FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Abscesso submandibular

Autor:

Lucas Santos Zambon

Doutorado em Ciências Médicas pela Faculdade de Medicina da USP.
Supervisor do Pronto-Socorro do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.
Diretor do Instituto Brasileiro para Segurança do Paciente.

Última revisão: 26/09/2016

Comentários de assinantes: 0

Quadro Clínico

Mulher de 22 anos, sem antecedentes pessoais conhecidos, é internada após procurar pronto-socorro com história de febre há cinco dias, com surgimento de dor na região submandibular, associada a aumento de volume local e calor na região. Também relata muita salivação e dificuldade de mobilizar o pescoço. A paciente foi submetida a uma tomografia de face e região cervical, que pode ser vista na imagem 1.

 

Imagem 1 – Tomografia de face e cervical

 

 

 

Discussão

Podemos verificar os seguintes achados nesta tomografia: há um grande processo inflamatório/infeccioso no assoalho bucal, com aspecto hipodenso, sugerindo liquefação, e caracterizando coleção/abscesso com envolvimento dos planos mioadiposos, notadamente junto às glândulas submandibulares, sobretudo à direita. As glândulas submandibulares apresentam aumento de suas dimensões, com focos de liquefação/necrose intraglandular, sem sinais de obstrução de dutos, sendo mais evidente à esquerda.

Esta paciente tem uma infecção submandibular bilateral, também conhecida como “Angina de Ludwig”. A angina de Ludwig é uma infecção bilateral do espaço submandibular (que inclui os espaços submilo-hióide e sublingual) que começa no pavimento da boca, mais geralmente relacionado com o segundo ou terceiro dentes molares. É tipicamente uma infecção polimicrobiana que envolve a flora da cavidade oral, e espalha-se rapidamente. Os agentes mais comuns são Streptococcus viridans e anaeróbios orais. Em imunocomprometidos, também existe a chance de gram-negativos e estafilococos.

Os pacientes geralmente apresentam-se com febre, calafrios e mal-estar, bem como dor na boca, rigidez do pescoço, salivação excessiva, e disfagia. As complicações possíveis da doença são asfixia e pneumonia aspirativa.

O diagnóstico é basicamente clínico, com suporte de imagens. O tratamento é com antibióticos de largo espectro, incluindo cobertura para anaeróbios. Normalmente, são necessárias ao menos duas a três semanas para melhora clínica. Pacientes sem melhora ou que apresentem ponto de flutuação podem precisar de aspiração por agulha ou mesmo drenagem cirúrgica do local.

 

Bibliografia

Boscolo-Rizzo P, Da Mosto MC. Submandibular space infection: a potentially lethal infection. Int J Infect Dis 2009; 13:327.

 

Chow AW. Life-threatening infections of the head, neck, and upper respiratory tract. In: Principles of Critical Care, Hall JB, Schmidt GA, Wood LD (Eds), McGraw-Hill, New York 1998. p.887.

 

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal