FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Eletrocardiograma 33

Autores:

Luiz Flávio Galvão Gonçalves

Especialista em Cardiologia pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP)
Especialização em Ressonância Magnética e Tomografia Computadorizada Cardiovascular pelo InCor-HC.FMUSP

Fernando de Paula Machado

Médico pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Residência em Clínica Médica no Hospital das Clínicas da FMUSP (HC-FMUSP). Residência em Cardiologia pelo Instituto do Coração (InCor) do HC-FMUSP. Médico Diarista do Pronto-Atendimento do Hospital Sírio-Libânes.

Leonardo Vieira da Rosa

Médico Cardiologista pelo Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Médico Assistente da Unidade de Terapia Intensiva do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Doutorando em Cardiologia do InCor-HC-FMUSP. Médico Cardiologista da Unidade Coronariana do Hospital Sírio Libanês.

Última revisão: 01/04/2019

Comentários de assinantes: 0

Quadro clínico

            Paciente de 47 anos, assintomático, realizando exames de check-up. Fez Ecocardiograma que se mostrou normal, porém apresentava o seguinte ECG. Qual o diagnóstico ?

 

Eletrocardiograma do paciente

 

Ver diagnóstico abaixo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Interpretação

 

1- Ritmo sinusal;

2- PR- 120 ms;

3- QRS < 100ms;

4- QTC-430ms;

5- Eixo + 30°

6- Alterações difusas da repolarização ventricular – observadas principalmente em precordiais esquerdas – com ondas T simétricas “gigantes” invertidas com mais de 10 mm + padrão Strain.

 

Diagnóstico

Miocardiopatia Hipertrófica Apical (Yamagushi), inicialmente não vista pelo ecocardiograma, mas confirmada pela ressonância cardíaca, conforme podemos visualizar nas imagens abaixo.





 

 















Comentários

            É a forma de cardiomiopatia hipertrófica que acomete a ponta, caracterizada pela presença de ondas T gigantes (>10 mm) nas precordiais (V2-V5) e sinais eletrocardiográficos sugestivos de hipertrofia ventricular esquerda (R V5>26mm e S V1 + R V5>35mm), que poderá ser confirmada pelo encontro do formato em “naipe de espadas” na silhueta do ventrículo esquerdo.

            Embora a maioria dos doentes com MCH apresente alterações do ECG, o achado de ondas T invertidas nas derivações precordiais é característico da variante apical, estando presente em mais de 90% dos casos, com amplitude muitas vezes superior a 10 mm, critério usado para defini-las como “gigantes”.

            A função diastólica encontra-se freqüentemente alterada em virtude da diminuição do relaxamento ventricular, com redução do enchimento inicial e maior participação da contração atrial no volume ventricular. O prolongamento do tempo de relaxamento e o aumento da pressão do enchimento (pd2) pode induzir dispnéia de esforço. Por outro lado, o aumento da Pd2 e a maior contribuição da participação atrial no enchimento diastólico podem acarretar aumento da dimensão da câmera atrial e desencadear fibrilação atrial.

            A via apical do ecocardiograma transtorácico é decisiva para não ocorrer falha no diagnóstico da variante apical da MCH. O apex do ventrículo esquerdo é classicamente referido como uma zona de difícil visualização por ecocardiografia transtorácica. Embora essa afirmação não seja tão verdadeira hoje como há alguns anos, devido a melhor resolução proporcionada pelos equipamentos atuais, o diagnóstico pode ser difícil ou impossível nos casos de envolvimento assimétrico dos segmentos apicais ou quando se coloca o diagnóstico diferencial com trombos. Outros fatores importantes na falha do diagnóstico ecocardiográfico são: a experiência do operador e o fato de haver ou não uma suspeita clínica explícita.

            A ressonância magnética cardíaca (RMC) é uma técnica em expansão, descrita como superior à ecocardiografia para a detecção e quantificação da espessura parietal do ventrículo esquerdo. Num estudo de 48 doentes com MCH, a RMC permitiu identificar hipertrofia em três casos (6%) não identificados pela ecocardiografia . Esta técnica ainda não está disponível na maioria dos centros.

            Nos casos em que o ecocardiograma transtorácico é não diagnóstico ou duvidoso, o uso de contraste endovenoso e/ou a ressonância magnética podem confirmar o diagnóstico.

            Prognóstico - Desde sua descrição, os diversos trabalhos têm demonstrado ser este tipo de CMH de melhor prognóstico do que o tipo assimétrico. Enquanto o tipo assimétrico tem incidência anual de mortalidade entre 2 a 3%, o tipo apical tem evolução mais benigna. Os pacientes que apresentam envolvimento associado ou isolado da ponta do VD têm prognóstico sombrio.

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal