FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Tobramicina injetável

Tobramicina (Injetável; Inalação) (substância ativa)

Referência: Tobramina (injetável) (ABL); Bramitob (inalação) (Chiesi); Tobi (Inalação) (United Medical)

Genérico: não

 

sulfato de tobramicina equivalente a tobramicina 

Uso injetável

Injetável (solução) 75 mg/1,5 mL: Tobramina

 

Armazenagem antes de aberto

temperatura ambiente (15-30°C).

 

tobramicina 

Uso inalatório

Inalação (solução) 300 mg/flaconete 4 mL: Bramitob

Inalação (solução) 300 mg/ampola 5 mL: Tobi

 

Armazenagem antes de aberto

refrigerado (2-8°C).

 

O que é

antibacteriano [aminoglicosídeo].

 

Para que serve 

uso injetável

[infecção grave quando outros antibacterianos menos tóxicos são ineficientes ou estão contraindicados; atua geralmente contra bacilos aeróbicos Gram-negativos e algumas bactérias Gram-positivas; não atua contra germes anaeróbicos].

fibrose cística; infecção do tracto biliar; infecção óssea; infecção articular; infecção do sistema nervoso central; infecção intra-abdominal; pneumonia Gram-negativa; septicemia bacteriana; infecção da pele e dos tecidos moles; infecção urinária.

 

uso inalatório

fibrose cística; infecção pulmonar por Pseudomonas aeruginosa.

 

Como age

interfere com a síntese de proteínas da bactéria. É bactericida (os aminoglicosídeos são bactericidas, enquanto outros antibióticos que interferem com a síntese de proteína são geralmente bacteriostáticos). Absorção: rápida e completa por via intramuscular. Biotransformação: não é metabolizado. Tempo para a concentração máxima (pico): 0,5 a 1,5 horas. Eliminação: urina (na sua forma original); pequena quantidade via bile/fezes.

 

Como se usa

Aminoglicosídeos – observações válidas para amicacina, gentamicina e tobramicina.

Amicacina, gentamicina e tobramicina são utilizados a curto prazo para tratamento de infecções graves, incluindo infecção articular e óssea, infeccão intra-abdominal (incluindo peritonite), infecção do trato respiratório, septicemia, infeccão da pele e tecidos moles (incluindo a resultante de queimaduras), causadas por bactérias Gram-negativas suscetíveis. As drogas são também efetivas em infecção grave, recorrente do trato urinário causada por bactériasGram-negativas suscetíveis; entretanto não são recomendadas para o tratamento inicial de infecção não complicada do trato urinário, a menos que o agente causal seja resistente a outros antibacterianos menos tóxicos.

Quando aminoglicosídeos parenterais são indicados para tratamento de infecção grave causada por Enterobacteriaceae ou Pseudomonas, amicacina, gentaminina ou tobramicina são as preferidas.

Devido ao sinergismo reportado in vitro, amicacina, gentamicina e tobramicina são usadas concomitantemente com penicilina de amplo espectro com atividade antipseudomonas (exemplo: piperacilina-tazobactam, ticarcilina-clavulanato) no tratamento de infecção grave por Pseudomonas, particularmente em paciente imunodeprimido. Lembrar que as drogas devem ser administradas separadamente para se evitar a inativação do aminoglicosídeo.

Em geral a escolha do aminoglicosídeo parenteral deve ser baseada no espectro usual e padrão de resistência ao aminoglicosídeo no hospital ou na comunidade, até que os resultados dos testes in vitro estejam disponíveis. Se o agente causal for resistente ao aminoglicosídeo escolhido, um outro aminoglicosídeo ou outro antibacteriano deve ser instituído.

 

Dose única diária

Aminoglicosídeos historicamente têm sido administrados em múltiplas doses por dia (geralmente de 2 a 4 vezes) e esses esquemas são os únicos que constam das bulas desses produtos. Entretanto agora os aminoglicosídeos têm sido administrados em dose única diária em pacientes selecionados baseados em evidências que esses regimes de dose única diária podem ser pelo menos tão efetivo e podem proporcionar parâmetros farmacocinéticos/farmacodinâmicos superiores (relacão: concentração plasmática de pico/MIC (concentração inibitória mínima) e podem ser menos tóxicos que os esquemas de doses múltiplas por dia. Mas os regimes de dose única por dia não se aplica a todos os pacientes. Sugere-se que os regimes de dose única diária não sejam utilizados em paciente com clearance de creatinina menor que 25 mL/minuto, crianças, idosos, grávidas, obesos, ou em paciente com queimaduras, ascite ou com certas infeccões graves (exemplo: meningite, osteomielite, infecção da pele e estruturas da pele, endocardite por enterococo).

Diversos estudos em adultos demonstraram que a administração de aminoglicosídeo em dose única diária estava associada com similar ou maior eficácia, menos nefrotoxicidade, e risco não maior de ototoxicidade comparada com a administração de doses múltiplas por dia.

As doses utilizadas nos regimes de dose única diária são geralmente simplemente a soma das doses que seriam utilizadas no regime de doses múltiplas diárias.

 

Monitoração laboratorial

Para gentamicina ou tobramicina, administrados nos regimes convencionais de doses múltiplas diárias, a concentração de pico varia de 4 - 10 mcg/ml e a concentração de vale não deve exceder 1-2 mcg/mL. Para a amicacina, em regime convencional de doses múltiplas diárias, as concentrações de pico variam de 15-30 mcg/mL e as concentrações de vale preferencialmente devem estar abaixo de 5-10 mcg/mL.

 

Uso injetável – Preparação

Atenção: antibacterianos como as penicilinas e cefalosporinas não devem ser misturados com aminoglicosídeos porque pode haver precipitação desses produtos; se necessário, devem ser administrados em locais diferentes (não misturados numa mesma seringa, frasco ou bolsa); se utilizada a técnica em Y para administração, deve-se suspender temporariamente um produto enquanto se administra o outro. Outras incompatibilidades: consultar informações do fabricante.

 

Tobramicina (solução) 75 mg/1,5 mL – Via intramuscular

Administração: em adultos, nas nádegas (quadrante superior externo); em crianças, na face lateral da coxa.

 

Tobramicina (solução) 75 mg/1,5 mL – Infusão intravenosa

Diluição

Diluente: Cloreto de Sódio 0,9% ou Glicose 5%. Volume: 50 a 100 mL.

Aparência da solução diluída: incolor.

Estabilidade após diluição com Cloreto de Sódio 0,9% ou com Glicose 5%

temperatura ambiente (15-30°C): 24 h. refrigeração (2-8°C): 96 h.

Não utilizar se a solução tiver sofrido alteração de cor.

Tempo de infusão: 20 a 60 minutos. a infusão em tempo menor que 20 minutos pode levar a picos séricos excedendo 12 mcg/ mL (risco de toxicidade). Crianças devem receber menos volume de diluente, respeitando o tempo de infusão de 20 a 60 minutos.

 

Uso injetável – Doses

• doses em termos de tobramicina.

Adultos e Adolescentes

3 a 5 mg por kg de peso por dia, divididos em 4 doses (1 a cada 6 horas) ou 3 doses (1 a cada 8 horas), por 7 a 10 dias.

Limite de dose para adultos: 8 mg por kg de peso por dia em infecção grave com risco de vida (esse limite tem sido ultrapassado particularmente nos casos de fibrose cística quando se chega a 10 mg por kg de peso por dia na exacerbação da infecção pulmonar por Pseudomonas aeruginosa).

Idosos: costumam ser mais sensíveis aos aminoglicosídeos; não exceder as doses (e mesmo baixá-las em função de idade muito avançada, condição renal ou perda de peso); monitorar função renal e função auditiva (pode haver perda auditiva mesmo com função renal normal).

Crianças

prematuros ou recém-natos (até 1 semana de vida): até 2 mg por kg de peso cada 12 a 24 horas, por 7 a 10 dias.

recém-natos (com mais de 1 semana de vida) e crianças (até 12 anos de idade): 6 a 7,5 mg mg por kg de peso por dia, divididos em 4 doses (1 a cada 6 horas) ou 3 doses (1 a cada 8 horas), por 7 a 10 dias.

Pacientes (adultos ou crianças) com diminuição da função renal: doses devem ser reduzidas. Um esquema prático recomendado sugere administrar uma dose inicial de 1 mg por kg de peso. Para as doses subsequentes o mesmo 1 mg por kg de peso pode ser administrado em intervalo de tempo (horas) calculado pela multiplicação da creatinina sérica em estado de equilíbrio do paciente (em mg/dL) pelo número 6 (por exemplo: se a creatinina estiver em 2 mg/dL, 2 x 6 = 12, portanto a dose a ser administrada é 1 mg por kg de peso a cada 12 horas).

 

Uso inalatório – Doses

• ver instruções de uso na bula.

Adultos e crianças acima de 6 anos de idade: 300 mg a cada 12 horas, durante 28 dias; faz-se um intervalo de 28 dias e repete-se o esquema sucessivamente (portanto: 28 dias com o produto/28 dias sem o produto).

Crianças até 6 anos de idade: não indicado.

 

Cuidados especiais

Risco na gravidez

Classe D

 

Amamentação

eliminada no leite. Problemas não documentados (os aminoglicosídeos são fracamente absorvidos por via oral).

 

Não usar o produto

alergia a aminoglicosídeo.

 

Avaliar riscos x Benefícios

botulismo infantil, miastenia grave, parkinsonismo (pode causar bloqueio neuromuscular e no futuro fraqueza muscular); desidratação; diminuição da função renal (risco de toxicidade); problema com o nervo auditivo (pode ocorrer toxicidade auditiva).

 

Reações que podem ocorrer (sem incidência definida)

Gastrintestinal: diarreia, náusea, vômito.

Sistema nervoso central: tontura, dor de cabeça, letargia, vertigem, confusão, febre.

Dermatológico: coceira, erupção na pele.

Ótico: zumbido nos ouvidos, perda da audição, toxicidade auditiva.

Renal: aumento do nitrogênio uréico (BUN), aumento da creatinina, proteínas na urina, diminuição do volume de urina.

Hematológico: anemia, aumento dos eosinófilos, diminuição dos granulócitos, diminuição das plaquetas, aumento ou diminuição dos leucócitos.

Uso inalatório: pode ocorrer broncoespasmo. A primeira inalação deve ser acompanhada por médico que decidirá se necessária a utilização de broncodilatador. Broncoespasmo que ocorre durante uso de broncodilatodor pode sugerir reacão alérgica.

 

Atenção com outros produtos

A Tobramicina

•pode aumentar o risco de toxicidade renal com: aciclovir; anfotericina B; cefalosporina; cidofovir; cisplatina; metoxiflurano; vancomicina; outro aminoglicosídeo; outro medicamento nefrotóxico.

•pode aumentar o bloqueio neuromuscular com: bloqueador neuromuscular; anestésico geral.

•pode ter seus efeitos tóxicos aos ouvidos mascarados por: dimenidrinato; outro aminoglicosídeo; outro medicamento ototóxico.

•pode aumentar o risco de toxicidade nos ouvidos com: diurético de alça como a furosemida.

 

Outras considerações importantes

• o paciente deve ser mantido bem hidratado.

•realizar exames de: concentração do aminoglicosídeo (particularmente em recém-nascidos e idosos); audiograma; função vestibular; função renal; urina tipo I. Exames antes e durante o tratamento; se houver diminuição da função auditiva, vestibular ou renal, pode ser necessária a redução das doses ou descontinuação do tratamento.

Atenção: a monitorização da tobramicina deve ser feita tendo em vista o seu estreito intervalo terapêutico e a imprevisível correlação entre a dose e a concentração sérica. A dosagem da tobramicina no soro pode ser feita em amostras coletadas em duas oportunidades:

(1) no “vale”, ou seja, com coleta imediatamente (30 minutos) antes da próxima dose do antibiótico.

(2) no “pico”, correspondente a coleta 1 (uma) hora após a administração do antibiótico por via intravenosa, ou 2 (duas) horas após administração por via intramuscular. Os intervalos terapêuticos preconizados são: para amostra colhida no “vale” (1 a 2 microgramas por mL); para amostra colhida no “pico” (4 a 8 microgramas por mL).

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal