FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Medicamentos Usados em Pneumocistose

Última revisão: 16/09/2015

Comentários de assinantes: 0

Reproduzido de:

Formulário Terapêutico Nacional 2010: Rename 2010 [Link Livre para o Documento Original]

Série B. Textos Básicos de Saúde

MINISTÉRIO DA SAÚDE

Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos

Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos

Brasília / DF – 2010

 

         5.3 Medicamentos usados em pneumocistose

Silvio Barberato Filho e Simone Sena Farina

 

O Pneumocystis carinii foi descoberto em 1909, por Carlos Chagas, que por engano o interpretou como protozoário. Mais tarde, técnicas moleculares mostraram tratar-se de um fungo, recentemente denominado Pneumocystis jirovecii. Apesar da mudança na nomenclatura, foi mantida a já reconhecida sigla PCP – pneumonia por Pneumocystis1. Na era pré-Aids, sua ocorrência era rara, aparecendo em prematuros, lactentes enfraquecidos, crianças imunossuprimidas e adultos em terapia imunossupressora para câncer e transplante. Este fungo é o agente causal de pneumonia pneumocística, a mais comum infecção intercorrente associada ao acometimento por HIV2.

Clindamicina em associação com primaquina, tratamento alternativo ao sulfametoxazol + trimetoprima, é efetivo na doença leve ou moderada. Entretanto, apresenta toxicidade considerável e não foi avaliado em crianças3, 4 (ver monografia, página 526).

Isetionato de pentamidina intravenoso é opção na doença grave que não respondeu a sulfametoxazol + trimetoprima ou para pacientes com intolerância3 (ver monografia, página 786).

Prednisona e prednisolona, utilizadas, respectivamente, no tratamento de adultos e crianças infectados pelo HIV com PCP moderada ou grave (pressão parcial de oxigênio menor ou igual a 70 mmHg; ou diferença alvéolo-arterial de oxigênio maior ou igual a 35 mmHg; ou hipoxemia na oximetria de pulso) tem benefício estabelecido3, 5, 6. Seu uso nas primeiras 72 horas melhora o desfecho e reduz a mortalidade nestes pacientes, embora possa levar ao desenvolvimento ou piora de candidíase oral, herpes mucocutâneo ou hiperglicemia1, 5. Se for necessário o uso parenteral, metilprednisolona intravenosa pode ser usada em adultos e crianças (75% da dose de prednisona)5 (ver monografia, página 915 e página 727).

Sulfametoxazol + trimetoprima é sempre a primeira escolha de tratamento e de profilaxia primária ou secundária para adultos e crianças3, 5, 7, 8. A profilaxia primária está indicada em pacientes com contagens de células CD4 abaixo de 200/mm3 ou com candidíase orofaríngea2 (ver monografia, página 965).

 

Referências

1.PASQUALOTTO, A. C. Pneumocistose. In: PASQUALOTTO, A. C.; SCHWARZBOLD, A.V. Doenças infecciosas: consulta rápida. Porto Alegre: Artmed, 2006. p. 497-503.

2.SUH, J. S.; SEPKOWITZ, K.A. Opportunistic infections in HIV disease. In: BETTS, R. F.; CHAPMAN, S. W.; PENN, R. L. (Ed.). Reese and Betts´a pratical approach to infectious Diseases. 5th. ed. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins, 2003. p. 649718.

3.BRITISH MEDICAL ASSOCIATION AND ROYAL PHARMACEUTICAL SOCIETY OF GREAT BRITAIN. British national formulary. 57. ed. London: BMJ Publishing Group and APS Publishing, 2009. Disponível em: <http://www.medicinescomplete. com>.

4.CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION. National Institutes of Health. HIV Medicine Association of the Infectious Diseases Society of America. Pediatric Infectious Diseases Society. American Academy of Pediatrics. Guidelines for prevention and treatment of opportunistic infections among HIV-exposed and HIVinfected children. Rockville: Aids Info, 2008. Disponível em: <http://Aidsinfo.nih.gov/ contentfiles/Pediatric_OI.pdf>

5.KLASCO, R. K. (Ed): DRUGDEX® System. Greenwood Village: Thomson Micromedex, 2010. Disponível em: <http://www.portaldapesquisa.com.br>

6.THOMAS JR, C. F.; LIMPER, A. H. Treatment and prevention of Pneumocystis carinii (P. jirovecii) pneumonia in non-HIV-infected patients. 2008. Disponível em: <http://www.uptodate.com/home/content/topic.do?topicKey=immuninf/10047>.

7.BRASIL. Ministério da Saúde. Secretária de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Recomendações para Terapia Anti-retroviral em Adultos Infectados pelo HIV 2008. 7. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2008.

8.BRASIL. Ministério da Saúde. Secretária de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Recomendações para terapia antirretroviral em crianças e adolescentes infectados pelo HIV. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. (Versão preliminar).

 

SOBRE OS DIREITOS AUTORAIS DO DOCUMENTO

Consta no documento:

“Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para venda ou qualquer fim comercial.”

O objetivo do site MedicinaNet e seus editores é divulgar este importante documento. Esta reprodução permanecerá aberta para não assinantes indefinidamente.

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal