FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Eletrocardiograma - Dispneia súbita durante esforço físico

Autor:

Lucas Santos Zambon

Doutorado em Ciências Médicas pela Faculdade de Medicina da USP.
Supervisor do Pronto-Socorro do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.
Diretor do Instituto Brasileiro para Segurança do Paciente.

Última revisão: 20/06/2014

Comentários de assinantes: 0

Especialidades: Cardiologia/Medicina de Emergência 

Quadro Clínico

         Paciente do sexo masculino, com 56 anos, procurou atendimento médico por queixa de dispneia súbita enquanto subia escadaria de sua casa. Relatava que vinha tendo episódios de dor torácica nas últimas quatro semanas, sempre desencadeadas durante seu trabalho como pedreiro. As dores duravam cerca de 10 minutos e melhoravam apenas se sentando para descansar. Relata tabagismo importante, com consumo de 1,5 maços/dia nos últimos 30 anos. Negava qualquer doença prévia, mas afirmava nunca ter ido a serviço médico. Ao exame físico na entrada do pronto-socorro apresentava-se em Glasgow 15, FR 40cpm, FC 126bpm, PA 180x96mmHg em ambos os membros superiores, BCRNF, presença de B3, sem sopros, MV+ com estertores crepitantes até ápice, SAT02 de 84% em ar ambiente, propedêutica abdominal e de extremidades normal. Foi realizado eletrocardiograma, conforme  Imagem 1.

 

Imagem 1 – ECG do paciente

Diagnóstico e Discussão

         Este paciente apresenta quadro clínico de edema agudo de pulmão, de etiologia isquêmica, como podemos ver pelo ECG que mostra SUPRA de ST de V2 a V5, podendo ser este achado compatível com infarto anterior extenso.

         Os critérios definidos pelas diretrizes internacionais para definição eletrocardiográfica de IAM com supra ST são:

- Nova elevação do segmento ST no ponto J com = 0,1 mV em duas derivações contíguas (válido para todas as derivações que não sejam V2-V3);

- Para V2-V3, a elevação do ponto J deve ser = 0,2 mV em homens = 40 anos; = 0,25 mV em homens <40 anos; ou = 0,15 mV em mulheres.

         Quanto à avaliação de risco neste caso, pelo escore TIMI, que prediz mortalidade em 30 dias após IAM (Tabela 1), este paciente tem TIMI 6, o que confere uma mortalidade de 16%.

 

Tabela 1 – Escore TIMI

Pontos

Mortalidade em 30 dias

0

0.8%

1

1.6%

2

2.2%

3

4.4%

4

7.3%

5

12%

6

16%

7

23%

8

27%

9-14

36%

 

Cálculo do TIMI:

         DM, história de angina ou hipertensão (1 ponto)

         PA sistólica > 100 mm Hg (3 pontos)

         FC > 100 BPM (2 pontos)

         Killip classe II-IV (2 pontos)

         Peso < 67 kg (1 ponto)

         Supra ST anterior ou Bloqueio de ramo esquerdo (1 ponto)

         Tempo para tratamento > 4h (1 ponto)

         Idade

o   >=75 anos (3 pontos)

o   65-74 anos (2 pontos)

o   < 65 (0 pontos)

 

Bibliografia

 

1.      Thygesen K, Alpert JS, Jaffe AS, et al. Third universal definition of myocardial infarction. Circulation 2012; 126:2020.

2.      Morrow DA, Antman EM, Charlesworth A, et. al. TIMI risk score for ST-elevation myocardial infarction: A convenient, bedside, clinical score for risk assessment at presentation: An intravenous nPA for treatment of infarcting myocardium early II trial substudy. Circulation. 2000 Oct 24;102(17):2031-7.

3.      Colaco R, Reay P, Beckett C, et al. False positive ECG reports of anterior myocardial infarction in women. J Electrocardiol 2000; 33 Suppl:239.

4.      Antman EM, Anbe DT, Armstrong PW, et al. ACC/AHA guidelines for the management of patients with ST-elevation myocardial infarction: a report of the American College of Cardiology/American Heart Association Task Force on Practice Guidelines (Committee to Revise the 1999 Guidelines for the Management of Patients with Acute Myocardial Infarction). Circulation 2004; 110:e82.

5.      Anderson J, Adams C, Antman E, et al. ACC/AHA 2007 guidelines for the management of patients with unstable angina/non-ST-elevation myocardial infarction: a report of the American College of Cardiology/American Heart Association Task Force on Practice Guidelines (Writing Committee to revise the 2002 Guidelines for the Management of Patients with Unstable Angina/Non-ST-Elevation Myocardial Infarction): developed in collaboration with the American College of Emergency Physicians, American College or Physicians, Society for Academic Emergency Medicine, Society for Cardiovascular Angiography and Interventions, and Society of Thoracic Surgeons. J Am Coll Cardiol 2007; 50:e1 www.acc.org/qualityandscience/clinical/statements.htm (Accessed on September 18, 2007).

6.      Thygesen K, Alpert JS, White HD, Joint ESC/ACCF/AHA/WHF Task Force for the Redefinition of Myocardial Infarction. Universal definition of myocardial infarction. Eur Heart J 2007; 28:2525.

7.      Alpert JS, Thygesen K, Antman E, Bassand JP. Myocardial infarction redefined--a consensus document of The Joint European Society of Cardiology/American College of Cardiology Committee for the redefinition of myocardial infarction. J Am Coll Cardiol 2000; 36:959.

 

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal