FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Última revisão: 09/08/2017

Comentários de assinantes: 0

Quadro Clínico

Paciente do sexo feminino, 17 anos de idade, queixa-se de recorrentes aftas na mucosa da cavidade oral. Nunca realizou tratamentos medicamentosos prolongados, nem precisou de internações ou cirurgias; possui hábitos de vida absolutamente normais e sem antecedentes mórbidos familiares dignos de nota. Na Figura 1, pode-se visualizar a cavidade oral da paciente.


imagem para ampliar

Figura 1 Cavidade oral da paciente.

 

 Discussão

Trata-se de um quadro de úlceras orais (as populares aftas), as quais se caracterizam por serem dolorosas e aparecerem como úlceras localizadas, rasas, redondas a ovais, com base acinzentada. A estomatite aftosa recorrente (EAR) é a causa mais comum das úlceras orais, podendo ser vista em pacientes com doença celíaca e doença inflamatória intestinal e em indivíduos com infecção pelo vírus da imunodeficiência adquirida (HIV).

Entre os fatores que predispõem ao desenvolvimento de EAR, estão: tendência familiar, trauma, fatores hormonais e estresse emocional. A deficiência de vitaminas e minerais também tem sido constatada na patogênese de aftas orais recorrentes, particularmente a deficiência da vitamina B12.

A apresentação mais comum de EAR é a presença de úlceras redondas, claramente definidas, pequenas e dolorosas, que cicatrizam em 10 a 14 dias sem deixar marcas. Algumas pessoas têm apenas dois a quatro surtos por ano, enquanto outros pacientes podem ter lesões quase que contínuas. As lesões ocorrem mais comumente na infância e na adolescência, sendo menos frequentes na idade adulta.

O tratamento mais comum para as úlceras orais inclui alívio sintomático com agentes como triancinolona em orabase, gel de fluocinonida e analgésicos tópicos. Esses agentes devem ser aplicados nas úlceras 2 a 4 vezes por dia até que as lesões estejam curadas.

Dentre os diagnósticos diferenciais importantes a serem lembrados, estão:

· a síndrome de Behçet (desordem inflamatória neutrofílica, que apresenta úlceras recorrentes orais e genitais);

· a aftose complexa (ocorrência de úlceras orais recorrentes grandes em conjunto com lesões genitais na ausência de outros critérios para a síndrome de Behçet);

· a formação de úlceras cutâneas e em mucosas, estimulada pelo medicamento nicorandil, um ativador de canais de potássio utilizado no tratamento da angina sendo esse diagnóstico ainda mais raro.

           

       Bibliografia  

1. Ship JA. Recurrent aphthous stomatitis. An update. Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral Radiol Endod 1996; 81:141.

2. Bratel J, Hakeberg M. Anamnestic findings from patients with recurrent aphthous stomatitis. Swed Dent J 2014; 38:143. 

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal