FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Filtrar

Veja também o resultado via

Exibir resultados de:

Filtrar por:

Resultados de Busca

Sua busca por "Doencas Frequentes da Vulva" obteve 24 resultados.

Página:  de 3

14/02/2009

Revisões

Doenças Frequentes da Vulva

...o creme vaginal por 15 noites, e outros tratamentos orais e tópicos estão disponíveis; os últimos podem levar à sensibilização. Agentes como fluconazol, cetoconazol e itraconazol podem ser usados semanalmente por 2 ou 3 meses em casos recorrentes. Principalmente nas infecções por C. glabrata, há boa resposta ao uso de óvulos vaginais de ácido bórico (300 a 600 mg 5 vezes/semana por 3 semanas). ......

Ver Índice

14/02/2009

Revisões

Doenças Frequentes da Vulva

...oc. 2003;9(2):80-1. 8. Jeffcoat TNA. Chronic vulval dystrophies. Am J Obstett Gynecol. 1966;95:61-74. 9. Jones RN, Sadler L, Grant S, Whineray J, Exeter M, Rowan D. Clinically identifying women with lichen sclerous at increased risk os squamous cell carcinoma. Obstet Gynecol Surv. 2005;60(2):98-9. 10. Larrabee R, Kylander DJ. Benign vulvar disorders. Postgraduate Medicine. 2001;109(5):151......

Ver Índice

11/11/2016

Revisões Internacionais

Infeccoes Micoticas em Hospedeiros Comprometidos

...gante e dispneia incapacitante após a redução gradativa ou a descontinuação definitiva no uso de corticosteroides. Os pacientes com doença fibrótica (estágio V) precisam de suplementação de oxigênio e de doses moderadas de prednisona em dias alternados. Tabela 6: Tratamento de Infecções Causadas pelas Espécies Aspergillus Doença Medicamento Dosagem Eficácia Relat......

Ver Índice

05/06/2009

Biblioteca Livre

Co-morbidades e Co-infecções no paciente com HIV

...4 36. Small PM et al. Treatment of tuberculosis in patients with advanced human immunodeficiency virus infection. N Engl J Med 1991; 324:289-94; 37. Veldkamp AI et al. Ritonavir enables combined therapy with rifampicin and saquinavir. Clin Infec. Dis. 1999; 29:1586 38. WHO. Global tuberculosis control: surveillance, planning, financing. WHO report 2006. Geneva 39. Zhang Y, Nakata K, Weiden M, ......

Ver Índice

30/01/2011

Guias Livres do Ministério da Saúde

Infecção pelo Papiloma Vírus Humano (HPV)

...edecer aos princípios de confiabilidade, ausência de coerção e proteção contra a discriminação). Educação em saúde, de modo geral. Observação: As associações entre diferentes DST são frequentes, destacando-se, atualmente, a relação entre a presença de DST e o aumento do risco de infecção pelo HIV, principalmente na vigência de úlceras genitais. Desse modo, se o profissional estiver capacitado ......

Ver Índice

30/01/2011

Guias Livres do Ministério da Saúde

Infecção pelo Papiloma Vírus Humano (HPV)

...o de infecção pelo HIV, principalmente na vigência de úlceras genitais. Desse modo, se o profissional estiver capacitado a realizar aconselhamento, pré e pós-teste para detecção de anticorpos anti-HIV, quando do diagnóstico de uma ou mais DST, essa opção deve ser oferecida ao paciente. Toda doença sexualmente transmissível constitui evento sentinela para a busca de outra DST e possibilidade de ass......

Ver Índice

25/10/2009

Biblioteca Livre

8 Infecção pelo Papilomavírus Humano (HPV)

...de serem portadoras de câncer cérvico-uterino ou de seus precursores. Essa recomendação é reforçada por dados obtidos em inquéritos que mostraram que essas mulheres não compreendem a real importância da citopatologia e que, muitas vezes, acreditavam terem sido submetidas a esse exame quando haviam sido apenas submetidas ao exame ginecológico (toque bimanual). Ao atender a portadora de DST, o prof......

Ver Índice

25/10/2009

Biblioteca Livre

5 Síndromes Clínicas Principais

...em tocar o colo. Na vaginose bacteriana é sempre maior que 4,5. • teste das aminas: particularmente na presença de vaginose bacteriana, ocorre a liberação de aminas produzidos por germes anaeróbios exalando odor fétido, semelhante ao odor de peixe podre quando o conteúdo vaginal é misturado com 1 ou 2 gotas de KOH a 10%. O diagnóstico da vaginose bacteriana se confirma quando estiverem p......

Ver Índice

30/01/2011

Guias Livres do Ministério da Saúde

herpes simples

... em média, 8 dias após o contato. Em vários casos, o periodo pode ser bem mais longo, de difícil precisão. Período de Transmissibilidade Variável de 4 a 12 dias após o aparecimento dos primeiros sintomas. Nas infecções assintomáticas, orais e genitais, pode haver disseminação transitória do vírus. Diagnóstico Eminentemente clínico. O diagnóstico citológico de Tzanck (visualização de mult......

Ver Índice

30/01/2011

Guias Livres do Ministério da Saúde

herpes simples

... casos. As lesões cervicais (cervicite herpética), frequentes na primoinfecção, podem estar associadas a corrimento genital aquoso. No homem, não raramente, pode haver secreção uretral hialina, acompanhada de ardência miccional. Podem ocorrer sintomas gerais, como febre e mal-estar. Com ou sem sintomatologia, após a infecção primária, o HSV ascende pelos nervos periféricos sensoriais, penetra nos ......

Ver Índice

Página:  de 3

Índice

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal