FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Paciente de 24 Anos de Idade Sexo Feminino com Febre

Autor:

Rodrigo Antonio Brandão Neto

Médico Assistente da Disciplina de Emergências Clínicas do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP

Última revisão: 08/04/2021

Comentários de assinantes: 0

Paciente dosexo feminino, 24 anos de idade, com sequela de paralisia cerebral, limitada aoleito, mas sem cardiopatia prévia. Evoluindo com quadro de 2 meses de queda doestado geral e episódios de dor abdominal. Há 4 dias com quadro de febre emal-estar e piora dos sintomas. Chegou ao departamento de emergência com FC:110 b.p.m. e PA: 105 x 60 mmHg, com boa perfusão. Na investigação, realizouexames que mostraram leucocitose (18.000 leucócitos com 90% de neutrófilos) eprovas inflamatórias aumentadas. Exame de ultrassonografia abdominal mostrou litíasebiliar, mas sem sinais de colecistite. Realizou ecocardiografia à beira doleito, que mostrou função ventricular normal e pequeno derrame pericárdico. Nahemocultura, crescimento de cocos Gram-positivos, introduzindo-se inicialmentevancomicina devido à possibilidade de enterococos, considerando o quadro de dorabdominal.

Evoluiurapidamente com quadro de instabilidade hemodinâmica, necessitando de drogavasopressora. Na cultura, crescimento de S. aureus meticilino-sensível. Assim,foi trocada antibioticoterapia para oxacilina 2 g a cada 4 horas. Repetiu oecocardiograma três dias após; desta vez, o derrame pericárdico agora era moderadoe sem sinais de restrição ou endocardite. Evoluiu com piora e disfunção renal(creatinina 2,5 mg/dL), e foi introduzida piperacilina-tazobactam. Repetiu aecocardiografia, que mostrou o achado no vídeo anexo.

O vídeodemonstra derrame pericárdico significativo com colapso do enchimento doventrículo direito, indicando tamponamento cardíaco. Foi realizada punçãopericárdica guiada pelo ecocardiograma, que mostrou o seguinte líquido.

 


Podemosobservar líquido de característica purulenta, indicativo de pericarditepurulenta bacteriana, no caso associada ao S. aureus, que também haviasido identificado em hemocultura. O S. aureus é a causa bacteriana maiscomum de pericardite, respondendo por pouco mais de 30% dos casos.

A paciente nãotinha fatores importantes para desenvolver bacteremia por S. aureus, nãoapresentava cateter venoso central ou periférico, não fazia diálise, nem haviautilizado antibióticos de amplo espectro recentemente. Apresentava úlcera depressão, mas sem sinais de infecção. A correlação dos sintomas de 2 meses com abacteremia é difícil de realizar, pois a bacteremia por S. aureuscostuma ter evolução muito aguda.

A pericarditepurulenta é uma doença potencialmente grave, com evolução rápida, e 40 a 75%dos pacientes evoluem com tamponamento cardíaco. Pericardite constritiva ocorreem pelo menos 3,5% dos pacientes, com séries chegando a mais de 30%, e amortalidade varia entre 20 e 30%. O manejo é feito com drenagem pericárdica e antibioticoterapia,mantida pelo menos até melhora da febre, resolução da leucocitose enormalização de provas inflamatórias.

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal

×
×

Em função da pandemia do Coronavírus informamos que não estaremos prestando atendimento telefônico temporariamente. Permanecemos com suporte aos nossos inscritos através do e-mail info@medicinanet.com.br.