FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Eletrocardiograma 84

Autores:

Cristiano Guedes Bezerra

Residente de Cardiologia do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP

Leonardo Vieira da Rosa

Médico Cardiologista pelo Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Médico Assistente da Unidade de Terapia Intensiva do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Doutorando em Cardiologia do InCor-HC-FMUSP. Médico Cardiologista da Unidade Coronariana do Hospital Sírio Libanês.

Ricardo Casalino Sanches de Moraes

Especialista em Cardiologia pelo Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP
Médico Colaborador do Grupo de Válvula do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP

Última revisão: 01/04/2019

Comentários de assinantes: 0

Quadro Clínico

Paciente de 47 anos com dor torácica há 3 horas.

 

Eletrocardiograma do paciente

 

Ver diagnóstico abaixo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Diagnóstico

Infarto inferior (inferobasal) e infarto lateral – “antigo infarto de parede posterior” por Obstrução da Artéria Circunflexa

 

Identificação da artéria culpada no IAM

 

IAM inferobasal

 

  • Supra ST em DIII> DII é indicativo de oclusão de Artéria Coronária Direita (ACD).
  • Infra ST em aVL indica oclusão de ACD.
  • Supra ST na parede inferior sem infradesnível em aVL sugere oclusão proximal de Artéria Circunflexa (ACX).
  • Razão Infra V3/Supra DIII = 1,2 indica oclusão de ACX; se < 0,5 sugere oclusão proximal da ACD. Entre 0,5 e 1,2 sugere oclusão do terço médio de ACD.
  • Ausência de infra ST em V1 e V2 exclui ACX.
  • Supra ST de V7-V9 associado a infra em V4R indica oclusão de ACX (como é o caso de nosso paciente, como podemos observar nas derivações V7-V9 logo abaixo).
  • Supra ST em V7 a V9 tem maior especificidade para o diagnóstico de IAM dorsal.
  •  

    Discussão

    Acreditava-se que o segmento basal da parede em contato com o diafragma fazia uma curva em direção cranial e esta porção era denominada posterior. Como isto explicava o RS em v1(equivalente a onda Q) o infarto do miocárdio era dividido em 3 zonas:inferior (DII, DIII, aVF), posterior (v1 e v2) e lateral (Q patológico em derivações laterais). Os infartos envolvendo 2 destas áreas recebiam o nome correspondente (inferoposterior, inferolateral, posterolateral). Na denominação nova, RS é explicado por IAM lateral e infarto do segmento inferobasal da parede inferior (previamente conhecida como posterior). Desta forma infarto inferolateral se divide em 3 grupos:inferior(Q em DII, DIII, aVF), lateral (RS em V1 e/ou ondas Q patológicas em derivações laterais), e inferolateral(os dois padrões). Somado a isso, devemos admitir que por décadas erramos tanto na anatomia como na eletrofisiologia. Demonstrou-se que zonas correspondendo a parede posterior, agora inferobasal ou segmento 4, são despolarizadas após 30-40 mseg, e assim não podem gerar Q (ou R como imagem espelho em v1-v2) porque o QRS já havia começado a se inscrever. Em todo caso a modificação da segunda metade do QRS faria uma distorção do QRS e/ou redução de voltagem. Descobriu-se que morfolgia RS é muito especifica em v1 para infarto lateral (100%), ainda que não muito sensível, pois é sabido que infarto lateral geralmente acontece com nenhuma ou discreta manifestação ECG (qr ou pequeno r em DI, aVL, v5 e v6).

    Conecte-se

    Feed

    Sobre o MedicinaNET

    O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

    Medicinanet Informações de Medicina S/A
    Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
    Porto Alegre, RS 90.040-340
    Cnpj: 11.012.848/0001-57
    (51) 3093-3131
    info@medicinanet.com.br


    MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

    Termos de Uso do Portal