FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Filtrar

Veja também o resultado via

Exibir resultados de:

Filtrar por:

Resultados de Busca

Sua busca por "Parte ii – Doencas Infecciosas de Interesse Para a Saude Publica" obteve 132 resultados.

Página:  de 14

05/01/2011

Guias Livres do Ministério da Saúde

Sistemas de Informações

...ormações Tóxico-Farmacológicas (Sinitox), Sistema de Informações Geográficas (SIG) e a Rede Nacional de Bancos de Leite Humano (Redeblh); o Sistema Nacional de Informação sobre Meio Ambiente (Sinima), que agrega informação ambiental auxiliando a gestão, sendo gerido pela Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental, do Ministério do Meio Ambiente, com três eixos estruturantes: o d......

Ver Índice

05/01/2011

Guias Livres do Ministério da Saúde

Sistemas de Informações

...r às necessidades de informações de instituições, programas e serviços. Podem ser informatizados ou manuais. Atualmente, com o crescente desenvolvimento da informática, a maioria dos sistemas da área da saúde, mesmo nos níveis mais periféricos, já dispõe das ferramentas de computação ou está em vias de adquiri-las. Sistema de Informação em Saúde – SIS O SIS é parte dos sistemas de saúde e, co......

Ver Índice

30/01/2011

Guias Livres do Ministério da Saúde

Febre Amarela

...nto (FC) e neutralização (TN). A exceção do MAC-ELISA, todos os outros testes necessitam de duas amostras pareadas de sangue, considerando-se positivos os resultados que apresentam aumento dos títulos de anticorpos de, no mínimo, 4 vezes, entre a amostra colhida no início da fase aguda comparada com a da convalescença da enfermidade (intervalo entre as coletas de 14 a 21 dias). O MAC-ELISA, na mai......

Ver Índice

30/01/2011

Guias Livres do Ministério da Saúde

Febre Amarela

...8, observou-se uma expansão da circulação viral no sentido leste e sul do país, detectando-se sua presença em áreas silenciosas há várias décadas, razão pela qual em outubro de 2008, procedeu-se a delimitação de duas áreas para orientar as estratégias de imunização: a) área com recomendação de vacina (ACRV), correspondendo aquelas anteriormente denominadas endêmica e de transição, com a inc......

Ver Índice

26/09/2013

Hospitalar

Capítulo 2 – Desenho e avaliação de programas

...abelecimento de Metas e Objetivos em Programas de Controle de Infecções”; Capítulo 4 – “Intervenções no Controle de Infecções: O Caminho da Prevenção”; e Capítulo 8 – “Colaborando com a Implementação de Programas de Controle de Infecções”. Os planos de controle de infecções também devem incluir descrições sobre como avaliar a eficácia dos programas de controle, conforme mostra o Capítulo 5 – “Aval......

Ver Índice

05/01/2011

Guias Livres do Ministério da Saúde

Estrutura para Respostas às Emergências em Saúde Pública

...? Responda “sim” caso tiver respondido “sim” às perguntas 1, 2 ou 3 acima. II. O evento é incomum ou inesperado? 4. O evento é incomum? APRESENTA-SE, A SEGUIR, EXEMPLOS DE EVENTOS INCOMUNS · O evento é causado por um agente desconhecido, ou a fonte, veículo ou via de transmissão é incomum ou desconhecido. · A evolução dos casos é mais severa do que o ......

Ver Índice

01/03/2011

Guias Livres do Ministério da Saúde

tracoma

... meios de comunicação de massa, como forma de divulgação e prevenção da doença, especialmente quanto à lavagem sistemática do rosto. Orientar quanto ao uso correto da medicação, observação dos prazos de tratamento e comparecimento às consultas clínicas subsequentes. SOBRE OS DIREITOS AUTORAIS DO DOCUMENTO Consta no documento: “Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou......

Ver Índice

01/03/2011

Guias Livres do Ministério da Saúde

tracoma

...e a realização regular de busca ativa de casos e visita domiciliar dos contatos, acompanhar os focos da doença, para verificar a tendência de expansão da infecção, realizar o diagnostico e tratar os casos com infecção ativa, adotando medidas de controle pertinentes. Notificação O Tracoma não é doença de notificação compulsória nacional, sendo de notificação obrigatória em algumas unidades fed......

Ver Índice

30/01/2011

Guias Livres do Ministério da Saúde

herpes simples

...e Departamento de Vigilância Epidemiológica 8ª edição revista BRASÍLIA / DF – 2010 Herpes Simples CID 10: B00 ASPECTOS CLÍNICOS E EPIDEMIOLÓGICOS Descrição É uma virose transmitida, predominantemente, pelo contato sexual (inclusive oro-genital). A transmissão pode se dar, também, pelo contato direto com lesões ou objetos contaminados. Caracteriza-se pelo aparecimento de lesões ves......

Ver Índice

30/01/2011

Guias Livres do Ministério da Saúde

herpes simples

...ensoriais, penetra nos núcleos das células ganglionares e entra em latência. Ceratoconjuntivite Herpética A primoinfecção pode ser no olho, com vesículas e erosões na conjuntiva e córnea. Após a regressão, podem surgir as recidivas, que determinam ulcerações profundas, eventualmente causando cegueira. Herpes Simples Neonatal Ocorre quando a parturiente apresenta Herpes Genital com contam......

Ver Índice

Página:  de 14

Índice

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal