FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Preparação para Desastres

Autor:

Rodrigo Antonio Brandão Neto

Médico Assistente da Disciplina de Emergências Clínicas do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP

Última revisão: 08/08/2018

Comentários de assinantes: 0

Os desastres podem ocorrer em qualquer local do mundo; custam milhões de vidas e custaram bilhões de dólares em todo o mundo nas últimas décadas. Exemplos de desastres em grande escala incluem os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001; o tsunami de 2004 no Oceano Pacífico; o terremoto de 2010 no Haiti, entre outras situações. Os emergencistas, com frequência, apresentam importantes responsabilidades pela resposta a desastres na comunidade e no hospital.

Infelizmente, uma definição padrão de desastre ainda não é completamente aceita. A Organização Mundial de Saúde define um desastre como um fenômeno ecológico repentino de magnitude suficiente para exigir assistência externa. Um desastre é um evento que sobrecarrega os recursos da região ou do local em que ocorre. Além disso, um desastre hospitalar também pode ser definido como um evento que sobrecarrega os recursos do hospital de referência.

Um desastre hospitalar pode ser de qualquer tamanho e não se limita a incidentes de acidentes em massa. Um único paciente que ingeriu um pesticida pode sobrecarregar os recursos de um hospital se o hospital não estiver preparado para descontaminar o departamento de emergência (DE). Um único paciente com suspeita de catapora ou um único paciente influente (por exemplo, líder mundial ou celebridade) pode usar muitos recursos no DE, afetando o cuidado de outros pacientes.

Quando ocorre uma situação que altera os procedimentos normais de um DE, deve haver políticas e procedimentos para ativar uma resposta a desastres, direcionar a mobilização de pessoal e equipamentos e permitir a triagem rápida, a avaliação, a estabilização e o cuidado definitivo das vítimas.

 

Tipos de Distribuição

 

Os desastres são subdivididos em várias categorias. Desastres externos ocorrem em locais fisicamente separados do hospital na comunidade (por exemplo, acidente de transporte, acidente industrial). Um desastre interno é um evento que ocorre dentro dos limites do hospital (por exemplo, possível bomba, acidente de laboratório envolvendo agentes radiológicos, falta de energia).

Os desastres podem ser internos e externos (por exemplo, terremoto com vítimas em massa e danos ao hospital interno). Os desastres ainda podem ser divididos de forma ecológica em desastres naturais ou em desastres causados pela ação do homem se por ataque terrorista. Essa divisão tem pouca implicação prática, pois o que interessa é se o evento excede as capacidades de lidar com a demanda de um certo serviço.

 

Características de Desastres

 

Independentemente da causa, a maioria dos desastres tem características comuns que são importantes para a preparação e o planejamento de desastres. Em um desastre agudo, ou um desastre com um tempo identificável de início que produz vítimas (por exemplo, explosão, liberação de substâncias químicas, fogo, terremoto), o evento é seguido por um grande número de pacientes minimamente feridos que se apresentam aos hospitais mais próximos, geralmente sem triagem ou avaliação pré-hospitalar.

Isso é tipicamente seguido de transporte pré-hospitalar dos pacientes mais graves para os mesmos hospitais. Os pacientes iniciais podem ser atendidos em minutos, e os volumes de pico podem ser esperados em 2 a 3 horas após o evento. A grande maioria (>80%) dos pacientes não é transportada pelo pré-hospitalar, mas outros pacientes se autotransportam de carro, van, veículos da polícia, táxis, pé ou qualquer meio disponível para o DE mais próximo.

Mesmo em eventos agudos, os volumes de tendem a permanecer elevados por dias a semanas após eventos. Em eventos não agudos, como uma pandemia de uma doença infecciosa, os volumes de têm um início de surto mais lento, mas o DE permanece com volume elevado de paciente por períodos prolongados.

Os eventos podem ainda ser divididos em dinâmicos ou estáticos conforme a sua possibilidade de piorar ou se manter igual durante o tempo. Quanto às suas características em controlado, disruptivo ou paralíticos (quando interfere na mobilização) e em escala pequena, moderado ou grande e, ainda, se regionais, locais, nacionais ou internacionais. O evento no World Trade Center em 2001, por exemplo, foi dinâmico, paralítico, local e em grande escala. Essas escalas são dinâmicas e podem mudar conforme a evolução do desastre.

 

Preparação e Planejamento dos Desastres

 

O planejamento de qualquer tipo de desastre consiste em elementos comuns. Um grupo de planejamento de desastres hospitalares é responsável por gerar o plano de operações de emergência do hospital. O grupo deve se reunir regularmente para avaliar riscos, desenvolver e atualizar planos de desastres de curto e longo prazos, planejar exercícios e treinar e redesenhar o plano de desastres com base em avaliações de exercícios e eventos reais.

Os componentes gerais do plano de desastres incluem análise de vulnerabilidade a perigos, coordenação hospital-comunidade, integração, treinamento e desastres ? desenvolver planos específicos (para radiação, explosões, vítimas em massa, descontaminação) com base em uma avaliação dos potenciais desastres na área, bem como estudar os eventos que causariam mais transtornos ao DE e ao hospital.

 

Análise da Periculosidade

 

O grupo de planejamento hospitalar deve abordar os desastres com maior probabilidade de ocorrer em sua comunidade e área geográfica. Deve-se considerar a proximidade dos centros populacionais às ameaças de liberação química. Desastres relacionados a terrorismo podem ser priorizados em hospitais que estão próximos a locais que podem ser alvos terroristas significativos.

Incluem-se fatores como a proximidade de instalações de transporte (por exemplo, portos, aeroportos), bem como locais onde um grande número de pessoas se reúne (por exemplo, festivais, estádios, arenas) na avaliação de risco. A análise de vulnerabilidade a riscos pode priorizar os esforços de planejamento, pois diferentes desastres são caracterizados por diferentes padrões de morbidade e mortalidade e diferentes desafios para o pronto-socorro e para o hospital.

Terremotos podem causar lesões traumáticas graves que exigem uma concentração no paciente gravemente doente. As operações de resgate podem durar vários dias. Necessidades exclusivas, como diálise para insuficiência renal para múltiplas vítimas de lesões por esmagamento, podem precisar ser consideradas.

Os desastres naturais levam a um grande número de pessoas desabrigadas, cujas necessidades médicas diárias são exacerbadas pelo acesso limitado aos cuidados de saúde habituais, como ocorreu após o furacão Katrina. Armas químicas podem exigir descontaminação em massa, bem como um grande número de ventiladores, com antídotos que normalmente não estão disponíveis em grandes quantidades.

Idealmente, deve-se ter comissões que exigem que os hospitais membros tenham um plano por escrito para o atendimento oportuno de vítimas decorrentes de desastres externos e internos, e o hospital deve documentar o treinamento e o exercício desses planos. Todo hospital deve integrar seu plano de operações de emergência com os de agências comunitárias de gestão de desastres. Isso é especialmente importante em relação à notificação e à comunicação de desastres, ao transporte de vítimas e provisões para o envio de equipes médicas hospitalares para um local de desastre.

Relacionamentos fortes com o corpo de bombeiros, sistema regional de regulação de serviços de emergências são importantes para garantir uma resposta coordenada a desastres. Outras organizações com as quais um hospital pode interagir durante o processo de planejamento de desastres incluem os militares, os capítulos locais da Cruz Vermelha e comitês locais de planejamento de emergência.

 

Treinamento e Distribuição de Problemas

 

Treinamento e exercícios regulares familiarizam a equipe com seus papéis e responsabilidades em caso de desastre e identificam pontos fracos ou omissões nos planos que exigem acréscimos ou revisões. São realizados treinamentos com atores maquiados, até cenários de triagem em mesa, treinos que testam apenas certos componentes do plano de desastre (como ligar para pessoas específicas) e testes de comunicação. O ideal é um mínimo de dois exercícios anuais. Os cenários devem refletir os incidentes que provavelmente ocorrerão na comunidade, conforme determinado pela análise de vulnerabilidade a riscos.

 

Plano de Operação de Emergência

 

O plano de operações de emergência do hospital fornece uma resposta organizada do hospital desde o momento da notificação de um desastre até que a situação se normalize. As funções incluem ativação do plano de operações de emergência, estabelecimento de um centro de operações de emergência, avaliação da capacidade hospitalar, planejamento de capacidade, comunicações, fornecimento e reabastecimento, triagem e tratamento de vítimas, estabelecimento de áreas de apoio e término do estado de desastre para permitir a recuperação e o retorno às atividades normais.

Devem-se delimitar claramente as funções e responsabilidades de todos os funcionários do DE e de todos os funcionários que possam responder ao DE no processo de planejamento; essas funções devem ser claramente listadas e facilmente acessadas no caso de um desastre. Devem ser esclarecidas as razões para a ativação do plano de operações de emergência. A ativação do plano de operações de emergência deve proporcionar a mobilização imediata de suprimentos, equipamentos e pessoal.

O Sistema de Comando de Incidentes (Sicoin) é um sistema de gerenciamento de emergência padrão usado nos EUA para fornecer uma estrutura flexível de comando e controle sobre a qual organizar uma resposta e, no Brasil, há esse sistema em vários locais como em concessionárias de rodovias. O Sicoin é, geralmente, usado quando há uma única cena identificável para um evento de desastre, como o local de um acidente de avião.

Ao padronizar uma estrutura organizacional e usar a terminologia comum, o Sicoin fornece um sistema de gerenciamento que é adaptável a incidentes envolvendo uma resposta multiagências ou multijurisdicional. No nível mais básico, existem cinco componentes principais para a estrutura organizacional:

               comando de incidentes

               operações

               planejamento

               logística

               finanças

 

Com esse tipo de infraestrutura organizacional e com a flexibilidade para expandir e reduzir conforme a necessidade, uma resposta ordenada e eficiente a qualquer incidente pode, teoricamente, ser implementada. Após a notificação de um desastre, um centro de operações de emergência dentro do hospital deve ser estabelecido em uma área pré-designada. Esse centro deve ser capaz de se comunicar com a área do DE e a triagem e com autoridades externas como polícia e pré-hospitalar.

Outras responsabilidades do centro de operações de emergência incluem a abertura de enfermarias hospitalares adicionais para apoiar a resposta de uma jurisdição local. As equipes incluem médicos, enfermeiros, médicos, farmacêuticos e logística. Idealmente, o comandante para cada incidente deve ser o de maior conhecimento sobre o tipo de incidente que ocorrer (ambiental, químico) independentemente da hierarquia comum do hospital.

 

Avaliação da Capacidade do Hospital

 

Antes que o hospital possa receber vítimas, deve ser determinado se ele sofreu qualquer dano estrutural como resultado de um desastre. Esses incluem passagens bloqueadas ou elevadores inoperáveis; potencial de incêndio, explosão ou colapso do edifício; falha de utilitários, perda de equipamentos ou suprimentos; contaminação da água; e problemas de acesso externos.

Essa avaliação de danos geralmente é de responsabilidade do responsável pela segurança do hospital ou engenheiro. Se a integridade estrutural do hospital estiver comprometida, pode ser necessário iniciar o plano de evacuação para evacuar funcionários e pacientes. Uma vez determinado que o hospital em si é seguro, o hospital deve determinar quantas vítimas do local do desastre ele pode gerenciar com segurança. Isso pode ser limitado pela disponibilidade de pessoal, camas, salas de cirurgia e capacidade da unidade de terapia intensiva, e suprimentos, bem como pelo tipo de desastre e a disponibilidade de outros recursos da comunidade.

No momento da notificação de desastres, é necessário conhecer o status de muitas das capacidades do hospital: quantos leitos estão disponíveis, quantos suprimentos e medicamentos críticos estão disponíveis, quantos funcionários estão em serviço, que danos foram causados, se muitas salas de cirurgia estão em uso, os médicos que estão presentes no hospital, e assim por diante.

Outro conceito importante é a capacidade de surto, isto é, de aumentar a capacidade do leito hospitalar acima dos limites normais. Exemplos desse aumento de capacidade podem incluir a duplicação de pacientes em quartos, a conversão de uma enfermaria em uma UTI, abrir enfermarias previamente fechadas ou cuidado de pacientes em locais tipicamente não clínicos, como a lanchonete. Medidas locais ou regionais podem incluir a colocação de pacientes hospitalizados em uma unidade de baixa acuidade externa, móvel ou fixa, e a alteração dos padrões de atendimento.

O estabelecimento de boas comunicações é crítico em qualquer desastre ou situação de acidentes em massa. Mesmo os melhores planos de desastre falham sem sistemas de comunicação bem estabelecidos. Infelizmente, a experiência mostra que essa função essencial é difícil de conseguir por uma variedade de razões. Muitos modos de comunicação tornam-se inoperantes durante um desastre. Os telefones celulares, em particular, são frequentemente sobrecarregados em desastres. O planejamento de desastres deve incluir um plano de várias camadas para comunicação intra-hospital (quadro negro, rádios bidirecionais, mensageiros).

 

Suprimentos

 

Durante um desastre, os suprimentos e equipamentos necessários devem estar prontos para distribuição imediata nos locais apropriados do hospital. Cada hospital precisará estimar a quantidade de suprimentos que serão necessários em estoque para além de seu suprimento hospitalar regular. Infelizmente, devido ao estoque sem folgas, a maioria dos hospitais não tem suprimentos suficientes que possam ser usados em um desastre.

Devem ser estabelecidos centros de informações para familiares. Durante um desastre, famílias e amigos chegam ao hospital em busca de informações sobre as vítimas. Essa convergência pode interferir seriamente nos esforços do hospital para responder efetivamente à situação. Por esse motivo, a necessidade de áreas pré-designadas, isto é, uma área separada para os membros da família que buscam informações. Essa área também pode ser usada para dispensar pacientes hospitalizados e tratar vítimas de desastres.

Em grandes desastres, antecipa-se o potencial para um grande número de voluntários, incluindo aqueles que desejam doar sangue. Embora algumas dessas pessoas possam ter habilidades clínicas apropriadas, é improvável que estejam familiarizadas com as funções do hospital, e podem se tornar um problema ao invés de ajudar. Um local separado deve ser identificado para lidar com esses voluntários e, se apropriado, avaliar como podem ser utilizados. Essa área deve incluir todos os equipamentos e pessoal necessários para realizar a credenciação de emergência (se apropriado e necessário).

Se possível, deve-se estabelecer um centro de mídia direcionando os membros da mídia para uma sala ou escritório do hospital longe do DE e supervisionados de perto por um administrador do hospital ou funcionário de relações públicas. Recomenda-se ter um único porta-voz do hospital para transmitir informações à mídia.

 

Descontaminação, Triagem e Tratamento

 

Certas áreas do hospital devem ser designadas para funções específicas, incluindo descontaminação, triagem, atendimento de vítimas maiores e menores, atendimento pré-cirúrgico e triagem cirúrgica, assistência psiquiátrica e instalações de necrotérios. O plano deve ser bastante específico quanto a função dessas áreas, requisitos de pessoal e suprimentos básicos a serem utilizados. A descontaminação deve ser realizada em uma área que esteja fora da área de atendimento clínico do DE. Tipicamente, essa área está localizada externamente ao DE, mas pode estar em locais internos.

Deve-se fornecer cobertura ao paciente e proteção do ambiente. Pacientes expostos a um gás totalmente disperso precisam ser avaliados quanto a sintomas pulmonares e toxicidade sistêmica; normalmente, não necessitam de descontaminação. Quando é incerto se uma substância é um gás ou realmente um vapor ou névoa, a descontaminação deve ocorrer. O pessoal do hospital deve ter a capacidade inicial de descontaminar um paciente de cada vez com um sistema de chuveiro ou mangueira, enquanto monta uma barraca maior ou um sistema de descontaminação para várias pessoas, evitando que os pacientes entrem no DE antes da descontaminação.

O pessoal do hospital requer equipamento de proteção individual de nível C durante a realização da descontaminação. Níveis mais altos de proteção não são necessários e devem ser usados apenas por hospitais que sigam rigorosos protocolos e critérios de treinamento e usem somente pessoal treinado especificamente para usar o equipamento. É sugerido que se tenha equipamento suficiente para várias pessoas e rotações de pessoal dentro e fora da zona de descontaminação a cada 30 minutos.

As roupas e os pertences do paciente devem ser individualmente ensacados e etiquetados. Relógios, brincos, piercings corporais, joias e lentes de contato devem ser removidos. Os aparelhos auditivos devem ser limpos com um pano umedecido e podem ser devolvidos aos pacientes após o procedimento de descontaminação, porque a necessidade de ouvir as instruções supera qualquer risco de usar o aparelho auditivo. Limpar um paciente da cabeça aos pés (ou dar banho) por 5 minutos irá descontaminar a maioria dos pacientes ambulatoriais.

Pacientes com materiais aderentes precisarão de uma limpeza adicional do cabelo e partes do corpo afetadas com sabão para removê-los. Assistência médica será necessária em algumas circunstâncias. Crianças pequenas precisam de ajuda e tranquilidade, e devem ser descontaminadas com a ajuda de um dos pais ou responsável que possa segurar e tranquilizar a criança enquanto a equipe médica realiza a descontaminação.

Após o procedimento de descontaminação, se necessário, devem ser fornecidas roupas hospitalares e triagem de pacientes a uma área para aguardar uma avaliação adicional. Dispositivos médicos críticos (bombas de infusão, aparelhos auditivos, bolsas de ostomia, etc.) podem permanecer com o paciente, a menos que uma substância química de alto risco tenha sido identificada.

Pelo menos um medidor de pesquisa de radiação (por exemplo, contador Geiger-Muller) e pessoal treinado em seu uso são necessários para eventos que potencialmente envolvam radioisótopos. A equipe envolvida no processo e nos sistemas de descontaminação precisa de exercícios anuais de treinamento e prática, com debriefing avaliando os pontos fortes e fracos aprendidos de cada simulação com o pessoal do hospital para melhorar a preparação e o desempenho. Os equipamentos de proteção individual devem estar disponíveis para a equipe do hospital que auxilia na descontaminação.

A entrada do paciente deve ser restrita a apenas um local, que é a área de triagem. As funções primárias de uma área de triagem de desastres são a avaliação rápida de todas as vítimas ou pacientes doentes, o registro e identificação do paciente, a atribuição de prioridades para o manejo e a distribuição dos pacientes às áreas apropriadas de tratamento no pronto-socorro e hospital.

 

Tratamento

 

O atendimento ao paciente em desastres requer alteração de escala e, às vezes, localização de cuidados clínicos, mas a equipe deve desempenhar as funções clínicas que lhes são familiares; assim, uma equipe clínica deve cuidar de pacientes clínicos e uma equipe cirúrgica, de casos cirúrgicos. Várias exceções a essa regra podem existir (descontaminação); no entanto, em geral, a equipe é mais eficiente em executar tarefas típicas rapidamente do que em aprender novas tarefas em tempo real.

As estações de atendimento ao paciente devem ser organizadas para que os médicos que estejam familiarizados com a avaliação e o tratamento dos problemas clínicos possam contratá-los. Um método sugerido de organização de estações de atendimento ao paciente inclui áreas de “reanimação” e de casos de menor complexidade.

A partir do local da triagem, a maioria dos pacientes gravemente feridos será enviada para a área de ressuscitação (trauma e ressuscitação cardíaca, tratamento de choque hipovolêmico ou séptico, desconforto respiratório grave). Geralmente, esta localiza-se fisicamente no DE e é composta por médicos emergencistas.

Em quase todas as situações de desastre, a maioria dos pacientes não é gravemente ferida. Os com baixa gravidade podem ser encaminhados para uma área de “cuidados urgentes” para atendimento definitivo, incluindo imobilização de fraturas, fechamento de lacerações, profilaxia antitetânica e observação de sintomas tardios. Essa área de tratamento menor pode ser estabelecida nos ambulatórios do hospital e com a equipe dos médicos da clínica.

Deve-se enviar pacientes com trauma que estão inicialmente estabilizados no DE para a área de espera cirúrgica para preparação e observação pré-operatória. O número de salas de operação que podem ser equipadas é o principal fator limitante na prestação de cuidados definitivos para um grande número de vítimas gravemente feridas. O cirurgião mais experiente disponível deve assumir a responsabilidade de priorizar os casos e atribuir rapidamente os cirurgiões a casos individuais.

No caso de um desastre envolvendo vítimas em massa e até mesmo danos materiais, é comum que os pacientes apresentem episódios de ansiedade e depressão, ou exacerbações de seus distúrbios psiquiátricos. Os visitantes podem ser extremamente prejudiciais para as operações de desastre hospitalar. Deve-se criar uma área isolada separada para receber indivíduos que necessitam de intervenção psicológica. Deve-se considerar avaliar pacientes e funcionários do hospital que são psicologicamente afetados pelo desastre e avaliar a criação de uma equipe de resposta ao estresse, incluindo assistentes sociais e psiquiatras, para fornecer suporte e análise crítica do estresse.

Os desastres podem resultar em um grande número de mortes. As capacidades do necrotério podem precisar ser expandidas para outras áreas do hospital (área de anatomia da escola médica, auditório). A visualização de pacientes falecidos deve ocorrer em uma área específica, e não em áreas de tratamento. Assim que apropriado, devem ser feitos esforços diretos para devolver o hospital às operações normais.

Além do reabastecimento e da limpeza, é importante considerar o estresse emocional experimentado pela equipe. Em uma tentativa de reduzir o impacto psicológico desses eventos em respondedores médicos, uma técnica conhecida como debriefing de incidentes críticos foi introduzida em 1993. Dados de experiências anteriores sugerem que tal intervenção possa ajudar os provedores a manter o desempenho e a satisfação no trabalho, resultando em melhor atendimento ao paciente. Deve-se fornecer a todos os membros que participaram do desastre a oportunidade de participar do interrogatório de estresse de incidentes críticos, bem como analisar com cuidado as deficiências no plano de desastre de um hospital que são reveladas durante um desastre e elaborar um relatório pós-ação.

No campo, a equipe de resgate geralmente usa uma técnica simples de triagem e tratamento rápido que depende de uma avaliação rápida do estado respiratório, da perfusão, do controle da hemorragia e do estado mental. Os pacientes são, então, submetidos a cuidados imediatos, tratamento tardio ou considerados pacientes inviáveis. Posteriormente, deve-se determinar quanto e que tipo de cuidado administrar no local do desastre dependendo de vários fatores.

Se o número de pacientes for pequeno e houver suficiente pessoal pré-hospitalar e recursos de transporte disponíveis, o atendimento médico no local poderá ser realizado de maneira normal, com rápida estabilização e transporte para hospitais próximos. Quando o tempo de extração do paciente for prolongado, intervenções como ressuscitação volêmica e controle da dor devem ser instituídas no campo. Por outro lado, o transporte rápido e precoce, com um mínimo de tratamento, deve ser praticado quando houver perigo para as equipes de resgate e vítimas de incêndio, explosão e condições climáticas extremas.

O sistema de triagem Start destina-se à triagem de pacientes em categorias que refletem um equilíbrio entre o uso de recursos e a probabilidade de sobrevivência. A categoria 1 (preto) inclui pacientes que morrerão independentemente de quanto cuidado receberem. Dedicar tempo e recursos a pacientes que provavelmente não viverão compromete outros pacientes que são verdadeiramente viáveis.

O objetivo com esses pacientes “expectantes” deve ser o controle adequado da dor e a oportunidade de estar com amigos e familiares. A categoria 2 (verde) inclui pacientes que sobreviverão se receberem ou não cuidados. A categoria 3 (vermelho) inclui pacientes que se beneficiarão significativamente de intervenções de campo.

As comunicações locais de emergência ou o centro de operações de emergência devem alertar os hospitais da área afetada sobre possíveis situações de massa/múltiplas carências ou desastres. Esse relatório deve incluir o número total de feridos, o número de feridos graves (que podem necessitar da capacidade da UTI) e o número para o qual o tratamento ambulatorial é suficiente.

Os hospitais devem informar ao centro de comunicações de emergência local as seguintes informações: disponibilidade de leitos, número de vítimas recebidas até o momento, número de vítimas adicionais que o hospital está preparado para aceitar e itens específicos em escassez.

Deve-se manter uma boa comunicação entre os hospitais e o comando pré-hospitalar no local a fim de minimizar a distribuição desigual das vítimas; alertar o comandante do incidente na cena imediatamente de um hospital potencialmente sobrecarregado. Nessa situação, os menos feridos e mais estáveis podem ser enviados a uma distância maior dos hospitais periféricos.

Equipes médicas de desastres no local, enviadas de hospitais locais, podem ser valiosas em situações nas quais as vítimas precisam de uma extração prolongada; rotas de transporte são bloqueadas, impedindo a evacuação fácil para os hospitais; ou o número de vítimas é de tal magnitude que excede as capacidades de transporte.

Lembra-se, entretanto, que médicos e enfermeiros funcionam otimamente em um ambiente hospitalar. Poucos estão preparados para trabalhar sob condições de campo precárias. Essas equipes baseadas em hospitais provavelmente não devem vir da equipe do DE até que a equipe de apoio tenha chegado para cuidar dos pacientes chegando do local do desastre ou que já estão presentes. O hospital designado deve armazenar kits de triagem de desastre contendo equipamentos essenciais de ressuscitação e estabilização para uso em campo.

Quando uma chamada é feita para o hospital, indicando a ocorrência de um desastre, o incidente deve ser verificado pelo comandante designado apropriado, que, então, coloca em prática o plano de operações de emergência. Em alguns casos, o primeiro sinal de um desastre pode ser a chegada de pacientes ao hospital. Nesse contexto, deve-se entrar em contato com o centro regional de comunicações de emergência para notificar os hospitais regionais do desastre iminente e iniciar o plano de operações de emergência. Isso coloca uma série de atividades em movimento.

Se as comunicações telefônicas do hospital tiverem sido completamente interrompidas, o pessoal do DE pode ter que ser alcançado por meio de anúncios via rádio, telefone celular, e-mail ou televisão. Como alternativa, uma calling station remota do hospital, como na residência de um administrador, médico ou enfermeiro, pode ser capaz de lidar com esse trabalho extenso sem sobrecarregar o sistema telefônico do hospital.

Uma avaliação inicial das necessidades é realizada pelo enfermeiro e/ou médico responsável, dadas as informações disponíveis. Eles devem avaliar o estado atual dos pacientes no DE e tomar as decisões apropriadas de manejo e referenciamento. O médico ou enfermeiro de emergência se torna o comandante de incidentes no local até a chegada do comandante do incidente designado pelo plano.

Entre as decisões a serem tomadas estão aquelas relacionadas à admissão, à alta ou à transferência de pacientes e decisões sobre a prioridade do atendimento ao paciente. Devem ser retirados todos os pacientes não emergenciais do DE com indivíduos responsáveis. A enfermeira e o médico encarregado, então, designam a equipe para as áreas do departamento que serão usadas durante o desastre.

Deve-se levar todas as macas e cadeiras de rodas disponíveis para a entrada da ambulância imediatamente após o anúncio do estado do desastre. Os pacientes do local do desastre são atendidos na área receptora por escoltas hospitalares que auxiliam os paramédicos na transferência de pacientes para cadeiras de rodas ou macas.

Deve-se colocar os equipamentos essenciais, como tubos endotraqueais, fluidos IV, colares, talas e bandagens, perto da entrada da ambulância para permitir o repovoamento conveniente da ambulância (quando os planos exigirem o reabastecimento de ambulâncias dos hospitais) e retorno rápido ao local do desastre.

 

Segurança

 

A segurança do hospital desvia os veículos não essenciais e garante um fluxo suave e unidirecional do tráfego para a entrada da ambulância. Quando os pacientes, a família e a mídia chegam, a segurança também é responsável por proteger as áreas de tratamento e inibir a entrada não planejada no hospital. A triagem estabelece prioridades para o atendimento e determina a área clínica do tratamento. Muitas pessoas que buscam ajuda chegarão independentemente do sistema pré-hospitalar.

A triagem precisa ser realizada na entrada do DE, mesmo que tenha sido feita no local. A categoria de triagem é identificada pelo uso de uma faixa colorida ou marca de trauma/desastre que é colocada no paciente para documentar que a triagem foi feita. A abordagem da avaliação e do tratamento do paciente é bastante diferente quando se lida com situações de desastre que resultam em altas baixas.

Para realizar o melhor para o maior número de pacientes, a equipe de triagem deve avaliar todos os pacientes que chegam ao DE e classificar sua condição no que diz respeito à gravidade da lesão e à necessidade de tratamento. Alguns princípios de cuidados médicos devem ser alterados para alcançar o melhor resultado geral. O atendimento ao paciente na triagem deve ser limitado à abertura manual de vias aéreas e ao controle da hemorragia externa.

A classificação de triagem mais comum nos EUA ainda envolve a designação de pacientes para uma das quatro categorias codificadas por cores (vermelho, amarelo, verde ou preto), dependendo da gravidade da lesão e do prognóstico. Além da natureza e da urgência da condição sistêmica do paciente, as decisões de triagem devem ser sensíveis a fatores que afetam o prognóstico, como idade, estado geral de saúde e condição física anterior do paciente, bem como a qualificação.

Uma equipe composta por um emergencista, um enfermeiro de pronto-socorro e registros médicos ou funcionários de admissão deve receber todos os pacientes. Em situações extraordinárias, várias equipes de triagem podem ser necessárias para lidar com a carga de acidentes. Deve-se reconhecer o médico que está realizando a triagem do hospital por um colete ou outra peça de roupa especialmente colorida.

Atribui-se a um membro da equipe de triagem (admissão ou atendente de registros médicos) a tarefa de registrar o nome da vítima na etiqueta de desastre junto com o destino da triagem dentro do hospital. Se a identificação do paciente não estiver disponível, a etnia, o sexo e a idade aproximada devem ser anotados na etiqueta. Uma impressão diagnóstica inicial também deve ser registrada na etiqueta.

Essas informações são inseridas em um registro de departamento ou no prontuário eletrônico se possível. Cuidados adicionais podem ser registrados no registro médico eletrônico ou em uma tabela de desastres em papel e mantidos com o paciente em todos os momentos e depois digitalizados no prontuário eletrônico.

Eventos explosivos relacionados a terroristas ou industriais podem levar a condições médicas ou exposição a substâncias que não são familiares aos médicos. Os pacientes podem requerer observação prolongada ou testes exclusivos. Para exposições infecciosas, as agências de saúde pública locais/estaduais podem orientar testes, tempo de observação e tratamento.

Devem ser utilizados estudos radiográficos e laboratoriais com moderação, se for o caso, em uma situação de grande número de vítimas, e somente se os resultados de tais testes irão mudar o tratamento. Por exemplo, possíveis fraturas não encarceradas fechadas podem ter as radiografias adiadas com segurança por 24 a 48 horas.

Uma radiografia de tórax pode ser apropriada naqueles pacientes que se queixam de dor torácica, dispneia ou movimento anormal da parede torácica, ou que foram potencialmente expostos a ondas de choque secundárias a bombas. A tomografia computadorizada (TC) pode ser mais rápida que radiografias simples em algumas lesões, e a priorização da TC pode ser necessária. A ultrassonografia para detectar fluido intraperitoneal livre, fluido pericárdico e pneumotórax é eficiente em termos de tempo e custo, e tem sido usada em terremotos para triagem de cuidados cirúrgicos.

Com exceção da identificação de agentes biológicos e químicos, há poucas indicações para testes laboratoriais na medicina de desastre. Se os testes mudarem o manejo, utilizam-se os testes no ponto de atendimento para agilizar o atendimento ? por exemplo, obter um hematócrito e tipagem sanguínea. Os oxímetros de pulso podem precisar ser usados como avaliações pontuais, em vez de monitoração contínua do leito de um único paciente.

Em uma situação de desastre que envolve muitas vítimas, o banco de sangue deve ter até 50 unidades de sangue disponíveis, bem como o acesso a doadores voluntários que possam ser rapidamente mobilizados. Doadores em potencial incluem amigos e familiares de pacientes, bem como pacientes levemente feridos.

 

Referências

 

1-Schultz CH, Koenig KL. Disaster Preparedness in Rosen’s Emergency Medicine 2018.

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal