FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Eletrocardiograma 74

Autores:

Cristiano Guedes Bezerra

Residente de Cardiologia do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP

Fernando de Paula Machado

Médico pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Residência em Clínica Médica no Hospital das Clínicas da FMUSP (HC-FMUSP). Residência em Cardiologia pelo Instituto do Coração (InCor) do HC-FMUSP. Médico Diarista do Pronto-Atendimento do Hospital Sírio-Libânes.

Leonardo Vieira da Rosa

Médico Cardiologista pelo Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Médico Assistente da Unidade de Terapia Intensiva do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Doutorando em Cardiologia do InCor-HC-FMUSP. Médico Cardiologista da Unidade Coronariana do Hospital Sírio Libanês.

Última revisão: 01/04/2019

Comentários de assinantes: 0

Quadro Clínico

Homem de 40 anos, assintomático, com sorologia positiva para chagas. Que exames devem ser solicitados de acordo com o ECG ?

 

Eletrocardiograma do paciente

 

Ver diagnóstico abaixo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Diagnóstico

BAV de 1° em paciente chagásico assintomático

No bloqueio Átrio-ventricular a condução do estímulo é dada de forma mais lenta no local do bloqueio, ou seja, há um retardo na condução do estímulo. Conceitualmente, é a situação onde o intervalo PR é superior a 0,20 s em adultos para FC inferiores a 90 bpm. O intervalo PR varia de acordo com a FC e a idade, existindo tabelas de correção

 

Etiologias:

- Por aumento do tônus vagal (manobra vagal, prostigmine, digital);

- Uso de propranolol;

- Hipopotassemia;

- Doença coronariana;

- Cardiopatias congênitas (Doença de Ebstein, Comunicação Interatrial);

- Estenose tricúspide;

- Chagas

- Cardite reumática.

 

Indicações de Marcapasso no BAV 1°

 

Classe I: Nenhuma.

Classe II: BAV 1º de causa não reversível, com localização intra ou infra-hisiana e episódios sincopais recorrentes, determinado por estudo eletrofisiológico intracardíaco.

Classe III: BAV 1º assintomático.

 

O acometimento cardíaco na fase crônica da doença de Chagas inclui amplo espectro de manifestações, que vão desde a presença de anormalidades silenciosas, registradas em exames complementares sofisticados, até formas graves, como a insuficiência cardíaca refratária ou a morte súbita. A presença de alterações eletrocardiográficas constitui elemento fundamental na caracterização de comprometimento cardíaco significativo na doença de Chagas. O prognóstico do paciente chagásico é semelhante ao da população geral enquanto o eletrocardiograma estiver normal, sendo que a realização desse exame de maneira seriada pode detectar a evolução para a forma cardíaca. Inicialmente, para fins operacionais, considera-se cardiopatia chagásica crônica a presença de anormalidades eletrocardiográficas sugestivas de comprometimento cardíaco, em indivíduo sintomático ou não. Em pacientes com sintomas ou sinais clínicos compatíveis com acometimento cardíaco, mas sem alterações eletrocardiográficas, investigação adicional, por outros métodos complementares, pode ser necessária para se excluir outras etiologias e se definir a existência ou não de cardiopatia chagásica, sua gravidade e seu significado prognóstico.

 

Classificação modificada dos Consensos Brasileiro e Latino Americano de ICC:

 

O tratamento de bradiarritmias não difere das recomendações para cardiomiopatias de outra natureza e é usualmente realizado pelo implante do marcapasso permanente. As principais indicações para o implante incluem o bloqueio atrioventricular e a disfunção do nó sinusal. Uma situação importante e comumente observada em pacientes chagásicos é a associação entre distúrbios átrio-ventriculares e arritmia ventricular freqüente e complexa.

Nesses casos, a terapia farmacológica antiarrítmica eficaz pode requerer o implante de marcapasso permanente, no intuito de prevenir possíveis conseqüências indesejáveis de um eventual bloqueio átrio-ventricular completo. A escolha do modo de estimulação é, até hoje, objeto de controvérsia. Apesar dos benefícios teóricos do uso da estimulação fisiológica átrio-ventricular, especialmente na disfunção do nó sinusal e na prevenção da síndrome do marcapasso, repetidos estudos de grande porte têm falhado em documentar benefício em termos de mortalidade ou eventos maiores, como acidentes vasculares cerebrais.

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal