

Alben®, Zolben® e Albendazoll® em comprimidos de 200 e 400 mg e suspensão com 40 mg/mL.

 

Monitoração

Controle de cura em três semanas. Com uso prolongado, recomenda-se dosar transaminases, embora seja desnecessário na maioria dos casos.

 

Classificação na Gestação

Classe C. Efeitos na amamentação não são conhecidos.

 

Interações Medicamentosas

Nenhuma significativa.

 

Tiabendazol

Modo de Ação

Inibe a enzima mitocondrial específica dos helmintos.

 

Indicações

Tratamento da estrongiloídiase e da infecção por larva migrans.

 

Posologia e Modo de Uso

Dose de 50 mg/kg/dia até dose máxima de 3 g por 2 a 5 dias. Em caso de larva migrans visceral, manter tratamento por sete dias.

 

Efeitos Adversos

Náuseas, vômitos, vertigens, diarreia, dor abdominal, anorexia, eritema multiforme e icterícia colestática.

 

Apresentações Comerciais

Thiaben®, Thiabendazol® e Tiabendazol® comprimidos de 500 mg e suspensão com 250 mg/5 mL.

 

Monitoração

Sem monitoração específica.

 

Classificação na Gestação

Classe C. Uso na amamentação é pouco conhecido.

 

Interações Medicamentosas

Pode aumentar níveis séricos da teofilina.

 

Pamoato de Pirantel

Modo de Ação

Bloqueio neuromuscular do parasita.

 

Indicações

Tratamento de enterobíase, ascaridíase e ancilostomíase.

 

Posologia e Modo de Uso

Dose de 500 mg a 1 g em adultos ou 11 mg/kg em crianças, em dose única.

 

Efeitos Adversos

Cefaleia, exantema, tontura, anorexia, dispepsia, náuseas e diarreia.

 

Apresentações Comerciais

Ascarical® em comprimidos de 250 mg ou suspensão com 250 mg/5 mL.

 

Monitoração

Sem monitoração específica.

 

Classificação na Gestação

Classe C.

 

Interações Medicamentosas

Efeito diminuído no uso conjunto com a piperazina.

 

Ivermectina

Modo de Ação

Aumenta a permeabilidade da membrana celular a íons cloreto, levando à hiperpolarização de células musculares e nervosas e à morte do parasita.

 

Indicações

Tratamento da oncocercose, filariose, estrongiloidíase e escabiose.

 

Posologia e Modo de Uso

0,15 mg/kg no tratamento da oncocercose e 0,2 a 0,4 mg/kg nos outros casos, em dose única via oral.

 

Efeitos Adversos

Cefaleia, prurido e edema cutâneo são relatados, efeitos provavelmente secundários a destruição de parasitas. Aumento de transaminases e alterações discretas em ECG também são descritas.

 

Apresentações Comerciais

Revectina® em comprimidos de 6 mg.

 

Monitoração

Sem monitoração específica.

 

Classificação na Gestação

Classe C. uso não recomendado durante amamentação.

 

Interações Medicamentosas

Nenhuma significativa descrita.

 

Levamizol

Modo de Ação

Medicação com ação imunomoduladora impedindo crescimento celular em células específicas, o que justifica seu uso em neoplasia de cólon. É pouco utilizada recentemente e tem seu uso descontinuado nos Estados Unidos.

 

Indicações

Tratamento da ascaridíase, também pode ser usado para tratamento de ancilostomíase e estrongiloidíase.

 

Posologia e Modo de Uso

Dose única de 80 ou 150 mg via oral (em crianças, 80 mg).

 

Efeitos Adversos

Náuseas e vômitos ocorrem em até 20% dos pacientes. Diarreia, desconforto abdominal, cefaleia e tonturas são relatados.

 

Apresentações Comerciais

Ascaridil®, Tetramizole® e Tetramizol® em comprimidos de 80 e 150 mg.

 

Monitoração

Quando em combinação com fluoracil, recomenda-se realizar hemograma completo, eletrólitos e transaminases no início do tratamento e a cada três meses. Sem recomendações específicas com o uso isolado.

 

Classificação na Gestação

Classe C. efeito na amamentação não é conhecido.

 

Interações Medicamentosas

Efeito dissulfiram com o uso com álcool, pode aumentar níveis séricos da fenitoína.

 

Mebendazol

Modo de Ação

Bloqueia a captura de glicose e nutrientes pelos parasitas.

 

Indicações

Tratamento da ascaridíase, ancilostomíase, oxiuríase, tricuriose, hidatidose e infecção por larva migrans.

 

Posologia e Modo de Uso

Dose de 100 mg a cada 12 horas por dois dias.

 

Efeitos Adversos

Diarreia, dor abdominal, fraqueza, leucopenia, angioedema e agranulocitose.

 

Apresentações Comerciais

Mebendazol®, Pantelmin®, Panfulgan® e Vermoplex® em comprimidos de 100 mg e suspensão com 30 mL.

 

Monitoração

Controle de cura parasitológico em 3 a 4 semanas.

 

Classificação na Gestação

Classe C. uso na amamentação é desconhecido.

 

Interações Medicamentosas

Pode diminuir o efeito de anticonvulsivantes.

 

Artemisina

Modo de Ação

Apresenta ligação com ferro do pigmento do plasmodium e produz radicais livres que danificam as proteínas do parasita.

 

Indicações

Tratamento do plasmodium falciparum resistente à cloroquina no paciente com malária grave. A adição de artesunato por três dias está associada com diminuição de falhas terapêuticas, como demonstrado em meta-análise recente.

Deve ser usada em combinação com doxiciclina, pois, caso contrário, recidivas são comuns.

 

Posologia e Modo de Uso

Artesunato®: dose de 1 mg/kg via endovenosa no tempo zero, 4, 24 e 48 horas.

Artemeter®: dose de 2,4 mg/kg via endovenosa, seguida de 1,2 mg/kg por 4 dias.

 

Efeitos Adversos

Na maioria das vezes, são leves e infrequentes. Alterações gastrintestinais, prurido e raramente hipotensão são descritos. Aumento de transaminases e diminuição de neutrófilos e reticulócitos são descritos.

 

Apresentações Comerciais

Artesunato®: comprimidos com 50 mg e ampolas com 60 mg/mL.

Artemeter®: ampolas com 80 mg/mL.

 

Monitoração

Hemograma e transaminases durante o tratamento.

 

Classificação na Gestação

Não determinada.

 

Interações Medicamentosas

Nenhuma significativa descrita.

 

Oxaminiquina

Modo de Ação

Não é completamente conhecido. Leva a alterações significativas no tegumento do parasita após 4 a 8 dias de tratamento e diminui a deposição de ovos pelo schistossoma.

 

Indicações

Tratamento da esquistossomose.

 

Posologia e Modo de Uso

Em adultos e em crianças acima de 30 kg, dose única de 12 a 15 mg/kg.

 

Efeitos Adversos

Vertigens podem ocorrer em até 40% dos pacientes. Cefaleia, sonolência, aumento de transaminases, eosinofilia e raramente convulsões também podem ocorrer, sendo contraindicado em pacientes com epilepsia.

 

Apresentações Comerciais

Mansil® em comprimidos de 250 mg e suspensão com 50 mg/mL.

 

Monitoração

Sem indicações específicas.

 

Classificação na Gestação

Classe C. efeito desconhecido na amamentação.

 

Interações Medicamentosas

Nenhuma significativa descrita.

 

Antimônios Pentavalentes: Antimoniato de Metilglucamina e Estibogluconato de Sódio.

Modo de Ação

Mecanismo desconhecido, concentra-se no sistema reticuloendotelial e parece afetar o metabolismo do parasita.

 

Indicações

Tratamento da leishmaniose.

 

Posologia e Modo de Uso

Dose de 20 mg/kg/dia em leishmaniose visceral e 15 a 20 mg/kg em leishmaniose cutânea e cutaneomucosa, por via endovenosa durante 15 dias ou 2 vezes/semana, por cinco semanas. Usar em bolus lento ou diluir em SG 5% e administrar em 20 minutos. Estibogluconato de sódio não disponível no país.

 

Efeitos Adversos

Dor abdominal, náuseas, vômitos, aumento de transaminases e amilase, artralgia, exantema e prolongamento do intervalo QT.

 

Apresentações Comerciais

Glucantime® em ampolas de 5 mL com 425 mg de antimônio e 1,5 g do sal.

 

Monitoração

Dosagem de enzimas pancreáticas em caso de dor abdominal; realização de ECG seriado durante tratamento.

 

Classificação na Gestação

Não determinada.

 

Interações Medicamentosas

Sem interações significativas descritas.

 

Cambendazol

Modo de Ação

Semelhante ao tiabendazol.

 

Indicações

Tratamento da estrongiloidíase.

 

Posologia e Modo de Uso

Dose única de 5 mg/kg.

 

Efeitos Adversos

Dores abdominais, cefaleia, náuseas e vômitos.

 

Apresentações Comerciais

Cambem® em comprimidos de 180 mg e suspensão com 6 mg/mL.

 

Monitoração

Sem indicações de monitoração específica.

 

Classificação na Gestação

Não determinada.

 

Interações Medicamentosas

Nenhuma significativa descrita.

 

Dietilcarbamazina

Modo de Ação

Droga derivada da piperazina e com modo de ação semelhante.

 

Indicações

Tratamento da toxocaríase, filariose e oncocercose.

 

Posologia e Modo de Uso

2 mg/kg via oral 3 vezes/dia por dez dias como tratamento da toxocaríase.

 

Efeitos Adversos

Sintomas dispépticos, anorexia, febre, calafrios e reações urticariformes são descritas.

 

Apresentações Comerciais

Comprimidos de 50 mg associados a 3 mg de difenidramina.

 

Monitoração

Sem recomendações específicas.

 

Classificação na Gestação

Classe X.

 

Interações Medicamentosas

Sem interações significativas.

 

Emetina

Modo de Ação

Alcaloide com ação emetizante e propriedades tóxicas a alguns micro-organismos, como a entamoeba hystolytica.

 

Indicações

Tratamento da amebíase hepática ou extraintestinal.

 

Posologia e Modo de Uso

Dose de 1 mg/kg/dia com dose máxima de 60 mg/dia, dividida em duas doses intramusculares ao dia, por cinco dias.

 

Efeitos Adversos

Diarreia, vômitos, neuropatia periférica, fraqueza e arritimias cardíacas são relatadas. Raros casos de insuficiência cardíaca também são citados.

 

Apresentações Comerciais

Ampolas de 20, 40 e 60 mg.

 

Monitoração

Sem nenhuma indicação específica.

 

Classificação na Gestação

Não determinada.

 

Interações Medicamentosas

Nenhuma interação específica descrita.

 

Furazolidona

Modo de Ação

Inibe série de reações enzimáticas com ação antiprotozoária.

 

Indicações

Principalmente para tratamento da giardíase, mas também para tratar amebíase, tricomonas e eventualmente salmoneloses e shigueloses.

 

Posologia e Modo de Uso

100 mg por via oral a cada 6 horas por 7 a 10 dias.

 

Efeitos Adversos

Náuseas, vômitos, diarreia, alterações da cor da urina, cefaleia, reações alérgicas, febre, anemia hemolítica, agranulocitose (raro) e infiltrados pulmonares.

 

Apresentações Comerciais

Giarlam® comprimidos de 200 mg e suspensão com 5 mg/mL.

 

Monitoração

Hemograma completo pode ser realizado, mas sem recomendação específica.

 

Classificação na Gestação

Classe C. efeito na amamentação é desconhecido.

 

Interações Medicamentosas

Reação dissulfiram com álcool; pode aumentar efeito da levodopa.

 

Mefloquina

Modo de Ação

Semelhante ao quinino, destroi formas assexuadas do parasita.

 

Indicações

Tratamento do plasmodium falciparum.

 

Posologia e Modo de Uso

1.000 mg/dia ou 25 mg/kg em dose única.

 

Efeitos Adversos

Diarreia, dor abdominal, náuseas, vômitos e vertigens. Elevação transitória de transaminases pode ocorrer.

 

Apresentações Comerciais

Mephaquin® em comprimidos de 250 mg.

 

Monitoração

Uso prolongado requer exames oftalmológicos de rotina a cada seis meses a um ano.

 

Classificação na Gestação

Classe C. uso não recomendado durante amamentação.

 

Interações Medicamentosas

Uso com antiarritímicos aumenta risco de convulsões. Carbamazepina e fenobarbital podem diminuir seus efeitos.

 

Niclosamida

Modo de Ação

Altera a oxidação fosforilativa e ativa o ATP mitocondrial com ação parasiticida.

 

Indicações

Tratamento da teníase e heminolepsíase.

 

Posologia e Modo de Uso

2 g via oral em dose única; na himenolepsíase, uso por sete dias.

 

Efeitos Adversos

Praticamente sem efeitos colaterais. Dor abdominal e náuseas são relatadas.

 

Apresentações Comerciais

Atenase® em comprimidos de 500 mg.

 

Monitoração

Nenhuma monitoração específica.

 

Classificação na Gestação

Classe B. efeito na amamentação não estudado.

 

Interações Medicamentosas

Nenhuma interação específica.

 

Piperazina

Modo de Ação

Por impedir a ação da acetilcolina, leva a bloqueio neuromuscular no parasita.

 

Indicações

Tratamento da ascaridíase e oxiuríase.

 

Posologia e Modo de Uso

Na ascaridíase, 75 mg/kg por dois dias e repetir a dose em duas semanas. Na oxiuríase, dose de 65 mg/kg/dia por sete dias. Sua principal indicação é na oclusão intestinal por bolos de áscaris, devendo-se administrar óleo mineral ou outro laxativo 2 horas antes do uso da piperazina.

 

Efeitos Adversos

Ocorrem em menos de 1% dos casos. Urticária, dispepsia, broncoespasmo e distúrbios neurológicos transitórios podem ocorrer, incluindo ataxia e convulsões.

 

Apresentações Comerciais

Ascarim® e Vermilem® em suspensões com 50 e 500 mg/5 mL.

 

Monitoração

Sem indicação de monitoração específica.

 

Classificação na Gestação

Classe B.

 

Interações Medicamentosas

Antagonismo de ação com pamoato de pirantel.

 

Pirimetamina

Modo de Ação

Inibe a diidrofolato-redutase, resultando em diminuição da síntese do ácido fólico.

 

Indicações

Tratamento da toxoplasmose, pneumocistose e isosporíase.

 

Posologia e Modo de Uso

Na toxoplasmose cerebral em pacientes com AIDS, dose de ataque de 200 mg seguida de 50 a 100 mg diários pelo resto da vida. Após 3 a 8 semanas, pode-se tentar reduzir a dose para 25 mg/dia. Associa-se com sulfadiazina 2 a 6 g/dia divididos em 4 doses diárias. Na toxoplasmose em imunocompetentes, 25 mg/dia por 3 a 4 semanas associados com 2 a 6 g de sulfadiazina.

 

Efeitos Adversos

Exantema, vômitos, eosinofilia, necrose epidérmica tóxica, anemia megaloblástica e plaquetopenia. Pneumonias eosinofílicas podem ocorrer. Raramente, convulsões e depressão.

 

Apresentações Comerciais

Darapim® em comprimidos de 25 mg.

 

Monitoração

Hemograma periódico.

 

Classificação na Gestação

Classe C.

 

Interações Medicamentosas

Hepatotoxicidade no uso conjunto com lorazepam. Supressão medular no uso com sulfonamidas. Pode ainda aumentar os níveis séricos de neurolépticos.

 

Praziquantel

Modo de Ação

Aumenta a permeabilidade ao cálcio nos esquistosomas, levando a fortes contrações musculares e paralisia da musculatura do parasita.

 

Indicações

Tratamento da esquistossomose, teníase, cisticercose e himenolepsíase.

 

Posologia e Modo de Uso

Na esquistossomose, 40 a 75 mg/kg/dia em doses divididas a cada 12 horas por um dia. Na teníase, 10 mg/kg em dose única e, na cisticercose, 50 a 60 mg/kg divididos a cada 8 horas por 14 dias. Pode-se usar corticoides nos primeiros dias para diminuir a reação inflamatória.

 

Efeitos Adversos

Náuseas, vômitos, dor abdominal, cefaleia urticária, vertigens. No tratamento da neurocisticercose, pode ocorrer hipertensão intracraniana por reação inflamatória.

 

Apresentações Comerciais

Cestox® e Cisticid® em comprimidos de 150 e 500 mg.

 

Monitoração

Sem recomendações específicas.

 

Classificação na Gestação

Classe B.

 

Interações Medicamentosas

Nenhuma interação significativa.

 

Primaquina

Modo de Ação

Rompe a mitocôndria e liga-se ao DNA dos plasmódios.

 

Indicações

Tratamento do plasmodium vivax e plasmodium ovale.

 

Posologia e Modo de Uso

Dose de 15 mg/dia, 1 vez/dia por 14 dias, ou 45 mg 2 vezes/semana por oito semanas.

 

Efeitos Adversos

Dor abdominal, náuseas, dispepsia, prurido, cefaleia, anemia em pacientes com deficiência da G6PD e raramente arritimias.

 

Apresentações Comerciais

Comprimidos de 15 mg.

 

Monitoração

Hemograma e urianálise periódicos. Dosagem de eletrólitos e provas de hemólise conforme quadro clínico.

 

Classificação na Gestação

Classe C. excreção no leite desconhecida.

 

Interações Medicamentosas

Pode aumentar o efeito da teofilina, mitarzapina e outras medicações.

 

Quinino

Modo de Ação

Diminui a captura de oxigênio e o metabolismo de carboidratos.

 

Indicações

Tratamento do plasmodium falciparum resistente à cloroquina.

 

Posologia e Modo de Uso

Dose de ataque de 20 mg/kg e, depois, 10 mg/kg a cada 8 horas na malária grave; com a melhora do quadro clínico, pode-se passar para o uso oral. A medicação deve ser diluída em solução glicosada e infundida lentamente.

O uso oral é feito por meio do sulfato de quinino 650 mg a cada 8 horas por 3 a 10 dias, associando-se clindamicina (900 mg a cada 8 horas) ou doxiciclina (200 mg/dia).

 

Efeitos Adversos

Zumbido, cefaleia às vezes intensa, anemia hemolítica, embaçamento visual, hipoglicemia e arritmias.

 

Apresentações Comerciais

Impalud® e Quinino ampolas® com 500 e 600 mg e Sulfato de quinino® comprimidos de 500 mg.

 

Monitoração

Sem indicações específicas de monitoração.

 

Classificação na Gestação

Classe X.

 

Interações Medicamentosas

Pode diminuir a ação da cloroquina; também aumenta efeito da amiodarona, glimeperida, fluoxetina, nateglinida, entre outras medicações.

 

Tinidazol

Modo de Ação

Citotóxico por efeito de dano ao DNA.

 

Indicações

Tratamento da giardíase, amebíase e tricomoníase.

 

Posologia e Modo de Uso

Na amebíase, 50 a 60 mg/kg/dia por 3 a 5 dias.

Na giardíase, 30 a 50 mg/kg/dia em dose máxima de 2 g/dia em dose única.

 

Efeitos Adversos

Náuseas, vômitos, diarreia, flatulência, fadiga, anorexia, dispepsia e gosto amargo na boca.

 

Monitoração

Sem indicações específicas de monitoração.

 

Classificação na Gestação

Classe C.

 

Interações Medicamentosas

Reação dissulfiram com o uso de álcool.

 

Referências

Craig P, Ito A. Intestinal cestodes. Curr Opin Infect Dis 2007; 20:524.

 

Drugs for Parasitic Infections, 3rd Ed, The Medical Letter, New Rochelle, NY 2013.

 

Hotez PJ, Brooker S, Bethony JM, et al. Hookworm infection. N Engl J Med 2004; 351:799.

 

Diemert DJ. Ascariasis. In: Tropical Infectious Diseases: Principles, Pathogens and Practice, 3rd ed, Guerrant RL, Weller PF, Walker DH (Eds), Saunders Elsevier, Philadelphia 2011. p.794.

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal