FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Instruções de Uso

Última revisão: 14/09/2015

Comentários de assinantes: 0

Reproduzido de:

Formulário Terapêutico Nacional 2010: Rename 2010 [Link Livre para o Documento Original]

Série B. Textos Básicos de Saúde

MINISTÉRIO DA SAÚDE

Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos

Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos

Brasília / DF – 2010

 

As Partes

Este Formulário está dividido em quatro partes: capítulos gerais, capítulos introdutórios (seções A, B e C), monografias e apêndices.

Os Capítulos Gerais, contidos na Parte I, incluem textos referentes a temas gerais de farmacoterapia que tratam de prescrição de medicamentos, uso de medicamentos em crianças e idosos, interações de medicamentos e reações adversas.

Na Parte II, encontram-se as Seções contendo texto introdutório às monografias que discute as provas clínicas que justificaram as inclusões dos medicamentos na Rename e, portanto, naquele grupo farmacológico. Assim, a Seção A inclui medicamentos usados em manifestações gerais de doenças, a Seção B os medicamentos usados em doenças de órgãos e sistemas orgânicos e a Seção C compreende outros medicamentos e produtos para a saúde.

As Monografias dos medicamentos constantes na Rename estão contidas na Parte III, em ordem alfabética,considerando-se itens relevantes para adequada prescrição.

Finalmente, na Parte IV, foram acrescentados quatro apêndices dos quais constam tabelas que tratam dos seguintes temas: (A) fármacos e gravidez; (B) fármacos e lactação; (C) fármacos e hepatopatias, e (D) fármacos e nefropatias.

 

 

 

A qualidade das informações

O material bibliográfico deste Formulário baseia-se em informações atuais, independentes e cientificamente fidedignas e foi selecionado com isenção de conflitos de interesses. As evidências advêm de fontes de elevado crédito, como estudos com adequado método científico, as bases de dados Clinical Evidence, Biblioteca Cochrane e outras publicações internacionais de medicamentos. As referências das fontes empregadas na elaboração dos capítulos gerais e dos apêndices foram dispostas no fim dos respectivos textos. As referências dos capítulos introdutórios das Seções A, B e C bem como das monografias foram agrupadas no fim de cada uma das Partes. Nas monografias considerou-se bibliografia básica composta de oito fontes terciárias (livros e bases de dados). Em alguns casos, a bibliografia básica foi acrescida de outras fontes científicas; todas as fontes citadas nas monografias estão alocadas ao final da Parte III do Formulário, iniciando-se com as oito fontes básicas.

 

Provas referentes aos medicamentos selecionados

As provas clínicas subsidiam as inclusões dos medicamentos na Rename e justificam as indicações terapêuticas. Dependendo dos estudos que dão origem às provas, geram-sediferentes graus de recomendação.

A conduta com base em provas intensifica benefícios e reduz riscos e custos, características do modelo de uso racional de medicamentos. Constitui-se, pois, em estratégia que visa a promoção deste uso por todos os profissionais da saúde e pelos consumidores. Por isso todo o empenho deve ser voltado para selecionar a melhor evidência disponível capaz de melhorar a saúde individual e a coletiva, fornecendo condições que permitam sua incorporação à prática diária.

 

Monografias

As monografias contêm informações sucintas, objetivas e relevantes para auxiliar a prescrição, dispensação e uso racional de medicamentos. Destacaram-se em cada item somente as informações cuja pertinência clínica fosse importante na sua utilização habitual, considerando indicações, contraindicações, precauções, efeitos adversos, interações medicamentosas, armazenamento e orientações específicas dirigidas a profissionais da saúde e pacientes. O nome dos fármacos seguiu a Denominação Comum Brasileira (DCB) em versão atualizada de 2010. Especificamente quanto a imunobiológicos, a designação de algumas vacinas não consta na DCB.

As apresentações são as constantes na Rename. Dependendo da natureza do uso (indicações, formas farmacêuticas etc), foram elaboradas mais de uma monografia para o mesmo fármaco.

Em algumas monografias há um quadro de destaque, contendo a palavra “ATENÇÃO”, para as informações relevantes que não se incluem nos itens da monografia ou que podem estar dispersas em mais de um item.

Os itens constantes nas monografias são relacionados abaixo.

 

Itens constantes nas Monografias

NOME DO FÁRMACO – nome na Rename, DCB

APRESENTAÇÕES – foram dispostas as apresentação constantes na Rename 2010.

INDICAÇÕES – selecionadas preferentemente as que tem prova de nível 1 com grau de recomendação A.

CONTRAINDICAÇÕES – foram apresentadas as contraindicações absolutas.

PRECAUÇÕES – incluem as contraindicações relativas e informações referentes a grupos de risco.

ESQUEMAS DE ADMINISTRAÇÃO – tratados por indicação e faixa etária, considerando as apresentações da Rename 2010. Indicaram-se doses e vias de administração e, em alguns casos, o modo de administração (por exemplo, infusão lenta etc.).

ASPECTOS FARMOCOCINÉTICOS CLINICAMENTE RELEVANTES (justificação para a prescrição) – aspectos relacionados com a absorção, biodisponibilidade, latência (início da ação), duração da ação, pico de efeito, meia-vidade eliminação, metabolismo e excreção.

EFEITOS ADVERSOS – foram citados os mais frequentes e mais graves, agrupados por sistemas.

INTERAÇÕES DE MEDICAMENTOS – consideraram-se efeitos sinérgicos ou antagônicos, incluindo interações contraindicadas, graves e moderadas.

ORIENTAÇÕES AOS PACIENTES – foram destacadas as informações sobre uso do medicamento que os profissionais de saúde devem comunicar ao paciente.

ASPECTOS FARMACÊUTICOS – informações sobre conservação, transporte, preparo, incompatibilidades – orientação aos profissionais quanto a preparação e particularidades das formas farmacêuticas.

 

Como encontrar um fármaco

Os fármacos podem ser encontrados pelo índice, em ordem alfabética. Por exemplo, acetato de hidrocortisona ou hidrocortisona. As monografias, na Parte III, estão dispostas também em ordem alfabética.

O leitor poderá também buscar informações sobre o fármaco na seção em que está incluído na Rename. Por exemplo, para encontrar o fármaco carbamazepina, basta procurar da seguinte forma:

 

Procurar a Seção:

SEÇÃO B. MEDICAMENTOS USADOS EM DOENÇAS DE ÓRGÃOS E SISTEMAS ORGÂNICOS

 

E então a subseção:

13 MEDICAMENTOS QUE ATUAM SOBRE O SISTEMA NERVOSO CENTRAL

 

Por fim o grupo farmacológico:

13.1 Anticonvulsivantes

Carbamazepina

Nos grupos farmacológicos, dispostos nos capítulos introdutórios da Parte II, serão mencionados os fármacos daquele grupo incluídos na Rename 2010. Ao final do texto sobre cada fármaco remete-se para a página da monografia correspondente (ver monografia, página 445).

Apêndices

Foram incluídos quatro apêndices que se referem a cuidados e manejos envolvidos no uso de fármacos em gravidez (Apêndice A), lactação (Apêndice B), hepatopatias (Apêndice C) e nefropatias (Apêndice D). As informações contidas complementam aquelas das monografias. Ou seja, a chamada para o apêndice indica que o leitor poderá encontrar uma explicação detalhada. Não se recomenda a consulta aos Apêndices sem prévia leitura da monografia.

Abreviaturas, siglas e unidades de medida

O quadro 2 apresenta o significado de abreviaturas, siglas e unidades citadas nos capítulos e monografias do FTN.

 

Quadro 2. Abreviaturas, siglas e unidades de medida

 

SIGLAS/ABREVIATURAS/

UNIDADES DE MEDIDA

SIGNIFICADO

ABC

abacavir

ABS

acrilonitrila, butadieno, estireno

ADEC

Australian Drug Evaluation Committee

AE

atividade específica

Aids

síndrome da imunodeficiência adquirida

AINE

anti-inflamatório não-esteroide

ALT

alanina aminotransferase

APD

diálise peritoneal automatizada

ARV

antirretroviral

ASA

American Society of Anesthesiologists

AST

aspartato aminotransferase

ATV

atazanavir

ATVr

atazanavir + ritonavir

AUC

área sob a curva

AV

atrioventricular

AZT

zidovudina

BAP

bleomicina, doxorrubicina, cisplatina

BCG

bacilo Calmette-Guérin

BEAM

carmustina, etoposídeo, citarabina, melfalana

°C

grau célsius (centígrado)

CAP

ciclofosfamida, doxorrubicina, cisplatina

CAPD

diálise peritoneal ambulatorial continuada

CAT

ciclofosfamida, topotecano, citarabina

CAV

ciclofosfamida, doxorrubicina, vincristina

CD3

complexo proteico 3 (cluster of differentiation 3, em inglês)

CD4

 

 

grupamento de diferenciação 4 (cluster of differentiation 4, em inglês), é uma molécula que se expressa na superfície de algumas células T

CEV

carboplatina, epirrubicina, etoposídeo

CK

creatina quinase

CMF

ciclofosfamida, metotrexato, fluoruracila

CMV

citomegalovírus

CO2

gás carbônico

CODOX-M

 

ciclofosfamida, doxorrubicina, vincristina, metrotexato em altas doses, metotrexato intratecal

  

COMT

catecol-O-metiltransferase

COP-BLAM

ciclofosfamida, vincristina, prednisona, bleomicina, doxorrubicina

 

e procarbazina

COX-1

enzima ciclo-oxigenase 1

COX-2

enzima ciclo-oxigenase 2

CTL

contagem total de linfócitos

CYP2D6

isoenzima 2D6, membro do complexo citocromo P450

CYP3A4

isoenzima 3A4, membro do complexo citocromo P450

DAT

citarabina, daunorrubicina, tioguanina

DCE

depuração da creatinina endógena

ddI

didanosina

DI

doxorrubicina, ifosfamida

DIME

dexametasona, ifosfamida, epirrubicina

dL

decilitro

DPOC

doença pulmonar obstrutiva crônica

DST

doença sexualmente transmissível

DT

difteria e tétano

DTP + HiB

 

difteria, tétano, pertussis (coqueluche) e Haemophilus influenzae tipo B (vacina tetravalente)

ECA

enzima conversora de angiotensina

ECF

epirrubicina, cisplatina, fluoruracila

ECG

eletrocardiograma

EDTA

ácido etilenodiaminotetracético

EFZ

efavirenz

EMA

etoposídeo, metotrexato, actinomicina

ESHAP

etoposídeo, metilprednisolona, cisplatina, citarabina

FDA

Food and Drug Administration

FG

filtração glomerular

FiO2

fração de oxigênio inspirado

FN

Formulário Nacional

g

grama

g/dL

grama por decilitro

G1P1[8]

 

código de um sorotipo utilizado na produção de vacinas contra rotavírus

G6PD

glicose-6-fosfato desidrogenase

GABA

ácido gama-aminobutírico

GAMAGT

gama-glutamiltransferase

G-CSF

fator estimulante de colônias de granulócitos

h

hora

  

 

HDL

lipoproteínas de alta densidade

HiperVAD

ciclofosfamida, mesna, vincristina, doxorrubicina, dexametasona

HIV

vírus da imunodeficiência humana

HIV/HCV

indivíduos HIV positivos coinfectados com o vírus da hepatite C

HMGCoA

hidroximetilglutarilcoenzima A

HPLC

cromatografia líquida de alta eficiência

HPMC

hidroxipropilmetilcelulose

HPV

papilomavírus humano

HR

receptor de hormônio

HTLV 1

 

vírus pertencente a família Retroviridae, a mesma do HIV (Human T lymphotropic virus type 1)

ICC

insuficiência cardíaca congestiva

ICE

ifosfamida, carboplatina, etoposídeo

IE

ifosfamida, etoposídeo

IECA

inibidor da enzima conversora de angiotensina

IFG

índice de filtração glomerular

IMAO

inibidor de monoamina oxidase

IP

inibidor de protease

ITRN

inibidor da transcriptase reversa análogo de nucleosídeo

ITRNN

inibidor da transcriptase reversa não análogo de nucleosídeo

ISRS

inibidor seletivo de recaptação de serotonina

IVAC

 

ifosfamida com mesna, etoposídeo, citarabina em altas doses, metotrexato intratecal

kg

quilograma

L

litro

LDL

lipoproteínas de baixa densidade

L/kg/h

litro por quilograma por hora

LPV

lopinavir

LPV/r

lopinavir + ritonavir

LSA2L2

ciclofosfamida, metotrexato intratecal, vincristina, daunorrubicina, prednisona, citarabina, asparaginase, tioguanina, carmustina e hidroxiureia

LSN

limite superior normal

m2

metro quadrado

MACOP-B

 

doxorrubicina, ciclofosfamida, metotrexato, vincristina, bleomicina, em associação com sulfametoxazol-trimetoprima e prednisona

MADDOC

 

mecloretamina, doxorrubicina, cisplatina, dacarbazina, vincristina, ciclofosfamida

MAID

mesna e ifosfamida, doxorrubicina, dacarbazina

MAO

monoamina oxidase

MencC

vacina conjugada contra meningococo C

mEq

miliequivalente-grama

MEq/L

miliequivalente-grama por litro

mg

miligrama

 

MIME

mitoguazona, ifosfamida, metotrexato, etoposídeo

min

minuto

mL

mililitro

mm3

milímetro cúbico

mmol

milimol

MOPP

mecloretamina, vincristina, procarbazina, prednisona

MOPP/ABV

 

mecloretamina, vincristina, procarbazina, prednisona/ doxorrubicina, bleomicina e vimblastina

MVAC

vimblastina, metotrexato, doxorrubicina, cisplatina

ng

nanograma

NPT

nutrição parenteral total

NVP

nevirapina

NNT

número necessário para tratar

O2

oxigênio

OMS

Organização Mundial da Saúde

P450

citocromo P450

PA

pressão arterial

PaO2

pressão arterial de oxigênio

PCP

pneumonia por Pneumocystis

PEBA

cisplatina, etoposídeo, bleomicina, doxorrubicina

pH

potencial hidrogeniônico

PPD

derivado proteico purificado

PSA

antígeno prostático específico

PVB

cisplatina, vimblastina, bleomicina

PVC

cloreto de polivinila

PVP

cisplatina, etoposídeo

QT

 

 

intervalo no eletrocardiograma entre o início da onda Q (princípio da despolarização) e o final da onda T (repolarização dos ventrículos)

R

rifampicina

RNI

 

 

 

Razão Normalizada Internacional = coeficiente internacional normatizado (descritor recomendado na relação de Descritores em Ciências da Saúde, como tradução para International Normalised Ratio – INR)

RTV

ritonavir

S

estreptomicina

SAAr

soro antiaracnídico

SAB

soro antibotrópico

SABC

soro antibotrópico-crotálico

SABL

soro antibotrópico-laquético

SAC

soro anticrótalico

SAE

soro antielapídico

SAEEs

soro antiescorpiônico

SAL

soro antilaquético

  

SALatr

soro antilatrodético

SALon

soro antilonômico

SALox

soro antiloxoscélico

SQV

saquinavir

SNC

sistema nervoso central

SRSP

síndrome de reação sistêmica precoce

TARV

terapia antirretroviral

TC

tempo de coagulação

TCF

docetaxel, cisplatina, fluoruracila

TDF

fumarato de tenofovir desoproxila

TP

tempo de protrombina

TSH

hormônio estimulante da tireoide

TT

tempo de trombina

TTPa

tempo de tromboplastina parcial ativada

 

U

unidade USP (United States Pharmacopeia)

u/dL

unidades/decilitro

UI

unidade internacional

UI/kg

unidade internacional por quilograma

UI/mL

unidade internacional por mililitro

UN

ureia nitrogenada

USP

United States Pharmacopeia

UT

unidade turbeculínica

VAC

ciclofosfamida, doxorrubicina, vincristina, dactinomicina

Vad

volume aparente de distribuição

Vd

volume de distribuição

VEF1

volume expiratório forçado em um minuto

VHB

vacina contra hepatite B

VHS-1

vírus herpes simples tipo 1

VHS-2

vírus herpes simples tipo 2

VIP

ifosfamida, cisplatina, etoposídeo

VORH

vacina oral de rotavírus humano

VVZ

vírus varicela zoster

Z

pirazinamida

3TC

lamivudina

> 

maior que

< 

menor que

 

SOBRE OS DIREITOS AUTORAIS DO DOCUMENTO

Consta no documento:

“Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para venda ou qualquer fim comercial.”

O objetivo do site MedicinaNet e seus editores é divulgar este importante documento. Esta reprodução permanecerá aberta para não assinantes indefinidamente. 

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal