FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Eletrocardiograma 51

Autores:

Fernando de Paula Machado

Médico pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Residência em Clínica Médica no Hospital das Clínicas da FMUSP (HC-FMUSP). Residência em Cardiologia pelo Instituto do Coração (InCor) do HC-FMUSP. Médico Diarista do Pronto-Atendimento do Hospital Sírio-Libânes.

Leonardo Vieira da Rosa

Médico Cardiologista pelo Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Médico Assistente da Unidade de Terapia Intensiva do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Doutorando em Cardiologia do InCor-HC-FMUSP. Médico Cardiologista da Unidade Coronariana do Hospital Sírio Libanês.

Última revisão: 01/04/2019

Comentários de assinantes: 0

Quadro Clínico

Homem de 80 anos com cansaço progressivo nas últimas semanas.

 

Eletrocardiograma do paciente

 

Ver diagnóstico abaixo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Diagnóstico

Bloqueio Atrioventricular avançado (BAV) – 3:1

 

Comentário

            Bloqueios atrioventriculares (BAV) resultam do atraso ou interrupção da condução, através do nó AV, do impulso atrial para os ventrículos. Podem ser classificados como de 1º grau quando todas as ondas P são conduzidas, sempre com retardo, de 2º grau, quando apenas algumas ondas P são bloqueadas, e de 3ºgrau ou total, quando nenhuma onda P é conduzida, havendo dissociação AV. Conhece-se por bloqueio AV avançado ou de 2º grau avançado quando duas ou mais ondas P consecutivas são bloqueadas. Não se deve confundir bloqueio AV com dissociação AV, nome genérico dado a todas as condições nas quais os átrios e os ventrículos contraem de forma independente, seja pela presença de um marcapasso juncional ventricular mais rápido do que o sinusal (ex: taquicardia ventricular), como por bloqueio AV.

            As principais causas são: doença de Lenégre, doença de Lev, IAM, doença de Chagas, colagenoses e endocardites. Os bloqueios podem ser proximais (ou supra-hissianos) ou distais (ou intra/infra-hissianos). No primeiro, o bloqueio está no nó AV e, no segundo, o bloqueio está no feixe de hiss ou abaixo dele (infra-hissiano). Para ajudar a diferenciá-los, temos que analisar o complexo QRS. Se o QRS for normal, o bloqueio é supra-hissiano ou intra-hissiano (não pode ser infra-hissiano). Se o complexo QRS for alargado, o bloqueio deve ser infra-hissiano. Os BAVs de 1º grau e de 2º grau Mobitz I são geralmente supra-hissianos, portanto são benignos e respondem bem a atropina.

            O caso descrito é um Bloqueio AV avançado ou de alto grau. Nesta situação existe condução AV em menos da metade dos batimentos atriais, sendo em proporção 3:1, 4:1 ou mais. A presença de condução AV é notada pelo intervalo PR constante no batimento que gera um QRS. A maior parte destes bloqueios se localiza na região infra His.  Esses bloqueios geralmente provocam sintomas e, exceto na presença de causa reversível evidente (como intoxicação digitálica) ou durante taquicardia supraventricular rápida (ex: flutter atrial), indicam a necessidade de marcapasso definitivo.

 

Classificação

 

                     BAV de 1o grau : prolongamento anormal do intervalo PR (maior que 0,20 s);  mantem relação 1:1 entre P e QRS

                     BAV de 2o grau - Tipo Mobitz I: ocorre aumento progressivo do intervalo PR até que ocorra o bloqueio da despolarização atrial.

                     BAV de 2º grau - Tipo Mobitz II: ocorre bloqueio súbito da despolarização atrial sem que haja aumento progressivo dos PRs precedentes ao bloqueio.

                     BAV de 2º grau - Tipo 2:1: a condução atrioventricular está alterada em uma razão fixa, na qual uma em cada duas despolarizações atriais é bloqueada, ou seja, 50% das ondas P estão bloqueadas. Fisologicamente este tipo de apresentação pode representar tanto um padrão Mobitz I cujo prolongamento se deu de tal forma que ocorreu bloqueio no primeiro prolongamento do PR, ou Mobitz II com padrão fixo. Este tipo de apresentação deve ter sua diferenciação por outros critérios.

                     BAV Tipo avançado: a condução atrioventricular está alterada em uma relação fixa, na qual mais de uma onda P é bloqueada antes que haja condução.

                     BAV do 3o grau: Não há correlação entre a despolarização atrial e a ventricular (dissociação atrioventricular). Os estímulos provenientes dos átrios são totalmente bloqueados (bloqueio atrioventricular total), sendo o ritmo cardíaco determinado por escape abaixo da região do bloqueio. 

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal